Pensamentos sobre a distribuição digital de mangás

O combo Copa do Mundo + Feriados forçados tem sido um belo motivo para minha produtividade estar bem reduzida. Porém, hoje queria postar e, revisitando meu caderninho de anotações para futuros posts (sim, eu tenho um desses), eu me lembrei que há muito estava querendo falar sobre distribuição digitais de mangás, então por que não fazê-lo agora? A hora é perfeita para isso.

A editora americana Viz anunciou há algum tempo que estaria publicando em papel os volumes encadernados de World Trigger, mangá que atualmente é publicado semanalmente em versão digital pela própria editora na Weekly Shonen Jump.  Essa já é a segunda série que começou na versão digital e acabou sendo publicada em papel (a primeira foi Nisekoi) por lá. Além disso, a editora também decidiu disponibilizar mais de 500 edições de mangás da Shonen Jump no Comixology, uma das maiores plataformas de leitura digital de quadrinhos. Outra plataforma digital também vem crescendo bastante, o Crunchyroll Mangás que não para de adicionar títulos novos ao seu acervo. Em acréscimo a tudo isso, até aqui no Brasil tivemos uma movimentação na área com a estreia do novo site de mangás da Editora Jambô, onde LEDD passará a ser publicado.

digital_02

Toda essa movimentação em torno da distribuição digital não é de todo estranhamento para nós, leitores de mangás. Diferente de outras mídias, como quadrinhos americanos, video games, filmes, etc, os mangás se popularizaram no ocidente, e especialmente no Brasil, graças à internet. Foi graças ao trabalho de tradutores independentes que pudemos ler inúmeras obras vindas do Japão em uma época que as editoras não se importavam muito com isso.

Hoje em dia o cenário é diferente. Estamos em uma época onde o acesso oficial a mangás é fácil. Temos dezenas de títulos em publicação e mais ainda por vir. Porém, apesar disso,a inda existe muita gente que usa a internet pelos mais diversos motivos. Seja dinheiro, rapidez de lançamento, facilidade de acesso, etc. E em todos esses aspectos é praticamente impossível as editoras competirem de maneira justa. Não com o método tradicional de publicação em papel.

digital_03

É aí que entra a distribuição digital. Distribuir mangás pela internet é uma pratica que é sim mais barata, mais rápida e com um acesso mais fácil por parte do consumidor e, embora as editoras não possam competir no fator preço (afinal ninguém, teoricamente, paga para os “alternativos”), elas podem competir com a rapidez e com a facilidade de acesso e é isso que estão fazendo, com bons resultados, creio.

Eu realmente acredito que esse será o futuro do nosso mercado. As editoras cobrariam um valor mensal para o leitor poder ter acesso aos capítulos de diversas séries publicados semanalmente, mensalmente, bimestralmente, etc, em formato digital através dos mais diversos dispositivos. Algumas dessas séries, as que fizessem mais sucesso, por exemplo, ganhariam versões encadernadas em papel e digital.

Quem gosta de acompanhar capítulo a capítulo assinaria o serviço digital e poderia depois comprar em papel as séries que mais gostam e que querem ter na coleção. As pessoas que preferem ler em volumes  e não querem gastar tanto para acompanhar pelas edições em papel ou que só gostam de uma ou outra série mas e não acham que compensa pagar pra ter acesso a séries que não vai ler pode ficar com a edição digital, que teria um preço mais em conta e sairia até antes das edições em papel.

digital_04

Além disso, as editoras poderiam ainda aproveitar para trazer séries mais “arriscadas”, como títulos mais alternativos ou que começaram a ser publicados há muito pouco tempo. Séries que nunca veriam a luz do dia por aqui através do método tradicional.

Algumas dessas ideias já acontecem. Só ver os exemplos que eu dei no início do post. E vale dizer que não só no ocidente, como no próprio Japão também. Um exemplo é One-Punch Man, mangá que começou a ser publicado em formato digital por lá e devido ao seu sucesso ganhou versão em papel. Sendo assim, é muita viagem pensar que esse pode ser o futuro do nosso mercado aqui no Brasil? Eu acho que não e, como leitor, eu ficaria muito feliz se isso acontecesse.

E vocês? O que acham da distribuição digital de mangás? Acreditam que esse possa ser o futuro do nosso mercado? Os comentários estão abertos! Bora discutir por lá.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

O combo Copa do Mundo + Feriados forçados tem sido […]