Kuroko no Basket

A melhor animação de um manga da JUMP em tempos?

De tempos em tempos aparecem aqueles animes que em sua simplicidade, fascinam a maioria dos que com eles têm contato. Hoje em dia essa é uma tarefa difícil de cumprir por n motivos, indo da negociação de produtos referentes, interesses comerciais, até mesmo à falta de criatividade, histórias interessantes ou o descaso em se fazer uma obra deste cunho. No entanto, algumas vezes os orientais acertam em cheio na mão e brindam os fãs com uma história boa, personagens carismáticos e com aquele sentimento de excitação e ansiedade, tão em falta na maioria dos animes de hoje em dia. É nessa onda de acertos que podemos enquadrar Kuroko no Basket.

Há quem afirme que este é um anime para normalfags e tais pessoas se utilizam desse argumento para menosprezar a obra. De fato, até acredito que Kuroko seja um anime mais acessível ao espectador que um Jigoku Shoujo da vida, mas isso não quer dizer que não haja méritos no mesmo, como também não significa dizer que aqueles otakus considerados da elite – como bem diria o Qwerty – não possam assistir e se deleitar com ele.

Kuroko no Basket conta a história de Kuroko Tetsuya (que dá nome ao anime) e Kagami Taiga, dois jogadores de basquete da escola de Seirin High que após certa tensão inicial acabam por tornar-se amigos. Taiga é um jogador vindo dos Estados Unidos que sonha em se tornar um dos maiores jogadores do mundo; já Kuroko é um jogador (a princípio) medíocre de basquete e considerado fraco por seus colegas de time.

No entanto é mostrado posteriormente que apesar de não ter habilidades individuais ou pontuais talentos como os demais membros do clube de basquete da Seirin, Kuroko é um jogador excepcional de ligação que joga para os outros como uma forma de aumentar as habilidades individuais destes. Com relação a Kuroko diversos flashbacks acabam explicando o porquê dele ter essas habilidades tão diferentes.

O ponto principal do anime é a luta de Taiga e Kuroko em vencer a denominada Geração dos Milagres. Este era um time do ano anterior formado por cinco grandes jogadores, praticamente imbatíveis em jogo. Ao descobrir por meio de Kuroko que os mais fortes do Japão eram exatamente os que formavam o time perfeito, Taiga pontua como seu objetivo imediato vencer esses cinco jogadores. Começa então a luta para vencer o campeonato e, por tabela, bater os jogadores da Geração dos Milagres.

De fato, Kuroko não tem tantas habilidades (para não dizer nenhuma) no basquete, mas utiliza sua maior aptidão em seu favor: a sua patente invisibilidade. Não se tratasse de um shounen, essa particular característica seria vista como uma forma de dificultar a vida do personagem, levando toda a história para um lado dramático e já bem batido. No entanto, por se tratar justamente de um anime baseado em um mangá da Shounen Jump, podemos observar que essa característica peculiar, que em qualquer outro mundo normal seria vista como ruim, é transformada em virtude e utilizada como meio para Kuroko fazer aquilo que tanto gosta: jogar basquetebol.

Assistir a essa obra lhe dá aquela leveza de alma, só que não. Há quem se engane com o ritmo do primeiro episódio. Vida de colegial, desafio pro-bullying, personagens falando coisas bonitas e tocantes (afinal, o que é mais tocante que ouvir de Kuroko a frase serei a sombra do seu brilho e farei você ser o melhor jogador do Japão?), são elementos que você pode encontrar em qualquer anime mais leve e até mesmo romântico. Àqueles que se enganaram com os primeiros episódios posso apenas dizer: IT’S A TRAP.

Digo isso pois a partir do episódio quatro o ritmo do anime começa a mudar, indo de levinho para alucinante e o telespectador não vê outra opção além de sentar na cadeira e pedir, implorar por mais. Kuroko possui cenas de jogo simplesmente incríveis. Chega a ser estranha a forma como eles conseguem retratar tão bem os movimentos de basquetebol, em especial quando Kuroko passa a bola. O efeito utilizado, apesar de simples, deixa a quem assiste cada vez mais empolgado com o próprio Kuroko e com as suas habilidades, o que é bem estranho vez que o mesmo não é tão habilidoso assim nos demais fundamentos do basquete.

Mas os jogos de basquetebol, apesar de serem um dos enfoques do anime, não são o seu único ponto positivo. Um dos carros-chefe são com toda certeza os personagens. Se tem algo que considero impecável em Kuroko é a forma como todo personagem possui um grande carisma, do tipo que fica praticamente impossível de não torcer. Até mesmo os ditos vilões são quase improváveis de se odiar, que o diga Aomine que apesar da arrogância e egocentrismo, ainda é um dos personagens amados e idolatrados pelas fãs.

