Shonen Jump – Procura-se herdeiros…

jumpherdeiros

A Shonen Jump, até hoje, sofre com o “trauma Dragon Ball”. Quando a série de Akira Toriyama reinava na revista, sua tiragem era de incríveis 7 milhões de cópias semanais. Ao terminar, Dragon Ball levou consigo metade desses leitores. Para piorar, Slam Dunk, de Takehiko Inoue (REAL, Vagabond) terminou pouco tempo depois e levou mais uma boa parcela dos leitores embora. Resumo da obra: A Jump perdeu muito, mas MUITO leitor da noite para o dia. Hoje, a revista se estabilizou em louváveis 3 milhões de cópias semanais graças a três mangás: One Piece, Naruto e Bleach, o que muitos leitores recentes de mangá conhecem como OS TRÊS PILARES DA SHONEN JUMP.

No entanto, apesar dessa “estabilidade”, o departamento editorial da revista sabe que é preciso preparar herdeiros para segurarem as pontas quando do eminente final dos Pilares. Precisam preparar a revista para evitar outro trauma… e parece que eles estão conseguindo.

Para começar, Toriko, de Mitsutoshi Shimabukuro, há algum tempo, já vem substituindo Bleach no TOP 3 da Jump, após a queda de qualidade e popularidade deste. A série tem potencial para ser bem longa e tem caído bastante na graça dos leitores, inclusive fora do Japão.

Depois de um ano sofrível em 2010, a Jump só veria alguma luz no fim do túnel na sua busca por herdeiros ao final de 2011 com a estreia de Nisekoi, de Naoshi Komi. A comédia romântica veio para ocupar um espaço que já foi de clássicos como I”s, Ichigo 100% (aka 100% Morango), Video Girl Ai, mas que recentemente estava sendo subaproveitado com tentativas de série sem substância.

Era o que a Jump precisava, ver uma luz no fim do túnel, tornando 2012 um ano promissor. E ele correspondeu.

Em 2012 tivemos a estreia de três importantes séries para a Shonen Jump. Ansatsu Kyoushitsu, HQ!! e PSI Kusuo Saiki. HQ!! veio para preencher o espaço dos mangás de esportes que, apesar de ter ganhado um revival com a recente popularidade de Kuroko no Basket, ainda pedia por mais séries. Porém, seu maior trunfo está em ter agradado imensamente o público feminino, que se sabe hoje ser uma parcela importante dos leitores da Shonen Jump. PSI veio para preencher a lacuna dos gag-mangá, aqueles mangás voltados inteiramente a comédia, como o finado Jaguar e o ainda em publicação Kochikame, com histórias simples e mais focados em “esquetes” do que em grandes sagas mirabolantes. Por fim, Ansatsu Kyoushitsu veio entrando na bota de mangás de ação e foi um sucesso avassalador! Com certeza ninguém esperava por tamanha popularidade. Os resultados tanto nos rankings quanto na venda de encadernados foi excelente. O único problema da série é não ter muita perspectiva de longevidade. Quem lê concorda que não tem como tem como ele se desenvolver para um “mangá infinito” sem perder a qualidade. Eu nunca duvido da capacidade dos mangakás, mas acho muito difícil que Ansatsu Kyoushitsu dure mais que 10-15 volumes (o que, pra mim, já seria muito para a série).

Ainda falta muito, MUITO, para a Jump se sentir realmente segura para o fim de One Piece (que deve demorar um bocado ainda), Naruto (que não deve demorar tanto assim) e Bleach (cujo final deve estar dobrando a esquina a qualquer momento), mas eles já conseguem ver uma luz brilhante no fim do túnel. Falta ainda, por exemplo, achar uma série de ação e aventura, um clássico shonen de porrada, nos moldes desses três, no molde de Dragon Ball, Samurai X, Yu Yu Hakusho, Hunter X Hunter e outros tantos clássicos criados na Jump. O caminho ainda é longo, mas o objetivo é claro.

A intenção do departamento editorial fica clara ao vermos imagens como essa, que abriu esse post. Trata-se de uma imagem de divulgação para os eventos Jump PAKU, que trarão para várias cidades do Japão, dando continuidade às comemorações de 45 anos da Shonen Jump, vendas de produtos exclusivos e atrações especiais de One Piece, Naruto, Toriko, Nisekoi, HQ!!, Ansatsu Kyoushitsu e PSI Kusuo Saiki… é, justamente as séries mencionadas nesse post.

O que nós ganhamos com tudo isso? Mais e mais séries de qualidade para nos divertirmos com! Que venham mais!

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

A Shonen Jump, até hoje, sofre com o “trauma Dragon […]