Meados da temporada do anime Arslan Senki

Quatro meses depois do Primeiras Impressões, o que podemos dizer de Arslan Senki?

Arslan Senki (アルスラーン戦記) é uma série de livros de fantasia escrita por Yoshiki Tanaka que vem sendo publicada desde 1986 baseada no épico persa Amir Arsalan. A obra foi adaptada para manga pela primeira vez em 1991. Em 1995, os estúdios Animate Film e J. C. Staff lançaram uma série de seis OVAs. Uma segunda adaptação para manga com arte de Hiromu Arakawa, famosa por Fullmetal Alchemist, começou em 2013 e está sendo publicada atualmente pela Bessatsu Shonen Magazine. A adaptação para anime, baseada na versão de Arakawa, começou a ser exibida em abril de 2015.

Atenção: embora a história original seja de Yoshiki Tanaka, o anime é baseado na adaptação feita por Hiromu Arakawa. Por causa disso, este texto a considera e avalia a série como sendo de Arakawa.

arslan senki

A estréia do anime Arslan Senki foi recebida com aplausos, justificadas reclamações sobre a qualidade da animação e inevitáveis comparações com os OVAs de 1995. Nas Primeiras Impressões aqui no Gyabbo!, comentamos sobre o primeiro episódio, seus problemas e qualidades, e também as expectativas em relação à obra. Mais de quatro meses depois de seu lançamento, o que podemos dizer de Arslan Senki, o anime?

Para começar, houve uma considerável melhora na animação. Não aconteceram mais cenas com CG totalmente deslocado, como aquela dos soldados correndo pelas ruas de Ecbatana. Ainda não chegou a um nível excelente, mas não compromete a experiência. A trilha sonora é bem eficiente, pontuando com competência tanto as grandes batalhas quanto os momentos de reflexão.

weird cgi

Cenas com CGI deslocado como esta não aconteceram mais no anime.

Quanto à comparação com os OVAs, podemos dizer que as duas versões de Arslan têm estilos e naturezas totalmente diferentes, e ambas são ótimas naquilo a que se propõem. Os OVAs seguem uma linha mais épica. Eles têm uma grandiosidade, uma elegância quase teatrais, e o character design expressa isso muito bem no detalhismo dos elmos, escudos e armaduras, na paleta de cores mais escura e dramática. O anime – e, por extensão, a Arakawa – optou por um tom um pouco menos épico e mais familiar, combinando com seu traço mais simples e estilizado.

As piadas sobre a habilidade de Narsus como pintor e a invencibilidade de Daryun, o uso de Gieve como um ocasional alívio cômico e o visual mais ousado de Farangis podem ter irritado quem queria algo mais sério e pesado, mais próximo dos OVAs, no entanto, isso tudo parece estar bem dentro da forma com que a Arakawa costuma conduzir uma história: momentos leves, ridículos, de piadas e bobagens, se alternando com outros extremamente tristes e cruéis. Na verdade, a vida durante uma guerra é assim, e quem mora em países que estão passando por isso pode comprovar. Num momento a pessoa está jantando com a família, falando bobagens ou contando piadas de mau gosto, e no seguinte um míssil explode e mata todo mundo.

anime e ova

À esquerda Arslan 2015, à direita Arslan 1995. Diferenças à parte, ambos têm aspecto feminino.

Houve quem criticasse o fato de Arslan parecer muito infantil e frágil, não só no design, mas também nas atitudes. Porém, se pensarmos no personagem em relação à história, essas características fazem sentido. Trata-se de um filho que deve ser o contrário do pai. A base de Arslan Senki é a queda de um rei guerreiro – Andragoras – e a ascensão de um rei político – Arslan. Andragoras era um guerreiro, agressivo, impiedoso. Sua aparência é feroz e intimidante. Seus súditos o respeitam, mas também têm medo dele. Diametralmente oposto a ele, Arslan será um rei político, amável, pacífico e estrategista. Sua aparência é inofensiva e acessível. Seus súditos o amam e se sentem próximos a ele. Arslan não é um rei nobre e distante, ele é alguém que pessoas comuns conseguem imaginar como filho, irmão, amigo. E, quanto ao aspecto feminino que alguns apontaram, isso ocorria também com a versão do OVA, e nas ilustrações dos livros, o que pode indicar que isso faz parte do perfil do personagem mesmo.

Como o anime esteve bastante focado em apresentar o universo, a guerra e suas estratégias, acabou não sobrando muito tempo para desenvolver outros personagens além de Arslan, mas o essencial de cada um dos principais foi apresentado. Daryun perdeu tudo com a queda de Pars, e só lhe sobrou a missão de proteger Arslan . Narsus assume o papel de mentor e conselheiro do príncipe. Faltou um pouco mais de trabalho em cima de Gieve e Farangis, que apesar de serem divertidos, ainda não têm background suficiente para torná-los mais completos. Dos antagonistas, boa parte do drama do Silver Mask foi revelada, e conseguiu nos deixar curiosos sobre os detalhes de sua história.

arslan gang

Guerreiros medievais que podemos imaginar comendo um lanchinho e sujando a roupa de migalhas…

No geral, Arslan Senki vem apresentando um bom progresso, principalmente se considerarmos que se trata da adaptação de uma série de livros bem longa. É um ótimo anime, com uma história interessante e bem conduzida dentro do estilo de Hiromu Arakawa. Quem prefere a elegância dos OVAs pode não gostar, quem leu os livros originais pode criticar a adaptação, mas quem apenas está à procura de um anime com uma boa história de fantasia medieval com certeza irá se divertir assistindo Arslan Senki.

Saiba mais sobre Hiromu Arakawa na Mangagrafia feita pelo pessoal do AoQuadrado.

Saiba mais sobre Yoshiki Tanaka.

Leia um resumo do épico Amir Arsalan. (inglês)

Sobre liviasuguihara

Instrutora de inglês, "arteira", amante de animes e mangás. Você também me encontra no Twitter (@lks46), no Deviantart (https://liviaks.deviantart.com/), e no Instagram (liviasuguihara).

Quatro meses depois do Primeiras Impressões, o que podemos dizer […]