Level E – Agora que o Togashi não volta com HxH…

Olá, queridos leitores. Sei que não estou em dia com minhas primeiras impressões para essa temporada, mas muita coisa tem acontecido. Fiquei um pouco doente e ficar muito tempo no computador me irritava os olhos. Então entrei menos na internet, vi menos animes e escrever então, era quase impraticável. Agora que estou melhor, é hora de colocar o blog nos eixos. Vamos nessa…

Level E estreou em meio a muita discussão. Afinal, por que só agora resolveram animar esse velho e nem tão famoso mangá de Yoshihiro Togashi, autor de Yuyu Hakusho e Hunter X Hunter? Um amigo meu diz que o Togashi exigiu que esse anime fosse feito antes dele liberar os direitos para filmarem uma nova fase de HxH, assim como o Kurumada faz com Ring ni Kakero (rs), mas isso não passa de uma hipótese infundada. Infelizmente não possuo a resposta certa para essa pergunta, mas o que eu sei é que o resultado foi bem positivo.

Em Level E, nós acompanhamos a história de Yukitaka Tsutsui, um estudante prodígio do beisebol que acabou de se mudar para uma nova escola. Tudo ia muito bem, com todos na cidade recepcionando o novo astro do time local, até que ele chega em seu novo apartamento. Ao entrar, dá de cara com Baka Ki El Droga, um extraterrestre que caiu na terra e perdeu sua memória. A partir de então a vida do jovem nunca mais será a mesma.

Os personagens são bem cativantes e a situação nonsense colabora para a comédia com as reações de Yuki às atitudes um tanto excêntricas do Principe (como o ET é chamado) liderando o coeficiente de risadas. Mas esse não é um anime de comédia, não a principio. Podemos colocá-lo como um ficção científica e nesse quesito ainda há muito pra ser explorado.

Muitas das críticas feitas a Level E é que ele fica ruim depois, que bom é só o arco inicial e pronto. Como eu não li, não faço coro com essa afirmação, mas é algo para ficarmos de olho, já que o mangá terminou com somente três volumes publicados.

Os aspectos técnicos estão muito bem trabalhados. Bons cenários, boa animação e um character design curioso.

Eu gostei e creio que quem mais assistir a esse primeiro episódio irá gostar. Só espero que não siga a “profecia” e realmente piore depois. E se querem colocar mais uma crítica à série, com o dinheiro que ele tá ganhando por esse anime, ele não volta tão cedo a publicar Hunter X Hunter… o mangá tá paralisado por motivos ocultos, mas que os fãs sabem que é o Togashi jogando um novo Dragon Quest. (rs)

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Olá, queridos leitores. Sei que não estou em dia com […]