Crítica: Batman vs. Superman – A Origem da Justiça

O primeiro filme dessa série, “Homem de Aço” (que, naquele momento, claramente não estava sendo pensado como a primeira parte de um processo), é, no fim das contas, um filme sobre escolha. Toda a desnecessariamente complicada e longa introdução do filme (são vinte minutos!) em Krypton tem a função de, no fim das contas, criar um novo (novo?) elemento de sua mitologia: Kal-El, ao contrário do resto de Krypton, é “natural”. Não foi projetado geneticamente para uma função específica. Ele tem infinitas possibilidades. Mas, em sua incoerência, o filme passa toda a sua extensão dando ao personagem apenas uma escolha: Kal-El deve ser Superman. Um herói. Um ideal. Um símbolo. E a cereja no bolo: Superman termina o filme não escolhendo nada. Tudo que faz é reagir. Em seu filme de estreia, o personagem título inexiste. É só uma “imagem”, batendo em coisas que se põem em sua frente.

E com esse não-personagem, chegamos a um segundo filme, “Batman vs. Superman”, no qual deveríamos ver um confronto, digamos, ideológico, entre Superman e Batman. O primeiro não tem ideais nem ideias próprias. O segundo acabou de chegar, e, ao longo do filme, é basicamente um hipócrita: Acha que o Superman é uma ameaça por matar (ou causar a morte de) pessoas, mesmo que as salve com frequência; e assim, passa o filme todo matando pessoas e buscando maneiras de matá-lo. Se não há espaço para gostar do personagem novo (além das nossas próprias lembranças como leitores das histórias originais), o filme não se esforça para que gostemos do Superman em nenhum momento, também. Quando não está em tomadas angelicais em contraste com a luz do sol ao fundo, está em silêncio, fingindo estar triste (Henry Cavill é uma porta)… isso quando não está ameaçando o Batman de morte (é, isso acontece), o que o coloca exatamente no mesmo ponto em que o conhecemos no primeiro filme: um imbecil que só reage à agressão com mais agressão, como quando destrói um caminhão inteiro porque um bêbado o contrariou no bar. Ou seja, temos um confronto entre um não-personagem contra um personagem impossível de se relacionar.

Com isso, Zack Snyder consegue juntar “O Cavaleiro das Trevas” e “A Morte de Superman” e, em vez de contar qualquer uma dessas sagas clássicas, acaba adaptando (mais uma vez, diga-se) “WATCHMEN”. Lembre-se: A primeira (PRIMEIRA) fala do filme é uma narração em off do Bruce Wayne do Affleck dizendo que o mundo era perfeito até que “coisas caíram do céu”, numa alusão ao Superman, e tudo ficou pior, para sempre. Sim. Este é o filme do Superman que afirma que o mundo é PIOR por causa do homem que tem “esperança” escrito no peito (bom… talvez seja só um “S” mesmo). E a partir disso, conta a história de um deus distante, onipotente e sem emoção (já falei que o Henry Cavill é uma porta?) e um herói sem poderes, velho, cínico, cansado e assassino. Até o péssimo Lex Luthor de Jesse Eisenberg acaba, involuntariamente, funcionando como um Ozymandias, criando uma ameaça externa hiperpoderosa em comum, que une os heróis.

E chegamos ao único personagem que move a trama e, paradoxalmente, o pior e mais incompreensível de todos: Lex Luthor. Motivado por seja lá o que a cena do momento queira (uma hora é uma aversão ao conceito de deus, na outra é a lembrança de apanhar do pai… ou algo do tipo), Luthor usa a sua megacorporação que cria… coisas… científicas… (?) para pôr em ação um complicadíssimo plano, cheio de passos (um incidente no Oriente Médio, uma explosão no tribunal, etc, etc) para jogar o Batman, que já era contra o Superman… contra o Superman. Mas nada disso importa, porque ele já estava, por algum motivo misterioso, criando o Apocalipse em segredo, uma solução muito mais fácil para tudo o que ele queria… seja lá o que ele queira. Porque, no fim, o que ele ganharia com o Apocalipse? Só ver “o mundo pegar fogo”? Bom, com esse plano inconsequente, quase fica compreensível a composição de personagem quase como um Coringa, maluco e cheio de tiques.

