Vidas ao vento, a última obra de Hayao Miyazaki

vidas00

Hayao Miyazaki. Gênio pra uns, um diretor competente pra outros, um grande babaca para todos, mas uma coisa que não se pode negar é que o cara tem talento. Seja pra reciclar sua obra de maior sucesso (Chihiro) em filmes idênticos (todos os últimos que ele fez) ou para fazer algo que saiba tocar o coração daqueles que assistem. E, olha, Vidas ao vento se encaixa no segundo.

Eu não vou mentir. Não sou fã do Miyazaki. O respeito como autor e tudo mais, mas acho que faz tempo que ele era um samba de uma nota só. Castelo animado e Ponyo eram claramente filmes que iam na aba de Chihiro (que é realmente incrível) e não se sustentavam bem sozinhos. Aliás, Ponyo é terrível e não fosse do Miyazaki nem seria mencionado mais do que em algumas notas de rodapé de sites obscuros. E o Miyazaki sempre foi um grande babaca, se achando o rei da cocada e criticando a tudo e a todos porque seus filmes são premiados, como se ele fosse o último bastião de qualidade da indústria, mesmo quando tínhamos gênios como Satoshi Kon por aí (esse sim um cara que merece toda a puxasaquice, que Deus o tenha).

Mas nem por isso eu vou deixar de admitir que o Hayao fez bons filmes e tinha talento. Castelo de Cagliostro é divertido, Mononoke é incrível e Chihiro é sensacional. O cara tem erros e acertos, assim como todos nós. Ele não é uma entidade. Vai deixar saudades com certeza, mas com certeza um dia chegará alguém que vai ocupar o lugar dele como o japonês que todos adoram puxar saco.

Dito tudo isso, eu adorei vidas ao vento.

vidas3

Fiquei honestamente surpreso como esse filme foge do estilo geral do Miyazaki, sendo bem sóbrio. Só do personagem principal não ser uma menininha vivendo uma aventura estranha e mágica já contou pontos pra mim, hahaha. Mas  que mais destoou é que vidas ao vento, apesar de ter alguns momentos engraçados é um filme de drama e desilusões e como a vida nos leva para lugares que nem sempre desejamos, mas que somos carregados e devemos lidar com isso.

A história é uma biografia fictícia de  Jiro Horikoshi, um grande engenheiro de aviação que fez o designer do famoso avião Zero pela Mitsubishi. Avião utilizado pela força aérea japonesa na segunda guerra por seu tamanho pequeno e velocidade. Conforme o tempo passou e a guerra progredia, o Zero foi passado para trás e com o tempo foi adaptado para pilotos kamikaze. Jiro também desenhou outros aviões famosos, como o Raiden e o Reppu, mas o Zero foi sem dúvida sua maior criação e a mais emblemática.

filmes_7734_Kaze01

A história também é uma biografia de Tatsuo Hori, poeta da mesma época que lidou com a dor de ver a sua pessoa mais amada cair perante uma doença e com a constatação dele mesmo tê-la contraido.

Dois homens cuja única similaridade são de que viveram ao mesmo tempo em um Japão armado e que conviveram com isso do jeito que podiam. Tatsuo escrevia sobre seu dia a dia em poesias extremamente pesadas e melancólicas enquanto vivia com uma doença mortal e Jiro planejava agentes do caos, que espalhavam a morte por onde passavam. Nenhum deles queria isso, mas a vida os levou àquele ponto e eles viveram do melhor jeito que puderam.

Isso que é vidas ao vento. Uma homenagem a dois homens que lutaram pelo seu sonho e que o viram se deturpar pelas linhas da vida, mas que nunca deixaram de acreditar que com os passos que davam, algo melhor iria florir. O Jiro do filme é um amálgama da vida dos dois homens. Assim como eles, ele se encontra em uma situação onde ele hesita. Será melhor continuar o que faz sabendo que é para fins militares? Como fazer isso? O sonho não pode parar, assim como o vento não pára.

vidas1

O filme não é perfeito. Acho que a química entre os personagens principais foi bem fraca, o que diminui o impacto das situações vividas por eles. O filme também é arrastado em alguns momentos, o que deixa tudo mais pesado para o telespectador. Ao contrário dos últimos do Miyazaki, eu não recomendaria esse filme para crianças. Não por ser denso, mas o filme é longo e não tem quase nada do aspecto lúdico e mágico que se está acostumado a ver nos filmes do Hayao. Vidas ao vento podia muito bem ter sido filmado com atores reais e não se teria nenhuma perda. É um filme sobre pessoas vivendo suas vidas do jeito que podem em um período negro da história japonesa.

Fiquei bem surpreso com o resultado. Há muito vejo os filmes do Miyazaki sem esperar nada e com esse não foi diferente, mas pro fim da carreira o cara ainda tinha uma surpresa ou outra. Não sei se ele vai realmente ficar aposentado por muito tempo, afinal, quando a conta bate, só Deus sabe o que se passa na cabeça das pessoas, mas se esse for o fim mesmo, eu acho que todo fã ficará satisfeito. Vidas ao vento é uma perfeita chave de ouro para a carreira de um dos maiores diretores de animes do Japão, inclusive, todo o conceito do filme que é ser guiado pela vida fazendo aquilo que você acha melhor pode ser uma adaptação da própria carreira do Miyazaki, que já fez muita coisa até chegar a esse ponto onde ele tinha autonomia total.

Hayao Miyazaki. Deus pra uns, um homem para outros, mas talentoso para todos. Fica aqui o adeus para ele. Se ele queria um fim perfeito para sua carreira, conseguiu.

vidas2

Sobre Fred

I'm a very twisted person. Gosto de animes e mangás por boa parte da minha vida e comentar sobre isso é sempre um prazer... Desde que eu tenha algo útil pra falar. Afinal, Dirac já dizia: "Eu não começo uma frase sem saber como ela vai terminar". Sou também um quimicuzinho que sabe falar bobagem o suficiente pra parecer inteligente.

Hayao Miyazaki. Gênio pra uns, um diretor competente pra outros, […]