Mirai Nikki – Como não despertar nem um pouco meu interesse…

Eu havia estabelecido que não iria fazer posts sobre animes que eu não tivesse gostado nessa temporada. Porém, após assistir Mirai Nikki eu logo soube que tinha que fazer um post. Sem dúvida é um anime que a maioria das pessoas estava esperando, mas que eu pessoalmente não dava muita bola. E ainda bem, pois se eu tivesse com um hype alto e visse a bomba que foi esse primeiro episódio, a decepção seria muito maior.

Yuki é um garoto solitário que nunca teve amigos reais. Seu passatempo é escrever um diário em seu celular sobre tudo que acontece a seu redor (até mesmo uma pedra fora do lugar no caminho pra casa). Sua única “companhia” é Deus Ex Machina, um amigo imaginário, suposto deus do tempo e espaço. Acontece que Deus não é fruto da imaginação de Yuki, é real. Ele então faz Yuki participar de um jogo de eliminação com outros indivíduos. Todos ali possuem o poder de prever o futuro através de seus celulares. Diariamente eles recebem um “plano” de como será o dia e tem que usar esse “poder” para achar os outros e eliminá-los. Uma dessas pessoas é a colega de classe de Yuki, Yuno, que, ao que parece, nutre uma paixão psicótica por ele.

A sinopse não me atraiu. Parecia um “Battle Royale encontra o celular e a cretinice”, mas dei uma chance, podia me surpreender. E surpreendeu… negativamente. Foi um fracasso. Não posso definir como algo diferente disso. Para começar, os personagens:

Yuki é um sociopata autista.

Yuna é extremamente inteligente, mas psicótica.

Tem como dar certo? Ter tem… mas deu certo? De maneira nenhuma. A direção do episódio foi pífia. Você não sente empatia nem por um, nem por outro, nem pela relação de ambos. Relação essa que foi desenvolvida de maneira extremamente cretina e desagradável. Todo o episódio é uma colagem de eventos independes que ocorrem numa aparente cronologia mas que deixam você com pouco senso de continuidade. Incompetência do diretor em contar a história.

Mas é um anime de ação pelo visto. Teremos batalhas e sangue… não, não teremos. Até teremos um pouco de sangue… mas batalhas? Onde? A única que deveria ter existido no episódio, terminou em dois segundos com o protagonista tacando um dardo no celular do inimigo e o destruindo por causa disso (se você perde o celular, você é morto). Todo o episódio é construído para esse climax que termina em dois segundos sem nenhum combate real. Fala muito sério.

Se a coisa não podia piorar, ainda tem o aspecto técnico. Apesar de um character design competente (não me agrada, mas é competente), parece que os personagens só tem UMA ÚNICA EXPRESSÃO… arregalar os olhos e fazer o espectador ser forçado a entrar num estado de suspense e apreensão artificial. A cena em si não é competente para isso então enfia um olho arregalado em close que dá a atmosfera necessária.

Isso porque eu me recuso a comentar quão ruim são as animações em CG do Deus Ex Machina e daquele mundo dos sonhos dele. Estamos em pleno 2011 e os estúdios de anime não apreenderam a fazer CGs decentes. Aquilo ali é um cel-shade horrível, com baixo frame rate e ofensivo de tão ruim.

Sei que muita gente deve ter assistido e gostado, mas eu não sou um desses. Pra mim, Mirai Nikki não presta nem para uma diversão descompromissada. Se leva muito a sério e não vê quão ridículo é na verdade. Se pelo menos ainda fosse um anime de baixo orçamento, era compreensível, mas vocês viram os patrocinadores? É… acho que dinheiro não é problema para Mirai Nikki… o problema é o que fizeram com esse dinheiro.

Para outros pontos de vista, recomendo os posts do Chuva de Nanquim e Elfen Lied Brasil.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Eu havia estabelecido que não iria fazer posts sobre animes […]