O fim do segundo ato, e todo o terceiro ato, são uma piada. A luta entre Batman e Superman termina do jeito mais conveniente e risível que eles puderam criar (nem vou estragar essa surpresa pra vocês), Batman muda de opinião quanto ao Superman por motivo nenhum, e uma longa batalha de computação gráfica em tons de cinza e laranja se segue por uns, sei lá, 40 minutos, conseguindo ser melhor que o final de “Homem de Aço” por muito, muito pouco. Talvez seja o fato de ter mais elementos na ação, com o Batman e a Mulher Maravilha (mais uma “imagem”, bonita e, por enquanto, vazia e sem significado, que passa pela história apenas incidentalmente, e podia muito bem não existir neste filme). No fim, ficamos com a perspectiva da formação de uma equipe de super-heróis em um mundo que provou que 1) não vale a pena ser salvo, e 2) é muito pior justamente porque super-heróis existem. Eu realmente não entendo por que pegar os dois maiores e mais icônicos heróis de todos os tempos (até eu que sou Marvete sei que não tem ninguém maior que esses dois) pra contar uma história que, basicamente, critica o conceito de super-heróis e, principalmente, odeia o Superman. Qual vai ser a história da Liga da Justiça? Eles se reúnem, brigam e explodem o planeta?

“Batman vs. Superman” é um filme preguiçoso (eu podia escrever um texto inteiro só sobre a cena de Clark na montanha conversando com o fantasma do pai), feio, bagunçado e vazio. Com essa base, não me surpreende que o próximo filme desse universo seja, justamente, um em que vilões, psicopatas e assassinos se juntam pra salvar o mundo. Afinal, acabamos de assistir essa mesma história e, por algum motivo, deram a ela o nome de “Origem da Justiça”.

[Por que não em vídeo? Bom, ainda estamos ajeitando nossa agenda de gravações, e meu quarto novo – sim, eu me mudei – é péssimo pra gravar… ainda não achei uma solução. Além disso, quis exercitar a escrita, então, fiquem com minha “crítica” por escrito por enquanto.]

O primeiro filme dessa série, “Homem de Aço” (que, naquele […]

50 thoughts on “Crítica: Batman vs. Superman – A Origem da Justiça”

  1. Cara, a sua crítica tá tão legal que vou ver quanto tempo demora para dizerem que tudo isso é invalido porque é um filme feito de fã pra fã e não precisa de lógica. :p

    Li tanto isso de ontem pra hoje que fiquei traumatizado.

    1. Não sei se a essa altura o argumento “de fã pra fã” ainda cola quanto aos filmes de super heróis, já que eles ampliaram a presença e abrangência em Hollywood de tal forma que ao menos metade dos blockbusters por ano são filme de super herói, não tem escolha. Eles têm que estar sob o mesmo peso da crítica que os demais.

  2. Já vamos ter o filme em que os vilões salvam o mundo, Suicide Squad, que apesar de ter um elenco que eu torço o nariz até agora, [mais pelo Will Smith que pelo Jared] eu acredito que se eles manterem o foco na narrativa concisa, sem tantas pretenções de sequência como está sendo o mal dos filmes de herói ultimamente, pode ser até melhor sucedido em termos de crítica do que o Batman v. Superman: Origem do Desastre.

    1. PS: esse vai ser um Half in the Bag engraçado.
      PSS: qual é a obra que trata melhor a “crise” da existência de super heróis? Talvez um meio termo entre Civil War e Watchmen? Eu acho que as duas se complementam, gosto mais do peso emocional sobre os heróis de Watchmen e do peso “emocional” na sociedade em Civil War.

    2. O diretor do filme, David Ayer, não é nenhum “visionário”, mas sabe fazer boas sequencias de ação e mostrar esse lado mal do ser humano de forma eficiente. Também manja fazer aquelas cenas massa veio, no minimo espero algumas dezenas desse tipo.

  3. Um filme de fã para fã que não tem nenhuma das 2 historias(A morte de Superman,Batman o Cavaleiro das Trevas) citadas ou nenhumas delas sequer contadas, se o filme fosse de fã para fã eles concerteza teriam feito uma historia coesa e mostrando o porque da luta entre os 2 grandes heróis da DC, mas nem isso o zack snyder fez, e nem vou falar sobre o Lex Lutor por ser um vilão que basicamente só faz 2 coisas no filme.
    Posso falar que eu não tinha muitas esperanças no filme, Mas queria ver como seria contada a história entre ele, depois do ultimo filme do Batman realmente queria ver, mas não foi oque eu vi durante todo o tempo que fiquei na sala de cinema.

    Depois desse filme não estou animado para ver a Liga da Justiça, mas fazer oque.

