Vamos falar de doujinshi

doujinshis

Você já leu um doujinshi?

Doujinshi (同人誌) é, literalmente, uma publicação voltada para pessoas com interesses em comum, seja material original ou paródias de obras conhecidas. O foco deste post será justamente no doujinshi feito em cima de obras conhecidas, já que esta é a sua faceta mais conhecida e popular, e também a mais controversa. Embora seja vista por alguns como uma violação de direitos autorais, as editoras japonesas parecem dispostas a fazer vista grossa a esse tipo de atividade desde que essas publicações sejam de tiragem limitada, vendidas apenas para cobrir custos, sem lucro algum. As principais razões para essa tolerância são duas: primeiro, os doujinshis de certa forma ajudam a promover os mangas e animes originais; segundo, eles funcionam como uma espécie de “celeiro de talentos”. Artistas famosos como o grupo CLAMP, Rumiko Takahashi (autora de Inuyasha e Ranma ½) e Ken Akamatsu (Love Hina e Negima), entre outros, começaram a carreira como doujinkas (autores de doujinshis) .

O doujinshi não é muito diferente de um “faz de conta”. Faz de conta que Kuroko no Basket é um manga yaoi e os personagens Kuroko, Kagami e Aomine formam um triângulo amoroso. Faz de conta que Sasuke é uma menina disfarçada de menino. Faz de conta que Ichigo é perdidamente apaixonado pela Orihime. Nos doujinshis, a imaginação rola solta e sem censura, e o resultado pode ser horrível… ou excelente. Depende do talento de quem faz.

djinshi gktsuou

Capa de um doujinshi do anime Gankutsuou.

Ao contrário do que muita gente pensa, o doujinshi não é exclusivamente de temática erótica. Embora exista um grande número de obras yaoi, yuri, ecchi e hentai, também há histórias que apenas querem apresentar um final diferente para o manga ou anime original, por exemplo. Outra coisa a se apontar é que o fato de ser uma obra feita por fãs não significa necessariamente que terá nível amador. Muitos doujinshis são artisticamente tão bons quanto os mangas dos quais se originaram, pois entre os autores não estão apenas amadores ou artistas iniciantes, mas também gente experiente na área. Não é raro um mangaká profissional, mesmo depois de se tornar reconhecido,  publicar um doujinshi sob pseudônimo, seja por um desejo de produzir algo mais livremente, seja por pura “fanboy/girlzice”. Além disso, existem gráficas especializadas que oferecem impressão e acabamento de qualidade quase profissional a preços acessíveis. O resultado é que às vezes fica até difícil para alguém que não é fã perceber a diferença entre um doujinshi e um manga.

Essa produção não se limita a revistas, claro. O termo “doujin” engloba videos, jogos, música e produtos feitos por fãs em cima das obras que admiram. Tudo isso é colocado em exposição e vendido em eventos como a Comiket. Também existem lojas que vendem esse material como a Toranoana.

toranoana

Fachada da Toranoana. Impressionante, não?

Um fato curioso é que essa atividade não se limita a mangas e animes. Existem doujinshis até de filmes e séries ocidentais como Harry Potter, Senhor dos Anéis e Supernatural. Fico imaginando se produtoras americanas como a Warner sabem da existência dessa produção paralela e se chegaram a pensar em tomar alguma atitude a respeito.

No Brasil, embora não haja muita coisa em termos de paródia de obras conhecidas em quadrinhos, há um número grande de fanfics em blogs e sites de fãs. A auto publicação, tanto em sites de leitura online quanto em impressos feitos por financiamento próprio ou coletivo, está crescendo. Seria possível algo parecido com o doujinshi se desenvolver em nosso país ao ponto de termos eventos do nível de uma Comiket? Será que as editoras e produtoras de cinema e TV do ocidente poderiam vir a encarar as obras dos fãs com a mesma tolerância que os japoneses? Já temos jovens publicando fanfics em mídia física de acordo com esta matéria no jornal O Globo.  São casos que, se a gente parar para pensar, podem dar margem à muita discussão. Criar uma história em cima de uma obra famosa e publicá-la é apenas um passatempo inocente, uma forma divertida de exercitar a escrita/desenho, ou será isso uma atitude errada, talvez até mesmo um crime? É errado a partir do momento que a obra é publicada ou só existe erro se houver lucro com a venda dessa obra?

O que você acha?

páginas de doujinshi

À esquerda página de um doujinshi de Naruto. À direita, doujinshi de Senhor dos Anéis.

FONTES:

https://japanpopcuiaba.wordpress.com/2010/08/04/doujinshi/ 

http://pt.wikipedia.org/wiki/D%C5%8Djinshi

http://garagem42.com.br/2012/11/o-que-e-um-doujinshi-e-a-cultura-doujin-do-japao/

http://www.comiket.co.jp/info-a/WhatIsEng080528.pdf (inglês)

Sobre liviasuguihara

Instrutora de inglês, "arteira", amante de animes e mangás. Você também me encontra no Twitter (@lks46), no Behance (https://www.behance.net/lksugui7ac5), e no Instagram (liviasuguihara).

Você já leu um doujinshi? Doujinshi (同人誌) é, literalmente, uma […]

20 thoughts on “Vamos falar de doujinshi”

    1. Pois é, a gente encontra de tudo nos doujinshis, uns universos paralelos muito loucos, rsrsrs… é bem divertido.

      Obrigada pelo comentário, Sora! ^^

  1. Eu curto bastante esses doujinshi, sempre da pra dar umas risadas nas bizarrices, mas ainda acho que os do genero hentai predominam XD

    1. Oi Matheus, acho que os hentais acabam chamando mais atenção ^__^ Mas sim, tem doujinshi muito divertido, muito louco que dá pra rir bastante! Obrigada por comentar ^^

  2. Eu não sou muito fã de doujinshi, mas um q eu li e q eu curti demais foi um das meninas super poderosas(sei q a ideia parece ridícula, mas é realmente muito foda). Tem quase todos os personagens do cartoon sento retratada de uma forma mais adulta, mas mantendo a essência de cada um, o dexter é muito foda nesse doujinshi, recomendo pra quem quiser ter uma dose de nostalgia com uma história legal. É só procurar no Google “powerpuff girls doujinshi”. Existe até um joguinho de luta feito em flash desse doujinshi.

  3. Nunca li um doujinshi,mas acho uma idéia bem interessante.
    Um final alternativo para uma obra já finalizada,deve ser bem divertido tanto pra quem faz quanto pra quem lê.
    Também não acho que seja crime ganhar dinheiro com isso,desde que o escritor tenha criado uma história diferente.

    1. Oi Felipe, valeu pelo comentário!

      Pois é, os doujinkas fazem todo tipo de história alternativa, o que é bem legal mesmo. Eu adoraria ver uma história do Killua adulto ou Bleach com personagens invertidos (Ichigo seria menina e Rukia, menino), hehehe…

  4. Acho que o legal dos doujinshis e fics é justamente o fato de podermos ver personagens conhecidos em situações ou realidades diferentes; dá para encontrar temáticas desde “o que teria acontecido se o protagonista tivesse perdido aquela batalha?” até coisas simples do tipo “e se os personagens de CDZ tivessem reencarnado na nossa era e fossem estudantes normais?” (além de, é claro, muita coisa erótica), mas de certa forma, acho que é graças à esses trabalhos feitos por fans que séries continuam a ser reinventadas e discutidas, mesmo anos depois de seu término.

    [ Pra quem tem vontade de comprar, o “otakurepublic” tem uma variedade enorme de títulos, aceita paypal e não precisa de cadastro (já comprei de lá 2 vezes e tudo chegou direitinho), o único porém é que os preços são um pouco salgados :/ ]

    1. Verdade, eu já vi umas coisas doidas como crossover de Tiger and Bunny com Steins Gate e um romance da América com o Vietnã (Hetalia).

      Obrigada pela dica e pelo comentário, Miss X!

  5. Eu amo doujinshi, mesmo quando eu gosto do final de um mangá, acho legal ver outras versões. Mas até eu ir para o Japão, tinha poucos que eu lia na internet que eu via uma qualidade que me atraísse, quando eu cheguei lá a coisa mudou totalmente de figura. Essa loja Toranoana é simplesmente incrível, são 8 andares (se eu não me engano porque era muita escada) de uma variedade de doujinshis de qualidade incrível, desenhos maravilhosos e o acabamento lindo demais. Eu nem sei ler japonês mas não resisti e comprei alguns que eu achei lindos. Acho que deve ser encarado sim como um modo de oportunidade para novos artistas, o que não pode é alguém ganhar dinheiro no trabalho dos outros.

    1. Quando tinha mais tempo eu costumava fuçar o Pixiv. A grande maioria dos posts é só amostra mas às vezes dava sorte de encontrar uma história inteira lá. Só que o meu japonês é bem básico, então as partes mais complicadas tinha que adivinhar XD

      Valeu por comentar, Meiran!

  6. Gosto muito de Doujinshi, gostava do “faz de conta” que o Ichigo gosta da Rukia, haha. Os doujinshis do Rui e da Love Drop…

    1. O “faz de conta” foi, é e sempre será a brincadeira favorita de muita gente. É muito divertido!

      Obrigada pelo comentário, Fernanda ^^

  7. Curti o artigo, embora seja errado dizer que todos os doujinshis yaoi/yuri têm conteúdo erótico, como deram a entender no texto. ¬.¬

    Interessante as perguntas propostas no final. Realmente, é um assunto que dá muito debate mesmo. Leio muitos doujinshis e fanfictions e, sinceramente, acho que eles são mais inofensivos que “prejudiciais”, mas não posso dizer muito sobre o assunto porque não sou nenhuma expert nele.

    1. Oi MexericaBlue, obrigada por comentar! Eu achava que shonen ai era o nome pras histórias não explícitas (só romance, no máximo uns beijinhos) e yaoi fosse pras histórias explícitas. Pelo visto entendi errado, desculpe.

      Com certeza se a gente perguntar pra um grupo de advogados especialistas em direito autoral é bem provável que cada um dê uma resposta diferente. Ou todos vão dizer: “depende”. ^^

  8. “…as editoras japonesas parecem dispostas a fazer vista grossa a esse tipo de atividade…”

    Fala isto pra Nintendo que mandou tirar uma versão do Mario 64 feito por um fã usando a Unreal Engine.

  9. A matéria explica com muita riqueza de detalhes o que é um Doujinshi. E eu acho que tal atividade pode ser mais incentivada de uma maneira geral, pois não deixa de ser um exercício da escrita e/ou do desenho que pode contribuir muito para a aprendizagem dos escritores/ desenhiastas.

Deixe sua opinião