Análise de tribo urbana: Gothic Lolita


Gothloli é uma ramificação do estilo Lolita, muito popular entre adolescentes do Japão. Muitos acreditam que o movimento nasceu como resposta ao estilo Kogal, que muitas consideram “vulgar”, por valorizarem a exposição do corpo e a sensualidade, onde no Gothloli a pele não pode ser exposta. As garotas que se vestem no estilo Gothloli preferem ser “meigas” do que sensuais, o que não é de se espantar, já que o termo kawaii (meiguinho) é muito valorizado na cultura japonesa.

A combinação de cores se limita à poucas variações como preto e branco, vermelho, azul marinho e cinza, com muitos acessórios e tecidos com muitos babados. As saias nunca podem ser acima da altura dos joelhos e geralmente são acompanhadas de ánaguas para aumentar o seu volume. Calçolas, meias 7/8 e sapatos estilo boneca complementam o visual. Acessórios como aventais, sombrinhas, e chapéus são indispensáveis para dar vida ao estilo. O cabelo normalmente é cacheado para compor o visual e a maquiagem utilizada de maneira comedida.

Como roupas de influência vitoriana e edwardiana e um toque de excentricidade gótica e fofice acabou sendo tão popular entre as garotas do século XX do Japão? As raízes da cultura gótica japonesa remetem à década de 70, com o movimento punk inglês, bandas como Bauhaus, Sister of Mercy, Siouxsie e Banshees. No início, os poucos adeptos desse estilo eram fâs desse movimento. Com o tempo a moda “Gothic Lolita” acabou se tornando mais forte do que a música.

O ponto de virada para a ascensão do cenário Gothloli foi quando o novelista Novala Takemono fez repetidas referências à Baby, em seu romance de 2004 (Shimotsuma Monogatari), sobre a amizade entre uma Lolita e uma ciclista. Quando o livro foi adaptado para o cinema, o movimento Gothloli foi massificado no Japão.

No site da Gothic Lolita Links, foi postado um questionário informal que nos dá uma idéia sobre o que se passa na cabeça das meninas que aderiram ao estilo. Quando a questão “Qual é o propósito do seu interesse no estilo Gothloli?” foi colocado, a maioria das garotas respondeu “Para ter um senso de beleza”. Outras disseram “Por causa das roupas”. Quando foi perguntado “O que as pessoas pensam sobre você?”, a maioria respondeu “Por conta da maneira como nos vestimos, as pessoas nos acham esquisitas”. Algumas ainda responderam “Tenho certeza que as pessoas me enxergam pelo o que eu sou”, enquanto outras confessaram “Com frequência eu ouço as pessoas tirarem sarro de mim”.

A imagem do estilo Gothic Lolita também teve um papel importante na indústria do anime e mangá, em publicações como Doll, Le Portrait de Petit Cossette, Rozen Maiden, Princess Princess, God Child, Death Note e Dantalian no Shoka. O estilo conquistou as fãs que gostam de cosplay. Atualmente o estilo Gothloli foi separado em duas vertentes: aqueles que se inspiram em animes e aqueles que seguem o estilo Visual Kei.


Uma estilista de corset do Japão disse, “As garotas Gothloli não precisam mais fantasiar sobre a Europa do século XIX. Elas criaram seu próprio estilo, que de verdade não se refere à nenhum período histórico. Me pergunto quantas delas sabem a diferença entre entre o século XIX e o período medieval”. Contudo, não podemos negar a força do estilo e como ele superou diversos obstáculos de tempo e espaço, perdurando até os dias atuais, reinando onde outras tribos pereceram depois de uma vida curta, afinal, como disseram algumas garotas, “toda garota quer poder se vestir de maneira fashion e parecer meiga” e o estilo Lolita é a ferramenta perfeita para isso”. Pelo visto, o Gothloli vai perdurar por muito tempo, tal qual um fantasma da Torre de Londres.

Curiosidade: Em 2001 uma revista chamada “Gothic & Lolita Bible” – repleta de referências históricas, fotos, modelos de roupa, e até artigos como “Como assar um bolo gótico”- começou a circular no Japão.

Gothloli é uma ramificação do estilo Lolita, muito popular entre […]