  4. Parece que ele(snyder) tentou “copiar e colar” partes de diversas hqs que ele gosta em um filme só,resultando em um filme incoerente,mal resolvido,fracas cenas de luta,sonhos de vidente(que,por algum motivo,o Batman tem esse poder no filme),personagens completamente descaracterizados de sua origem e muitos outros motivos que dariam um livro só de defeitos.

  5. Galera tá confundindo muito referência com fidelidade aos quadrinhos. Do que adianta você colocar o Batman turrão e cansado de Cavaleiro das Trevas se você não tem toda a introdução que leva ele a ficar daquele jeito?

    É um filme de fã pra fã mesmo. De um fã incompetente pra fãs com nível baixo de exigência.

    1. Cara,a origem do Batman será explicada no filme solo dele.Eles já falaram que pularam sobre a origem dele por que todo mundo tá cansado de saber o que faz ele se tornar o Batman.

          1. É que só achei irônico mesmo. Pq vc disse “todo mundo tá cansado de saber o que faz ele se tornar o Batman”, e o filme deu uma boa ênfase na morte dos pais dele, que todo mundo já sabe de cor.
            Só irônico mesmo :p

        1. Eu entendedo o pessoal não gostar dessa cena ser interpretada pela milésima vez. Porém essa cena define muito o desfecho da luta entre o Batman e o Superman, além de dar mais camadas à ele no filme em si. Também é uma questão de preferência eu gostei da cena conceitualmente e tem gente que achou bem bosta.

  6. Não achei isso tudo Kitsune,o filme tem seus erros sim,mas quem não erra? A MARVEL errou com Homem de Ferro 3 e com Thor,mas ninguém desceu a lenha.Essas criticas negativas com certeza são de pessoas que nunca leram uma hq na vida.Por que a galera em massa curtiu pra caramba o filme,vi muita gente saindo das salas elogiando bastante o filme.
    E você já está dizendo que Esquadrão Suicide será ruim sem ao menos ter assistido o filme,pelo forma que você escreveu você nem deve nem conhecer essa equipe,e é cedo demais pra você fazer conclusões precipitadas com o filme da Liga.

  7. Filme fraco, mas acho bizarro esse rage todo. Filme ta longe de ser ruim como homem e ferro 3 ou quarteto fantástico.Nunca vi uma reação tão negativa pra um filme que definitivamente não é um desastre. Criticar por ser um filme “vazio” parece piada, qual outro blockbuster tem algum conteúdo que pode ser levado a sério? acho que possui falhas comuns mas que pagam o preço por se levar a sério demais. Respeito o texto como opinião, mas n da pra levar a sério como análise. Repetindo, achei o filme fraco.

    1. Acho muito mais sincero o seu ponto, de falar que o filme é fraco e reconhecer que não é de todo ruim, que apelar pra esse rage monstruoso que se teve. Eu particularmente gostei do filme, e os pontos que o Renan Oliveira levantou em outro comentário, condizem com a minha experiência

  8. Kitsune falou tudo no texto, eu como fã sou obrigado a me divertir com td aquele circo mas no 3º ato não dava mais pq a esperança que eu tinha de ter ”algo mais” ali no filme já tinha morrido, cheio de referencias vazias, espero que a Warner pegue isso de lição e tire Zack Snyder da direção pq ele até pode ter boas ideias mas não tem a mínima ideia de como executa-las

  9. Meu Deus quanta idiotice em um lugar só o filme é bom o batman é muito legal o super é foda a mulher maravilha é identica aos quadrinhos o apocalipice só não tem os cabelos brancos que tem nos quadrinhos mais no mais é fielmente a mega maquina de matar do universo dc o filme é o mais fantastico espetacular filme de super herois feitos até hoje a unica coisa que concordo com esta critica é que o lex lutor estava com um ar de coringa realmente a interpretação lembrou muito a do coringa do filme batman cavaleiro das trevas não um lutor de super égo mais um lutor louco sem motivos aparentes mais que no final nos leva a entender que ele pretendia chamar atenção de alguém fora do nosso planeta haha mais quem não viu vá veja é o mais fanstastico filme vale a pena

  10. O filme é confuso sim, tem muita coisa forçada e desnecessária (como por exemplo a mulher maravilha que tava lá por fanservice) porém é um filme divertido. Teve cenas impactantes e eu gostei bastante da ação apresentada.
    Como história, roteiro, plot seja lá o que, pode ter sido bagunçado e ruim, mas não deixa de ser um filme divertido que agrada os fãs, e olha que eu prefiro Marvel

  11. no final das contas esse filme conseguiu ser um haruhi suzumiya dos filmes de herói. tem uma porrada de furos de roteiro, personagens mal escrito, mas, uma galera gosta mesmo assim (inclusive eu) !

  12. Concordo com vossa pessoa. Só queria citar também que o exagero de efeitos sonoros me incomodou muito. Toda hora, toda SANTA hora, toda vez que alguém fazia algo “relevante” pra historia tinha um “PAAAAAM”. Isso me irritou um mocado.Mas,m esmo com todos esses erros, eu achei o filme divertido de assistir.

  13. O engraçado é ter visto o filme numa sessão lotada onde pelo menos 95% das pessoas saíram bastante satisfeitas e empolgadas; e os comentários de conhecidos, seja pessoalmente ou em redes sociais, tbm serem mto favoráveis. Aí vou em sites com “críticas sérias” e leio esse rage todo. MInha conclusão: críticos são CHATOS PRA CARALHO.
    E tem essas pessoas que vão pro cinema assistir um filme de herói e ficam procurando o sentido da vida em todas as cenas. Na boa, vão arrumar uma namorada, menos mimimi e mais diversão.

    1. LOL Cara? Tem muito fã falando merda sobre o filme. Não foi só a crítica supostamente “série”, não. Construção de personagens sempre foi um forte nos filmes do Batman e parece que largaram a toalha e deram o foda-se. O que o pessoal reclama é que o filme é corrido demais, etc. Pode, sim, ser que se você vai com uma expectativa bastante baixa o filme seja ótimo. Não nego que pode ser, mas não dá pra desqualificar os outros por que eles queriam um mínimo de desenvolvimento nos personagens. As críticas parecem mais razoáveis do que eu imaginava, mas depende do pra que você vai ver o filme. LOL

    2. E basear-se em uma sessão única e colegas próximos como demonstração unívoca do público geral, como se fosse razoável assumir que o público comum é esse aí é engraçado demais. Meus amigos e os caras que assistiram comigo gostaram, vc aí que é o diferentão. LOL LOL

      1. Legal, mas não sei daonde vc tirou essa interpretação. Releia: a MINHA conclusão, baseada em experiência pessoal, é de que críticos são chatos, ponto. Concorde, discorde, faça o que quiser. Mas, ao menos, interprete direito o que lê.
        Críticos de internet conseguem ser ainda piores.

        1. E, claro, existe uma coisa chamada contra-argumento. O que as pessoas costumam cortar logo de cara por não conseguirem se posicionar. O meu contra-argumento foi: “Sua opinião não é única e absoluta.” Acho que deveria ter ficado minimamente claro, mas pelo visto é algo que as pessoas recusam. Compreensivelmente. Só acho engraçado você se ofender com quem tenha algo para falar de divergente. Chega a ser engraçado. https://uploads.disquscdn.com/images/335a6ce48d013bea272b4debe660dbde9e1f89f8a479d6472ad41c7321edee71.jpg

  14. Mas o problema do Batman no filme nunca foi o Superman ter matado pessoas, mesmo que indiretamente, e sim ele ter o poder de simplesmente aniquila-los se assim ele desejar, afinal ele destruiu uma cidade inteira no filme anterior. Ele deixa isso claro num dialogo com o Alfred; “Se existe 1% de ele ser o inimigo então tenho que impedi-lo”.

    Quando o filme esta sobre o ponto de vista de uma família no meio de uma enchente, da senadora e até mesmo do Batman ele é sempre representado como uma figura austera e impotente, mas você como expectador sabe que apesar disso esse Superman é humano, ele tem um amor, ele tem uma figura maternal e paternal forte e presente na vida dele e que ele sempre procura apoio. SPOILER Na conclusão da luta entre os heróis, quando o Batman esta ali pronto pra enfiar a lança de kryptonita no peito do homem de aço, esse implora apenas que ele salve a Martha, sua mãe, homônimo da mãe de Bruce, e é justamente nesse momento que este percebe esse lado humano do homem de aço, afinal o Batman mais que todo mundo sabe que esse lado humano foi o que o impediu de se tornar só mais um vilão em sua longa carreira como o morcego de Gotham. Uma conclusão ótima, previsível pelo enrolar do filme até ali? Talvez, mas como você diz que ele muda de opinião por motivo nenhum?

    Tenho muito mais contra-pontos com essa critica (Praticamente com todos), mas não quero escrever um texto enorme, então até aqui esta bom.