E em se falando de personagens temos uma gama para tudo quanto é gosto (só não lolis por motivos óbvios). Ao assistir Kuroko o telespectador fica com a leve impressão de que cada personagem foi baseado em um tipo específico de pessoa da cadeia alimentar que é a escola. Afinal de contas, quem nunca se sentiu um invisível como Kuroko, ou já teve um amigo esquentadinho como Taiga, um colega com espírito de liderança igual ao Junpei ou aquele amigo irritante e idiota como Shinji Koganei. E talvez esse seja um dos motivos que tornou Kuroko uma série com personagens tão carismáticos. O fato de todos eles terem personalidades parecidas com pessoas reais traz uma veracidade à história que nos faz identificar com toda a narrativa do clube de basquete de Seirin High.

Um ponto que não poderia ser deixado de lado é a comparação interminável e descabida que fazem com Slam Dunk e Kuroko no Basket. Certo que ambos os protagonistas desses animes – Sakuragi e Taiga – tem semelhanças entre si, como cor de cabelo e gênio, mas isso e o fato de os dois animes tratarem de basquetebol, não garantem uma história igual, ou fazem parâmetro para qualquer colocação do tipo “Slam Dunk é muito melhor que Kuroko no Basket” ou “ah, Kuroko no Basket não chega aos pés de Slam Dunk”.

Ambos tratam de basquete, mas as semelhanças – pelo menos em minha humilde opinião – param por aí mesmo. Comparar Kuroko com Slam Dunk é fazer uma grande injustiça com o primeiro, vez que estamos falando de um clássico, de um dos maiores mangás/animes de todos os tempos e escrito por aquele que é considerado um dos grandes, maiores e geniais mangakás do Japão: Takehiko Inoue. Portanto as pessoas podem até buscar esse tipo de comparação, mas Kuroko, apesar de ser um anime tão gostoso e tão empolgante de se acompanhar, realisticamente se falando não está e nem sei se poderá algum dia chegar a estar no mesmo nível de Slam Dunk. E essas são as palavras de uma kurokonete (nova palavra do vocabulário, que acabei de inventar).

Assim sendo, procure assistir Kuroko no Basket por aquilo que ele é: um anime gostoso de se ver, que te empolga, faz chorar, torcer em voz alta, gritar com os personagens, e amar e odiar ao mesmo tempo os rivais de Seirin High. Veja por aquilo a que o anime se propõe: trazer divertimento simples e delicioso de se sentir.

A melhor animação de um manga da JUMP em tempos? […]

17 thoughts on “Kuroko no Basket”

  1. O anime realmente é ótimo, mas tente ler o mangá( não sei se vc lê). A partir do ponto em que o anime parou, o mangá melhora muito!! Quanto à comparação com Slam Dunk, adoro Kuroko, mas Slam Dunk é muito melhor, e realmente é injustiça comparar, porque Kuroko, mesmo não sendo tão bom quanto Slam Dunk, é muito bom

  2. Kuroko é um excelente anime. Gosto do humor bem colocado, da dramaticidade dos jogos e da forma como cada personagem é desenvolvido.

    Concordo contigo, a comparação com Slam Dunk é totalmente injusta.

  3. Gostei do post Mibs. Com tanta gente empolgada com Kuroko, já estou pondo aqui na lista dos animes que deixei passar nessa temporada e que vou maratonar. Engraçado que eu curti os 2 primeiros episódios, mas achei que seria o tipo de anime que fica enrolando em treinos intermináveis, e acabei parando de ver.

    1. Acho que o ponto mais forte de Kuroko foi justamente não enrolar. Como a Mibs disse, depois de um certo ponto é partida atrás de partida, desafio atrás de desafio e “PQPPRECISODOPRÒXIMOEPISÒDIOAGORAAAAA!!”.

      Gyabbo!

  4. Opa, sou um kurokonête tbm! xD
    Nunca vi Slam Dunk, então estou isento ao dizer q Kuroroko é o melhor! xD
    Um anime que a muito tempo não me fazia gritar em frente a TV, ficar xigando em voz alta os vilões, pular do sofá e comemorar cada ponto como se fosse uma partida no mundo real.
    Ps: EU NÃO GOSTO DE ESPORTES NO GERAL, mas estou AMANDO acompanhar essa série! \o/ Não é incrivel como animes e mangás tem essa capacidade? xD

    Msm não sendo tão popular quanto Sword Art Online (o queridinho da temporada), é sem dúvida muuito melhor! e pensar q nem Naruto e OnePiece me deixam empolgados assim em muuuito tempo em Cada Episodio! 😀

    1. Se você não viu Slam Dunk não pode dizer que Kuroroko é melhor. Somente isso.
      Slam Dunk está em um nível muito acima. Você deveria assistir ou ler.

    2. Amo Kuroko no Basket.
      E eu não sou de comparar anime, por que todos animes são foda.
      o Kuroko no Basket é d+.
      Meu amigo e eu adoramos ele.
      Gritamos e choramos com cada ponto ganho e perdido.
      Slam Dunk é um classico, mas Kuroko tbm é muito bom.
      Amo assisti jogos de basket americano e futebol. (Mesmo sendo uma garota vejo com os meus gatos(amigos)).
      ^^

  5. Falou muito bem \o
    Também acho injusto querer comparar os dois animes por se tratar de basquete. Muitas vezes querer usar isso para menosprezar Kuroko sem ter ao menos visto o anime.
    Todos amigos que vi começarem a acompanhar o anime gostaram bastante. É um anime muito gostoso e animado de assistir, os jogos te empolgam e os personagens são ótimo. Aomine, seu arrogante, como eu posso não te odiar?
    Não quero me prolongar sobre minha opinião pois já a repeti tantas vezes sobre Kuroko para tantas pessoas.
    Kuroko foi um dos melhores animes que já tive oportunidade de acompanhar, entrou logo para os meus favoritos. Quem não quiser assistir por algum motivo bobo só esta perdendo algo que com certeza lhe traria um bom divertimento.
    “puro amor” kkkkkkk

  6. É um anime bacana, entretenimento garantido para 99% das pessoas. Infelizmente faço parte dos 1%, juro que tentei deixar de lado a minha chatice quanto a irrealidade do anime mas não deu… Mesmo assim recomendo para todos que gostam de uma obra empolgante e gostosa de se assistir e que não sejam chatos como eu 😛

  7. Eu assisti a 1ª temporada e achei ótima, aguardo a segunda!
    Apesar disso, eu não gosto do Kuroko!Ele é o protagonista mais zuado que eu já vi, ele não me passa determinação ou carisma, sei lá, achei ele meio forçado até agora. E o Taiga tbm, poha é só ele fica com raiva que ele pula mais auto…da q a pouco tá voando.
    Se o protagonistas fossem melhores o anime teria mais sucesso.

    Mas, alguém me explica aquele cachorro?
    Tipo…ele brotou do chão e sempre ta com o Kuroko(e se vc perseber ele é a versão cachorro do Kuroko)…
    ~FLW

    1. Realmente, Kuroko não é um dos protagonistas mais carismáticos da Shonen Jump, acho que mais pela personalidade dele mesmo. Ele está mais para um otaku do que protagonista de Shonen de esportes. Apesar disso, gosto bastante do personagem em si.
      Com relação ao Taiga “adquirir super poderes” ao ficar com raiva, posso dizer que já me acostumei. Isso aconteceu diversas vezes em DBZ, OP, Naruto, Bleach e etc. Acho que é apenas mais um clichezão de shonen mesmo.

    2. O Kuroko achou o filhote abandonado na rua (não me lembro em que episódio, mas foi um dia que o time foi a um restaurante). O #2 serve pra fazer graça e tb quase todo anime tem um mascote.

      Pessoalmente acho divertido o fato do Kuroko ser tão sem sal e mesmo assim conseguir tanta coisa, além de ser o único da turma a ter uma garota apaixonada por ele. E do ponto onde o anime parou em diante ele vai ficando cada vez mais emocional à medida que os jogos vão ficando cada vez mais intensos e as apostas, cada vez mais altas.

      O Campeonato de Inverno, está sendo (no mangá), como o Kagami disse no final do anime, “uma verdadeira guerra!”

  8. Kuroko foi um bom anime de se acompanhar…Mesmo que as vezes eu acabasse me irritando com a irrealidade de algumas coisas(se eu gosto e entendo ao menos um pouco de um esporte na vida real não consigo engolir os “ataques especiais” dos personagens em um anime/mangá desses esportes que acompanho) .

  9. Fiz uma resenha para Kuroko no Basket no meu blog também, e minha opinião é bem parecida com a sua, ^^. KuroBasu é um anime muito gostoso de acompanhar, mas é preciso ligar a suspensão de descrença no nível máximo e parar de tentar achar explicação para a marmelada, rss. Espero muito por uma segunda temporada, em especial para poder ver a história do Teppei animada (uma das melhores partes da série, IMO). Quanto ao mangá, meu único problema com Kuroko no Basuke no momento é o Akashi. Mesmo levando em conta a suspensão de descrença, as habilidades dele são quase sobrenaturais! Chega a ser ridículo! Mas tenho fé de que o autor vai dar um jeito de liquidá-lo deixando a marmelada dentro de níveis aceitáveis, rss.

    1. Teppei é meu presonagem preferido de Kurobasu. Tenho de ter bastante cuidado pra não fangirlizar muito com ele.
      E animes de esporte tem dessas mesmo: coisas impossíveis de se realizar fisicamente. E eu me acostumei tanto a esse tipo de coisa, que acabo não prestando mais atenção a isso. Vou mais pela parte da diversão mesmo. Mas que é mentiroso, ah isso é.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *