O que é e para que serve o ‘anime blogging’? – Um breve retrato da nossa blogsfera.

Semana passada, navegando pela internet, me deparei com um blogueiro americano fazendo a seguinte pergunta: “Por que você começou a blogar sobre animes?”. Fiquei pensando e achei que esse seria um bom assunto para abordar aqui no Anikenkai. Só que para melhorar a coisa ainda mais, eu resolvi fazer um pequeno questionário para meus colegas blogueiros, que foi respondido prontamente por todos (obrigado pessoal). O resultado de tudo isso você confere agora.

———————————————————————————————————————————

Eu lembro que comecei a blogar sobre animes por um motivo simples: queria ter um lugar onde eu pudesse expor minha opinião de forma livre, porém organizada. Esse desejo veio da minha vontade própria de explorar mais esse universo e a decisão pelo formato se deu graças às minhas desventuras pela blogsfera americana.

Boa parte dos principais blogueiros do fandom compartilham dessa mesma motivação com poucas variações. Tanto o Qwerty (Nahel Argama) quanto o Leo Kusanagi (Mithril) estavam incomodados com as ferramentas limitadas de fóruns e orkut, queriam um lugar para suas opiniões não se perderem. Outros, como o Denys (Gyabbo) e a Roberta (Elfen Lied Brasil) queriam simplesmente um lugar para poder expor suas opiniões para as pessoas. Outros ainda começaram para aliviar o stress, como o Dih (Chuva de Nanquim), por hobby, como a Mary (Across the Starlight) ou até para ter um exercício regular de escrita, como a Mara (Mais de Oito Mil).

Independente da motivação de cada um, todos estão lá, blogando sobre animes e mangás, cada um de sua própria maneira. E aí que vem aquela questão básica: as pessoas blogam para si ou para seus visitantes?

Para mim é simples: uma mistura dos dois. No início é muito comum a gente escrever o que as pessoas querem ler, mas com o tempo, passa a ser mais comum as pessoas lerem o que nós queremos escrever sobre. Isso acontece por vários motivos, dentre eles a seleção de público. Se uma pessoa continua visitando seu blog depois da primeira visita é porque ela simpatizou com o que você fala e como você fala. Sendo assim seu público começa a ficar selecionado e começa a exigir que você seja você mesmo mais do que qualquer coisa.

Apesar disso, algumas pessoas, como o Walter (Mangás Cult), decidem falar do que querem desde o começo, arriscando um começo de poucos acessos mas um público bem fiel no futuro. Outros, como o Leo Kusanagi e o Carlírio (Netoin!) tendem a falar sobre coisas tão exclusivas e de nicho que muitas vezes acabam “remando” contra a maré da blogsfera no geral. Ainda tem aqueles que por causa do foco acaba escrevendo tanto sobre o que gosta quanto sobre o que não gosta tendo em vista seu público, como a Valéria (Shoujo Café). E ainda tem aqueles que assumem sua veia de pluralidade de público, como é o caso do Chuva de Nanquim.

Mas não há um blogueiro que nãos e preocupe com seu público. Seja ele o público geral, público de nicho, etc. Isso acaba gerando uma pressão de responsabilidade para com esse público. Pessoalmente, minha responsabilidade é sempre de trazer conteúdo de qualidade e uma opinião que os meus leitores possam identificar facilmente como minha. Isso soma-se à responsabilidade natural de formador de opinião pois é muita ingenuidade acreditarmos que nós não influenciamos na opinião de ninguém. Não que isso seja algo para se gabar (não é), mas é uma realidade.

O Qwerty tende a se colocar alguns objetivos pessoais quanto a número de views e posts por semana. Temos também aqueles que por terem um público mais amplo e variado acabam tendo responsabilidades maiores com o que falam, como o Shoujo Café e o Chuva de Nanquim. O Denys aproveita a pergunta e coloca em pauta algo bem relevante, a exigência do próprio público do blogueiro estar antenado com tudo que está acontecendo na industria. Se você não sabe que o anime X foi anunciado para a temporada Y você não tem credibilidade. Infelizmente é verdade e muitos leitores pensam dessa forma. Mas apesar dessa pressão externa, a maior de todas é mesmo a pressão interna do blogueiro, como bem falou a Lilian (Mundo Mazaki).

Mas afinal, o que é e para que serve o anime blogging?

Essa é a pergunta que deu nome ao post e que me motivou a fazer esse post. E depois de ler a resposta de cada um de meus colegas blogueiros, a resposta é simples: Anime blogging é gerar conteúdo, motivar discussões e formar opiniões sobre animes e mangás. É esse o papel de um blogueiro. No entanto, é impossível um único blogueiro fazer tudo isso. Tem aqueles que se focam em fazer reviews das séries, outros que se focam em falar de séries underground, outros falam das séries populares, outros dão notícias do que está acontecendo, outros falam do fandom, outros de uma obra específica, outros criam sátiras em cima desse universo. Quanto mais variedade de assuntos e abordagens, melhor. A blogsfera brasileira ainda é muito nova nesse quesito, mas estamos crescendo e a ideia é melhorar cada vez mais.

E para que serve o anime blogging?

Eu discordo da Mara que respondeu “para nada”. Para mim a utilidade da blogsfera é fazer o fandom se desenvolver. Dar a ele a oportunidade de ter mais conteúdo além das obras para ele poder apreciar e discutir. E quanto maior e mais diversa, o ato de se blogar sobre animes gera senso crítico nos leitores. Mas sabem qual é a maior utilidade do anime blogging para nós, blogueiros? A diversão. É divertido pra caramba falar sobre o que a gente gosta, interagir com outros fãs, discutir, etc. Sendo a interação o que eu, pessoalmente, destaco. Adoro conhecer gente nova através do Anikenkai.

Gostaria de fechar esse post com essa citação ao que o Fábio (Video Quest) disse sobre a utilidade do anime blogging:

Somos (os blogueiros) um pouco o velho da fogueira que conta historias e entretém o público como também somos umas das poucas formas que esse público tem de conhecer mais sobre si e a mídia a qual são fans.

Não podia dizer melhor. É bem isso aí. E o que vocês, leitores, tem a dizer sobre isso? Não deixem de comentar!

Agradeço pessoalmente ao Wagner, Qwerty, Leo Kusanagi, Carlírio, O Judeu Ateu, Roberta, Dih, Denys, Lilian, Kuroi, Se-chan, Valéria, Fábio, Mara e Mary por terem respondido ao questionário.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Semana passada, navegando pela internet, me deparei com um blogueiro […]