    1. Porém essa explicação ainda não justifica em momento algum esse batman psicopata que vemos por mais de duas horas. Ele é tão cínico e carrega um ódio tão irracional, que acaba atingindo um nível exagerado; chega ser até mesmo inidentificável porque nós, a audiência, sabemos que o super-homem é alguém de boa índole, dessa forma acabando com qualquer torcida que venhamos a investir ao personagem. E além disso, o próprio super-homem também não tem uma motivação forte o suficiente para responder à luta do jeito que ele fez, pois, naquele momento, era a vida de sua mãe que estava em jogo. Não é uma luta que tem o mesmo peso para os dois em termos de carga dramática. É algo muito mais platônico e imparcial pois o super-homem não está ali com o motivo de usar sua força contra um humano. Só existe o ódio do Batman, e nada mais. E se a audiência torce para o Batman, que é um assassino nesse filme, é preocupante que esse seja o tipo de herói que as pessoas estejam abraçando hoje. Não dá para conceber que esse personagem hipócrita vai ser um exemplo para o flash na liga da justiça. Simplesmente não faz sentido. No papel esse filme é cheio de boas ideias, mas na excussão…

  15. Não sei se compro a crítica. O que dá a impressão é que você chegou com raiva em casa e começou a digitar. Não é um ataque, longe disso! Eu só espero mais ponderação e uma crítica mais avaliada sob todos os aspectos, mais detalhada e, finalmente, mais avaliativa do produto em seus aspectos negativos e positivos do que uma verborreia dessas. Acho que é a primeira vez em 3 anos acompanhando seu trabalho que sou forçado a dizer que não aguentei ler a crítica toda de tão carregada e deslocada que estava. Não sei se é o conteúdo ou o que você criticou, mas a forma como foi apresentada foi convoluta demais. Não tem linearidade alguma e as coisas parecem se amontoar como uma lista de frustrações com o diretor, com os atores, etc. Porém, não há ordem nenhuma em como isso está sendo escrito. Parece um fluxo de pensamento literário mais que um texto argumentativo.

    Sei que pode parecer duro o que falei, mas, novamente, peço que ninguém veja isso como um ataque. Só acho que você, Kitsune, consegue organizar melhor seu texto. E acho que um filme com tantos defeitos mereceria um texto muito bem pensado e estruturado. Talvez, um vídeo possa dar uma melhor medida da colcha de retalhos que o filme é. Infelizmente, por enquanto posso dizer que entendo sua frustração e ela tem argumentos repetidos do que muita gente disse. Isso é bastante evidente. Espero outras resenhas suas.

    Até mais.

  16. E aí Galera, me digam ae,
    Qual a melhor versão do filme do WATCHEMEN: A versão original de 2 horas e meia ou a versão prolongada remasterizada (versão Ultimate) do Blu-ray de 3 horas e meia?

  17. o Batman desse mundo praticamente desistiu de ser heroi,isso pode ser visto no incio e nos seus dialogos com o Alfred,então ele matar não é bem um problema e no fim do filme e ele fala ´´homens são bons“ meio que reconhecendo a influencia positiva do Super,acho que houve um pouco de má vontade sua e do Grave na hora de redigir uma critica desse filme,mas ´´Sou humano, nada do que é humano me é estranho.“

  18. O pessoal tá falando que as críticas negativas são puro recalque das “marvetes” e dos críticos de cinema que só gostam de filmes iranianos de três horas, além de usarem a crítica positiva do Omeleteve como “prova” de que essas críticas negativas são puro recalque mesmo. Ou seja, eles usam a crítica do mesmo Omeleteve que disse que BIRDMAN É UM FILME HORRÍVEL e que Alejandro G. Iñárritu não é um bom diretor para justificar que este filme foi bom.

  19. Estou aplaudindo a sua crítica, porque foi perfeita.

    Sobre a parte do risível, é verdade, a amiga minha e do meu irmão que foi ver o filme com a gente, ela gargalhou do fim do segundo ato pra frente.

    E a parte que o Batman fala a frase mais patétitca do filme pra Martha Kent o cinema inteiro riu.

  20. Concordo com tudo posto na sua critica, prometeram um filme serio e e entregam isso, um filme que emputece quem tem o minimo de bom senso.
    A minha esperança é que Esquadrão Suicida no minimo proporcione uma experiencia divertida, e não um filme que tenta passar a impressão de que é profundo, quando na verdade é mais raso que uma folha de papel.

Deixe uma resposta