Kamen Rider Fourze – Final – MÁ QUE PORRA É ESSA?!?!?

Olá pessoas, estou aqui mais uma vez para falar de tokusatsu no Troca Equivalente. E dessa vez o segundo Rider que eu mais amo odiar. Ah, só pra avisar: ESSE TEXTO É CHEIO DE SPOILERS!

A História

Utahoshi Kengo é um garoto japonês que leva uma vida “normal” no colégio Amanogawa até a chegada de um aluno transferido chamado Kisaragi Gentarou, uma cara com estilo “Bad Boy”, mas que tem o objetivo de ser amigo de todos no colégio. Logo no primeiro dia de aula o colégio é atacado por um monstro e Kengo tenta usar o sistema Fourze, que ele estava desenvolvendo, para lutar contra o monstro. Infelizmente sua frágil saúde o impede de acionar o dispositivo, e nessa hora Gentarou aparece e resolve ajudar. Assim nasce Kamen Rider Fourze, o amigão da escola.

Opinião

Creio que muitos que me acompanhavam no Video Quest devem saber do meu imenso desgosto com relação à Fourze. Não gosto da temática escolar e muito menos do protagonista. Acho que a serie tinha uma historia com potencial, se fosse realizada de forma diferente.

No contexto de Fourze temos todos os estereótipos de alunos possíveis: esportistas, descolados, bad boys, patricinhas, nerds, góticas e por ai vai. Isso enche o saco, mas é bem utilizado na serie (sim, vocês vão me ver falar bem de alguns pontos dessa catástrofe chamada Fourze), afinal, são eles que dão forma ao Clube Kamen Rider (CKR), um grupo de alunos lesados que resolve ajudar o Gentarou, depois de serem salvos por ele. Por que só sendo muito lesado para se juntar a um cara com pinta de maluco e outro moribundo e lutar contra monstros que querem aterrorizar os alunos.

Enfim, a série vai se desenrolando e vamos conhecendo um pouco mais desses monstros que assolam o colégio, que por sinal, tem o objetivo de formar os novos exploradores espaciais (o colégio, não os monstros).

O Kengo os chama de Zodiarts, e explica que cada um representa uma constelação celeste (acho que tem o dedo do Kurumada nessa bagaça) e que existem os doze Zodiarts de Ouro que representam os Signos Zodiacais, que são os mais fodas. Nesse interim somos apresentados ao Escorpião, que é na verdade uma mulher, uma professora para ser mais exato. Isso me incomoda um pouco, por que o tempo todo ela é apresentada como homem (pelo menos a voz é masculina, tipo a Shiima do Changeman).

Depois descobrimos que além da professora, o diretor do colégio também é um Zodiart, o Libra. Ou seja, essa escola é uma porra de um antro de monstros, como toda boa escola japonesa deve ser. E por fim recebemos a informação de que O FUNDADOR DO COLEGIO TAMBÉM É A PORRA DE UM ZODIART. E que ele é o líder do grupo e responsável pela morte do pai do Kengo. Que maravilha heim? Mas vamos deixar os inimigos de lado e falar de outra bizarrice: o Meteor.

Sério, tanto o uniforme quanto a forma de lutar do Meteor são muito bizarras. Mas ele tem uma frase de efeito bacana, só não precisava ficar repetindo toda hora, né Sakuta? Ele é enviado por uma carinha que vive na orbita da terra, o Tachibana, que ninguém faz ideia de quem seja, muita gente suspeitava que fosse o pai do Kengo que sobreviveu. Doce ilusão.

Enfim, a missão dele é simples: não deixar que ninguém descubra sua identidade e derrotar os Zodiarts. E como esse povo do CKR é burro. Toda vez que o Meteor aparece, o Sakuta some, mas quem será esse novo Rider? Ah, já esquecendo que o Sakuta tem os problemas pessoais dele envolvidos na luta. Um tal de Zodiart Ares quase matou o melhor amigo dele, e por isso ele virou o Meteor.

Isso nos leva ao ponto que me fez continuar assistindo essa bagaça: a AMIZADE. Tenho um fraco por historias de amizade, não vou negar. Vide meu amor por CDZ e Yu Yu Hakusho. O fator amizade me fez ver onde ia dar essa historia, e eu gostei do desenrolar dos relacionamentos.

O Gentarou é meio retardado, mas leva muito a sério as amizades que faz e as que pretende fazer. Ganhou pontos comigo por isso. Sinceramente, eu chorei no episodio em que ele morre para ajudar o Sakuta e depois o Kengo traz ele de volta. Foi um dos episódios mais emocionantes da série. Tem também a dedicação do Kisaragi em não ferir nenhum dos alunos que utilizam os módulos e de tornar-se amigo deles.

Agora vamos a minha decepção com a serie e o motivo do “MÁ QUE PORRA É ESSA?!?!?” do titulo: a criança núcleo. Juro que eu não entendi isso até agora (eu entendi o conceito mas não a necessidade). Pra que criar essa desculpa esfarrapada agora? Desnecessário. A historia podia ter sido concluída de varias formas, e o Tachibana podia ser o pai do Kengo, que não morreu e resolveu se vingar do Gamou, sei lá, algo mais emocionante. Tentaram fazer algo a lá Kamen Rider W (onde o Phillip “morre” e volta no último episódio) e estragaram algo que estava ficando legal.

Num saldo geral, eu diria que Fourze não decepciona tanto e é até divertido de assistir. Essa foi a minha opinião final sobre Kamen Rider Fourze. Espero os comentários de vocês. Ah, me sigam no Twitter: @AzraelLima e no Facebook: Azrael Lima. Até mais!

Olá pessoas, estou aqui mais uma vez para falar de […]

4 thoughts on “Kamen Rider Fourze – Final – MÁ QUE PORRA É ESSA?!?!?”

  1. me interessei bastante por esse kamen rider, pra mim nem passam mais esse tipo de série.
    Só acho que o tema escolar realmente é fraquinha, fica parecendo malhação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *