Hyouka – Primeiras impressões

Ah! O que seria da adolescência sem as paixões?

Por mais que Hyouka, nova animação do estúdio Kyoto Animation (Lucky Star, Haruhi Suzumiya, K-ON!), seja baseada em uma sério de cinco livros sobre mistérios em uma escola, o primeiro episódio da série, uma das últimas a sair, acabou nos deixando com a dúvida se o importante aqui são os mistérios ou o amor.

Mas vamos por partes. Houtarou Ereki possui um mote que dirige sua vida “Se eu não preciso fazer algo, não farei. Se eu tiver que fazer algo, que seja feito da forma mais rápida possível”. Assim, por mais que ele não tenha nada contra pessoas energéticas, Houtarou é justamente o oposto, alguém que busca o caminho mais curto, ou mesmo caminho algum, fazendo somente o necessário para simples falta de vontade mesmo. Como diria o bom e velho carteiro Jaiminho do icônico programa Chaves, é para evitar a fadiga.Mas, praticamente obrigado pela irmã mais velha, Houtarou acaba se inscrevendo para o clube de literatura clássica que, por falta de outros membros, está perto de ser dissolvido. Se entrar em um clube seria a última coisa que nosso protagonista faria, pelo menos entrar em um onde ele será o único participante, podendo fazer nada “oficialmente”, seria dos males o menor, principalmente em uma escola onde o sistema de clubes é tão frutífero.

Ao adentrar a sala do seu novo clube, Houtarou encontra uma bela garota de longos cabelos negros olhando calmamente pela janela. Ela é Eru Chitanda e toda semelhança com as garota de K-ON! é um simples coincidência. A verdade é que ali, naquela sala quase vazia o protagonista acaba apaixonado, provavelmente pela primeira vez. Mas como Eru estava lá se a sala estava trancada? É a partir desse pequeno “mistério” que ele, Eru e seu amigo Satoshi Fukube (clássico personagem que possui todas as informações sobre o colégio) começam a investigar pequenos mistérios dentro da escola.

Mas e o mote de Houtarou de sempre procurar economizar energia e não fazer nada além do necessário?! Por mais que ele tente disfarçar, o encanto por Chitanda quebra rapidamente essa sua certeza, afinal, quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?

Se a mistura de K-ON! (apenas pela character design de Futoshi Nishiya, que se não é o mesmo da obra anterior, carrega uma forte semelhança, até por ter trabalhado lá também) com GOSICK (Houtarou exibe uma forte habilidade dedutiva para destruir racionalmente as lendas urbanas da escola) e uma pitada de amor adolescente pode parecer estranha – e eu concordaria antes de ver o episódio -, o resultado final é uma agradável surpresa, tanto por fugir um pouco da mesmice que o KyoAni vinha apresentando há alguns anos, quanto por ser um episódio sólido e que consegue estabelecer principalmente uma excelente química entre os personagens carismáticos – ainda que clichês – para que a série funcione como deve.

A animação está muito boa, ainda que não seja muito exigida. E isso aliada com a bonita arte e uma coloração viva consegue dar à Hyouka uma distinção, se não com outras obras do mesmo estúdio tão boas tecnicamente, com as dos demais animes dessa temporada.

A verdade é que por mais que esse primeiro episódio deixe um gosto de querer mais na boca de quem assiste, não é possível ainda tirar conclusões sobre as direções da série, principalmente por ainda faltar uma personagem a entrar nesse clube para que enfim a série comece de verdade.

Podemos ter um bom romance adolescente com toques de mistério, ou o inverso, um bom mistério com pequenos toques de romance. Difícil dizer, mas ao que parece, independente da escolha do rumo que for feita, teremos uma boa série para assistir.

Ah! O que seria da adolescência sem as paixões? Por […]