Evitando gafes em um Onsen

Uma experiência única é se hospedar em um ryokan e entrar no espírito da coisa. Seja para relaxar em um onsen numa casa pública ou em um ryokan, aqui vão as regras básicas de etiqueta para não passar vergonha.

Decore o Kanji do seu Vestuário


Começando com entrar no corredor certo para o seu vestuário. Os banhos são separados para homens e mulheres, e normalmente são indicados com avisos…em japonês (já viu que eles não devem receber tantos turistas estrangeiros assim). Os mais modernos tem desenhos indicando o sexo, porém os tradicionais…

Entrar na água, só sem roupa

 

Em todo onsen existe um vestuário com armários ou estantes para você deixar suas roupas e pertences. Às vezes tem até uma cestinha para socar tudo lá dentro sem correr o risco de perder nada. Não se pode usar nada (nem roupa de banho) para entrar nos onsens – exceção para alguns pouquíssimos onsens que permite o uso de roupa de banho nas piscinas mistas, por isso é importante que você se sinta confortável o suficiente para ficar nu na frente de outras pessoas. Verdade seja dita, os japoneses estão tão acostumados com a situação que ninguém fica reparando em ninguém, o que torna a situação um pouco mais “natural” e você não se sente um alien. A única coisa que você pode levar consigo é a toalhinha da modéstia (seu uso inclui cobrir as partes íntimas quando andando para lá e para cá) que muitas vezes tem à venda no próprio local e que você pode guardar como souvenir.

Qual o motivo de se entrar pelado em um onsen?

O Onsen é um local para relaxar o corpo e a alma, portanto as roupas de banho podem trazer sujeiras e tirar a pureza das águas vulcânicas que alimenta o Onsen.

Só entre no Onsen/Sentô depois de ter se lavado

É isso aí, você leu certo. O Onsen não é lugar para se lavar, é um lugar para relaxar, portanto, para poder entrar no onsen você precisa “tomar banho” antes (mesmo que você já tenha tomado banho antes de ir para lá, e isso inclui lavar o cabelo). Adjacente ao onsen  existe uma área para tomar banho, você senta num banquinho. À sua frente tem um chuveirinho com um jato d’água potente e tubos de shampoo/condicionador/sabonete líquido. Você pode/deve usar a toalhinha pequena como esponja. Aí segue o ritual, abre o chuveirinho, se molha, fecha chuveirinho, se ensaboa todo,  abre chuveirinho, se lava. Depois de devidamente limpo, pegue sua toalhinha (certifique-se de ter tirado todo o sabão dela) e siga para o onsen.

A Toalhinha da modéstia

Esse é um assunto controverso. A maioria dos Onsen permite que se leve a toalhinha para dentro da área molhada apenas para “se lavar” e cobrir suas partes íntimas. Quando você entra no Onsen propriamente dito, alguns deles tem avisos explicando que é para deixar a toalhinha na beirada e não colocá-la nunca, jamais, dentro da água (o motivo é para manter a limpeza da banheira, já que a toalhinha seria algo considerado “sujo”). Mas a toalhinha tem um papel fundamental, segundo o ditado popular japonês, que é dobrá-lo e colocar em cima da cabeça ou da testa (para evitar desmaios).

Conversas e afins

É permitido conversar dentro do Onsen, mas gritar/falar alto/cantar pode ser mal-visto pelos outros ocupantes. Vez ou outra alguém pode vir puxar papo com você. Comigo isso nunca aconteceu, mas meu marido já se viu nessa situação em alguns onsens que fomos. Pular na água/agitar a água e etc só é tolerado se você for uma criança (pequena).

Tatuagem

Alguns onsens ainda proibem a entrada de pessoas tatuadas (mesmo que sejam tatoos pequenas) devido ao estigma disso no Japão. Lá, tatuados normalmente são membros da Yakuza (máfia japonesa) ou pessoas que estão à margem da sociedade. Contudo, minha irmã que tem tatuagens enormes espalhadas pelo corpo entrou em onsens lá sem problemas, salvo alguns que realmente tinha tal restrição. E ah sim, se tiver alguma tatuagem, pode se preparar que as pessoas vão lançar olhares atravessados/medrosos.

Saindo da água


Ao sair da área molhada e se dirigir para o vestuário, lembre-se de se secar primeiro com a toalhinha para não ir “pingando” pelo caminho.

Considerações Finais

A água dos Onsens são normalmente muito, muito quentes. A maioria fica fácil, fácil acima de 38 graus. Não se espante ao ver um japonês entrar de corpo e alma sem hesitar. Mas não tente imitá-lo. Comece entrando com a ponta do pé e vá devagar. É recomendável não ficar mais do que 10 ou 15 minutos dentro da água ou você pode literalmente desmaiar, e se estiver sozinho será um problema. É normal entrar e sair um pouquinho para resfriar o corpo (vale até voltar para o chuveirinho e usar o jato de água fria para se resfriar), para então entrar novamente. Esse processo pode ser repetido várias vezes, especialmente por quem não tem tanta resistência à água “pelando”. Talvez seja a água quente demais, talvez sejam os minerais, a verdade é que você sai de lá novo em folha. Até o marido que odeia água quente gostava de ficar imerso no onsen.

A maioria dos onsens que eu fui, especialmente os de Ryokan estavam vazios ou com 1 ou 2 pessoas apenas. Dependendo do horário em que você escolhe, é possível aproveitar sozinho o onsen.

E a pergunta que não quer calar: Vale a pena?

Definitivamente, sim! Primeiro, porque sua experiência ao Japão não será completa sem ela. Segundo, é uma das experiências mais relaxantes para o corpo que você vai ter. Não por acaso está no topo da lista de coisas favoritas a fazer do japonês (e minha também). Quando fui pela primeira vez, passado os primeiros minutos de constrangimento, tudo é esquecido quando se entra e relaxa no onsen.

Uma experiência única é se hospedar em um ryokan e […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *