Blood Lad Vol. 1 – Seinen novo nas bancas? Sério? E é bom…?

Você já ouviu falar de Yuuki Kodama? Bem, eu não sabia até receber da editora Panini um exemplar de seu mais novo mangá, Blood Lad. Yuuki Kodama é o autor dessa obra e dando uma breve pesquisada sobre sua carreira pouco se descobre. Poucos mangás e nenhum que realmente se destacasse… até chegar em Blood Lad. Saindo das revistas da editora Square Enix e indo para a Young Ace da Kodokawa Shoten, o autor (ou autora, vai saber) parece ter acertado a mão, já que o mangá conta com 5 volumes encadernados no Japão em 3 anos de publicação e, adivinhem vocês, vai ganhar um anime (ainda sem data de lançamento confirmada). Bem, vamos à sinopse então…

A História

Em uma área do mundo dos demônios vive Staz, um vampiro um tanto incomum. Ele não se interessa muito por sangue humano e, diferente de seus ancestrais, não gosta de ficar vagando pelo mundo dos humanos fingindo ser um nobre europeu. Seu verdadeiro interesse é cultura pop japonesa. Mangás, DVDs, BDs, CDs, figures… ele usa seus subordinados para irem ao mundo dos humanos e conseguirem exemplares para ele. Quando um dia ele descobre que uma menina humana está vagando pelo mundo dos demônios ele decide logo ir encontrá-la. Ele logo fica encantado pelas novidades que a garota trás do Japão . Porém, um individuo decide aparecer em sua área e desafiar sua liderança. Staz o derrota com um mero golpe mas ao voltar para seu apartamento descobre que a menina havia sido devorada por uma criatura e agora havia se transformado num fantasma. Seu interesse nela morre também. A partir de então seu objetivo de vida é trazer a menina de volta a vida, mas seu único conhecimento sobre ressurreição veio dos mangás que leu.

Comentando

Tendo lido Blood Lad sem nenhum conhecimento prévio eu não sabia o que esperar, mas as expectativas não eram muito altas. Surpreendentemente me deparei com uma obra bem divertida de se ler e com personagens extremamente carismáticos. O próprio Staz é um personagem curioso. Um vampiro otaku com extrema força. Inusitado no mínimo. E a maneira como ele é tratado no mangá deixa tudo ainda mais interessante. Ele sente uma atração pela menina, uma coisa carnal, que é demostrado por sua vontade instintivamente voraz de sugar o sangue da menina até a última gota, mas ao mesmo tempo ele inibe esse desejo pois sabe que ela é sua única conexão real com o seu hobby. Você não sabe o que realmente motiva o personagem a reviver a menina, se é seu desejo primitivo por sugar o sangue dela ou a sua paixão pelo seu hobby.

Um outro ponto que me chamou a atenção logo que eu acabei de ler foi o pensamento que tive: “isso aqui parece muito com a premissa de Crepúsculo…”. ACALMEM-SE! Diferente da série de livros e filmes sobre o vampiro purpurinado Edward, em Blood Lad nós temos uma versão melhorada de tudo aquilo. Em Crepúsculo, Edward também é um vampiro super-poderoso com características diferentes de outros do seu tipo. Ele também gosta muito da cultura dos seres humanos e também acaba se envolvendo com uma menina. Mas diferente de Edward, Staz, mesmo passando por praticamente as mesmas situações, não tenta parecer de bem com tudo aquilo. Ele se deixa expressar muito bem seu conflito interno. Chegando ao ponto de ser bem assustador .

Considerações Finais

Como dito no título desse post, Blood Lad é um seinen, então é provável que nós iremos ter uma linguagem um pouco mais pesada, mais violência e nudez… mas na verdade, a temática desse seinen não muito se diferencia de outros shonen que temos por aí. E então vem aquela pergunta, vale a pena comprar Blood Lad? Eu digo que sim. Temos aqui um exemplo de um mangá honesto. Um mangá que promete e entrega. Ele não se propõe a ser uma grande crítica à sociedade japonesa ou um mangá revolucionário. Ele trabalha o comum de forma muito boa e entrega diversão para seu leitor. Pessoalmente eu gostei do que li, não é uma obra indispensável para todos os fãs de mangás, mas agrada.

* Blood Lad é publicado bimestralmente pela editora Panini, atualmente conta com 5 volumes publicados no Japão e custa R$10,90 por aqui.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Você já ouviu falar de Yuuki Kodama? Bem, eu não […]