Vencedores – Troca Equivalente Awards 2011

Chegou a hora de conhecer o que de melhor e de pior tivemos esse ano na opinião dos integrantes do blog. Resultado do Troca Equivalente Awards:

(Lembrando que não somos os donos da verdade, é apenas a nossa humilde opinião após análise de grande parte dos lançamentos desse ano).


Sem dúvida nenhum só deu Madoka Magica esse ano, o anime sobre as garotas mágicas que não sabiam se realmente queriam ser garotas mágicas conquistou uma legião de fãs ao abordar um tema batido por uma perspectiva diferente.

Se você realmente tivesse a chance de ter poderes você os aceitaria? É tão simples assim a decisão de aceitar o fardo de fazer algo que está sendo imposto a você? Debatendo dúvidas como essas e ousando no estilo visual (principalmente na parte das bruxas) a produção saiu do lugar comum em que a animação japonesa tem estado estagnada e ainda conseguiu ser aclamada por critica e público.

Leva o prêmio de melhor do ano porque, apesar de ter tido um final não tão incrível como o restante do andamento da série, conseguiu mostrar que é possível pensar fora da caixa e atingir um público amplo mesmo sendo um anime de nicho bem específico.

 


A briga aqui foi feia, afinal, esse ano teve um bom número de animes dignos do prêmio, mas Steins;Gate se sobressaiu ao mostrar um roteiro sólido e sem oscilações de qualidade no andamento da história em cada episódio.

Também merece o prêmio pelo nível de dificuldade do roteiro, já que mexer com linhas do tempo e fugir da linearidade narrativa é algo bem complexo de ser executado com qualidade.

Alguns dos outros animes da lista apesar de terem histórias bem amarradas tratam de temas mais simples de serem desenvolvidos.

 


Uma das poucas coisas que se salvam em Guilty Crown é arte elaborada pelo popular ilustrador Redjuice para dar vida aos personagens e cenários do anime.

Nessa categoria os concorrentes também foram fortes, mas a “Coroa dos Culpados” levou vantagem por seu visual moderno, detalhado e também pela bela iluminação aplicada na animação o que ajudou a ressaltar ainda mais o caprichoso trabalho do ilustrador.

 


Outra categoria que não teve para ninguém! Em um universo tão tomado por personagens femininas (nos animes atuais então nem se fala) o cientista louco Rintarou Okabe roubou a cena mostrando que ainda é possível existir personagens carismáticos sem o uso de coisas fofas e fan service.

Além disso, a construção de sua história ao longo do anime foi sensacional, há tempos não víamos um personagem com uma “curva de amadurecimento” tão interessante.

 


A música Nornir foi escolhida por fugir do padrão das músicas pops usadas na maioria dos animes, também é fácil notar um nível de cuidado maior que o comum em sua construção, a canção é belamente orquestrada, possui variações em seu ritmo e não chega a ser cansativa mesmo a versão completa tendo sete minutos.

 


O melhor ano do Brains Base que já vinha em uma crescente há algum tempo. Em 2011 eles produziram quatro animes de alto nível apesar de nem todos terem atingido o sucesso esperado.

O destaque vai para Mawaru Penguindrum, mas não podemos deixar de citar Kamisama Dolls, Dororon Enma-kun Meeramera e Natsume Yūjinchō San. Para conhecer mais sobre o estúdio e saber seu diferencial leia esse nosso texto aqui.

 


Apesar de tecnicamente ser muito bom é fato que Guilty Crown não conseguiu nem ao menos chegar próximo de todo o hype que existia em torno de sua produção. A premissa da história é boa, mas mal executada, seus personagens são bem desenhados, mas com pouco carisma.

E o pior de tudo é o excesso de fan service sem motivo nenhum, são cenas totalmente aleatórias e exageradas das personagens femininas fazendo caras e bocas (com os peitos balançando, claro).

Após seus 11 primeiros episódios concluídos ao menos restou uma luz no fim do túnel, o anime ainda tem chances de brilhar em 2012 dependendo os rumos que tomar daqui para frente e nós torcemos por isso.

 


Muitos disseram nos comentários que a notícia do ano foi o anúncio dos novos mangás da Panini para 2012. Sem dúvida é uma grande notícia devido ao peso dos títulos divulgados, mas sejamos sinceros nosso mercado de mangás vai bem e está até com excesso de títulos.

A notícia do Crunchyroll no Brasil pode mudar o rumo do nosso mercado de animes, esse sim precisando de ajuda para não morrer na UTI. Já dissemos em um texto sobre o assunto que não pagaríamos pelo Crunchyroll, mas não podemos negar que ele pode ser a solução para volta de um mercado saudável de animações no país. Se ele fizer sucesso talvez possamos ver os animes exibidos nele chegando ao mercado de DVD e Blu-ray por exemplo. Canais de TV poderiam ver o retorno que o site estaria dando e assim decidirem voltar a passar animes.

A questão aqui não é ver animes com legenda em português por streaming ou decretar a morte de fansubbers, o que está em jogo é a volta do mercado de animes no Brasil.

 


Esse foi um grande ano para os mangás e uma de suas melhores surpresas veio quase como presente do Papai Noel no final do ano. Solanin foi junto de Aventuras de Menino a estreia da editora L&PM no mercado de mangás brasileiro.

E podemos dizer que foi uma grande estreia, o autor Inio Asano construiu uma história muito condizente com os jovens de hoje, ele conseguiu mostrar através de sua arte sequencial as aflições e desafios que todos ao chegarem na vida adulta passam sejam eles brasileiros, japoneses, americanos e etc.

O formato pocket funcionou muito bem também, é um bom modelo de negócios que as outras editoras poderiam seguir para lançar mangás com melhor qualidade gráfica e menor custo de produção.

Concorda? Discorda? Deixe seu comentário, gostariamos de saber sua opinião!

 

Chegou a hora de conhecer o que de melhor e […]