BAKUMAN – O Final

ATENÇÃO! Esse post pode conter spoilers da série BAKUMAN, publicada semanalmente na Shonen Jump e atualmente em publicação pela editora JBC aqui no Brasil. Continue a ler só se estiver atualizado com a série ou não se importar com spoilers. Obrigado.

——————————————————————————-

BAKUMAN, escrito por Tsugumi Ohba e desenhado por Takeshi Obata, publicado na revista semanal Shonen Jump desde Agosto de 2008, encerrou sua história três anos e oito meses depois, com 176 capítulos compilados em 20 volumes encadernados.

Quem acompanha o Anikenkai sabe que BAKUMAN sempre esteve presente nesse blog. Existe, por sinal, uma categoria inteira de posts dedicada à série aqui. Dá para perceber que a série é realmente querida por mim e, por causa disso, ver seu fim jamais seria algo 100% prazeroso, mas ainda assim, dependendo de como as coisas fossem amarradas, o gosto amargo poderia se tornar um suave agridoce.

Mas não foi isso que aconteceu. Vamos por partes…

O capítulo final começou muito bem, trazendo o título do primeiro capítulo levemente modificado para comportar um importante “10 anos depois”. A imagem colorida de Mashiro e Miho em trajes de casamento recepcionavam o leitor para um capítulo que prometia ser memorável… mas prometia por quê? Será que era só eu que achava isso? Será mimimi bububu de fanboy? Não…

Acontece que BAKUMAN sempre foi um mangá metalinguístico, isso é, dialogava constantemente com a realidade e seus acontecimentos. Em seu arco final, a dupla Mashiro e Takagi criaram um novo mangá para competir com o novo trabalho de Niizuma Eiji. Nascia Reversi, uma alusão direta a Death Note, onde era travado uma luta entre o bem e o mal encarnados na pele de dois demônios com visões bem diferentes do mundo e da humanidade. A série foi um estouro e logo eles receberam uma proposta para fazer um anime. Entra em cena a heroína Miho. Ela passa por uma enorme provação e consegue se sobressair e ganhar papel de destaque na adaptação animada. Mashiro e Miho tinham finalmente realizado seus sonhos, podiam se casar… mas ainda havia uma situação… a história que Takagi criou estava se aproximando de seu climax e a dupla entendeu que era por bem encerrar sua série sem enrolação, entregando aos seus leitores uma série curta porém de altíssima qualidade. Os dois, após convencerem seu editor e o editor-chefe, decidem por se focar na última página de seu mangá pois, como eles mesmos disseram, “a última cena de um mangá é importante, afinal de contas, você pode até dizer que a obra é uma obra-prima ou um fracasso dependendo só dessa cena específica”. E eles entregam, um final épico para Reversi, que surpreende a tudo e a todos e deixa seus leitores contentes, apesar de ser o final.

Voltando para o mundo real, se Ohba e Obata colocam nas páginas de seu gibi uma afirmação categórica como essa, era de se esperar que eles estavam preparando algo épico para o encerramento. O fato do Mashiro ter até pedido dinheiro emprestado para se preparar para a Hora H ainda tornou tudo maior! O que ele iria fazer com tanto dinheiro? Uma mega-festa de casamento. A IMAGEM EM CORES DO ÚLTIMO CAPÍTULO SUGERE ISSO! Lá estariam todos os personagens, interagindo, apreciando o momento que foi construído durante toda a série… mas como já disse anteriormente, não foi isso que aconteceu.

Os autores entregaram um último capítulo agradável, fato, mas muito aquém de ser o final épico que os fãs esperavam. Na verdade, quando acabaram as páginas eu não consegui deixar de me perguntar “Ahn? Não tem mais nada?”… o final escolhido pelos autores, apesar de fofinho, não foi suficiente para fechar uma obra como Bakuman. Eles basicamente esqueceram todo o desenvolvimento que propuseram no decorrer da série e voltaram às origens para só fechar, de verdade, o plot do relacionamento entre Mashiro e Miho. E a carreira deles como mangaká? Não é dada nenhuma procedência? Como que fica…?

Pois é… BAKUMAN foi uma excelente série. Apesar de altos e baixos o saldo foi bem positivo. Assim como o Denys falou em seu post para o Gyabbo, uma boa série com um final ruim.

E que tal falarmos um pouco sobre os pontos positivos da série? Pois eu não estaria fazendo esse post aqui se a série fosse ruim, eu teria parado há MUITOS capítulos atrás.

Antes de entrar nesse ponto, um pouco de história pessoal…

Mais pro final de 2008 eu já estava a cursar a primeira metade do meu curso universitário, no caso, Comunicação Social. Foi nesse período também que comecei a trabalhar dando aulas. Minha cabeça na época começou a ficar cheia de observações sobre a minha vida. Para começar, se a faculdade onde eu estava era o que eu realmente queria fazer da vida e o meu novo trabalho havia me aberto os olhos para algo que eu sempre gostei de fazer, ensinar os outros, de buscar e compartilhar conhecimento.

BAKUMAN estreou e me pegou com a guarda-baixa trazendo como primeira cena um menino questionando justamente as decisões para seu futuro. Acompanhei desde então sem falta por 176 volumes e como minha vida mudou.

Primeiro que apesar deu estar concluindo a faculdade de Comunicação Social, percebi que o que mais gosto de fazer na vida é estudar, é buscar conhecimento e, por conseguinte, compartilhá-lo com outras pessoas. A parte teórica dos estudos me atraíram muito mais que as partes práticas, algo inconcebível para o “eu” de anos atrás. Esse ano dei início ao curso de Letras e pretendo seguir na carreira acadêmica mesmo que esta seja mais arriscada que a já preocupante carreira jornalística. Eu estou disposto a encarar esse desafio e, como aparece em BAKUMAN, o importante é ser bom. Se você for bom, você terá sua vez.

E quero deixar bem claro para vocês que eu não coloco BAKUMAN como uma bíblia sagrada que mudou minha vida, as mudanças independeriam da série ou não, mas foi agradável acompanhar uma história onde os protagonistas enfrentam dificuldades e dúvidas bem parecidas com as que eu tive ou ainda tenho. Apesar de romantizado, o mangá é verossímil em sua temática.

Para fechar esse post especial, deixo meu obrigado ao Ohba-sensei e ao Obata-sensei por terem feito essa série para nós e deixar registrado que torço para que o final “corrido” de BAKUMAN seja sinal de que eles já estão com outros projetos em mente e querem começar a trabalhar neles o mais rápido possível. Irei lembrar dessa série como algo marcante. Mais do que foi Death Note. Chegando quase ao nível do que Genshiken representa para minha formação como leitor e fã de mangás.

Outras impressões do final da série em:

Gyabbo!

Maximum Cosmo

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

ATENÇÃO! Esse post pode conter spoilers da série BAKUMAN, publicada semanalmente […]