Highschool of The Dead – Editora Panini – Vol. 1

Hola Amigos! (Será que algum fã de Friends captou a piada?) Vocês provavelmente devem estar esperando que esse novo post seja sobre mais um dos animes da temporada da primavera, certo? Mas hoje não! Apesar de ainda ter muitos animes para comentar, hoje o assunto é sobre algo que eu não comentava já tinha um bom tempo, infelizmente, um manga! É, afinal, não só de animes vive o Gyabbo!.

Hoje enquanto tentava localizar um lugar para resolver umas questões para uma mobilização que farei amanhã com outras pessoas para ajudar a levar roupas aos atingidos pelas chuvas do Rio de Janeiro, parei em uma banca e tive uma grande surpresa! Com menos de um mês de diferença Highschool of the Dead chegara à Manaus! Sinceramente, eu não pretendia começar novas coleções de mangas, até por estar atrasado com todas as outras que compro (com exceção de Sunadokei e Naruto), mas não consegui resisti e tive que levar para casa!

Foto da minha edição mesmo, pra ficar mais pessoal

Não sei quantas pessoas acompanham o Gyabbo! com frequência para saber, mas talvez alguns de vocês já devem ter esbarrado em algum comentário meu sobre meu desgosto por animes e mangas ecchi. Não digo que nunca gostei, quando era menor não via problema algum. Sou grande fã de Love Hina por exemplo, Ichigo 100% é ótimo!, mas depois de alguns anos, ver crianças ou adolescentes em poses obscenas começou a me fazer me sentir mal. Quero dizer, não tenho nada contra ecchi, mas sim contra ecchi que usa menores de idade ou lolis.

Mas então vocês devem perguntar; “Então por que está colecionando HOTD?!”. Normalmente eu não colecionaria mesmo, mas Highschool of The Dead é muito mais do que seu fanservice pode mostrar.

Não sou nenhum especialista em zumbis, mas é um “personagem” que acho muito interessante, o que explica o por que de eu ter começado a ler esse manga. E aí está a grande questão, desde as primeiras páginas esse manga da dupla Daisuke Sato (roteirista) e Shouji Sato (desenhista) lhe prende de uma forma que poucos conseguiram.  Se você for fã de terror, antes mesmo que você possa questionar qualquer ideologia a história já marcou a ferro e fogo na sua mente: “O QUE ACONTECEU?!”.

A história apesar disso tudo é bem simples. Em uma manhã tudo estava normal, as pessoas viviam como sempre, e os alunos de uma escola estudavam como deveriam. Mas tudo aquilo iria mudar de uma hora pra outra. De repente o mundo inteiro entra em um apocalipse infestado de zumbis sem que ninguém consiga explicar a origem daquilo tudo. A “Pandemia” se espalha rapidamente e os poucos que conseguem escapar dos mortos-vivos não tem muito o que fazer além de tentar se manterem vivos. A tensão e a angústia pinga pelas páginas enquanto o grupo protagonista busca de todas as formas a sobrevivência, mesmo engolidos pelo medo.

É claro que toda a história interessante e a direção bem feita são os pontos altos do manga, mas sem o belíssimo traço de Shouji Sato o manga perderia muito do seu carisma. Apesar de exagerar em certo pontos (leia-se os seios), seu traço é muito bonito e detalhado, conseguindo expressar as cenas de terror muito bem, ajudando imensamente o leitor a entrar no clima. Um ponto importante no traço do manga é que o desenhista não economiza no gore, no brutal, justificando a censura de 18 anos na capa da revista.

“Tudo bem, já entendi, o manga é realmente bom, mas e o tratamento da Panini?”. Sinceramente, falar do tratamento técnico da editora é chover no molhado. HOTD vem em um formato menor, 13 x 18 cm, com uma capa bonita e chamativa (apesar de uma certa “censura”, como indicada pelo Jbox, mas nada que possa justificar a revolta de alguém, até pela imagem inteira estar dentro do manga). A tradução está boa, os textos fluem muito bem e não parecem ter sido atenuados, apresentando até mesmo palavrões. Não percebi nenhum erro de ortografia ou revisão, só é um pouco incômoda a margem que foi utilizada nas páginas, parecendo que algo foi cortado ali, quando na verdade não foi.

Apenas uma ressalva, o manga iniciou em 2006 e conta até hoje com apenas 5 volumes, ficando parado por um longo período e retornando há pouco tempo e novamente sendo interrompido (com promessas de retornar em Julho).  Por isso, mesmo com o fato dele ser bimestral, logo alcançaremos o original, então tenha isso em mente ao comprar.  Também foi anunciado um anime baseado nele, adaptado pelo estúdio Madhouse e dirigido por Tetsurou Araki que tem no seu currículo nada menos que Death Note e Aoi Bungaku (uma parte dele), logo, alguém que entende do assunto mais dark.

Highschool of the Dead, apesar de todas as suas qualidades, definitivamente não é um manga para todos os públicos, com sua brutalidade e sensualidade, certamente não deveria cair nas mãos de um pré-adolescente, mas para aqueles que gostam do estilo e suportam algo mais pesado, está aqui a minha recomendação!

PS: Só fica a pergunta, por que mantiveram o “Highschool” aqui e mudaram em Ouran? Mistérios!

Hola Amigos! (Será que algum fã de Friends captou a […]