Simplicidade, Otimismo e Fantasia – O mundo de Osamu Tezuka

Os mangás e animes como conhecemos provavelmente não existiriam se no final da década de 40 um jovem desenhista não tivesse começado uma grande revolução, de maneira despretensiosa, nos quadrinhos japoneses. Esse jovem que tinha apenas o sonho de se tornar um animador era Osamu Tezuka.

Da Disney para a medicina

Nascido no dia 3 de novembro de 1928 no distrito de Toyonaka, o jovem Tezuka cresceu vendo filmes do cinema mudo e as animações dos estúdios Walt Disney o que o motivaram desde muito cedo a querer se tornar um animador. Na juventude viu seu país ser devastado com os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, percebendo que o seu mundo dos sonhos ainda não poderia existir ingressou em uma universidade de Medicina, mas sem nunca deixar os seus desenhos de lado.


Shin Takarajima

Nesse período de instabilidade que o país vivia e em paralelo ao curso de Medicina começou sua carreira de desenhista, seu primeiro sucesso é datado de 1947 e na verdade estava mais para um storyboard já que até então os mangás ainda possuíam muita influência dos seus primórdios com Katsushita Hokusai e das histórias cômicas pós era Meiji de Rakuten Kitazawa.

Esse primeiro sucesso era chamado Shin Takarajima (A Nova Ilha do Tesouro) e por possuir uma estrutura mais próxima das animações, afinal esse era o sonho de Tezuka, acabou por agregar aos quadrinhos japoneses técnicas cinematográficas de cortes de cena, enquadramentos e narrativa. Os mangás que até então não possuíam uma diagramação por quadros, passaram a ter um dinamismo estilístico jamais visto.


Black Jack

A popularização do mangá

Após se formar em Medicina e com o sucesso dos seus primeiros trabalhos como desenhista Tezuka decidiu focar totalmente nos mangás. Suas histórias cativantes retratavam temas pertinentes ao japão que tentava se reerguer, elas abordavam assuntos como: vida, morte, a ecologia e a relação homem máquina, algo que o Japão é fascinado até hoje.

Entendendo o que seu povo precisava e usando de artificio uma ferramenta barata e que podia ser consumida por todos Osamu Tezuka conseguiu popularizar os mangás a um nível de paixão nacional. Suas histórias eram tão universais e ao mesmo tempo tão humanas que conseguiam quebrar qualquer resquício da guerra que os japoneses tinham.


Apollo’s song

Muitos de seus mangás tinham um apelo bem infantil e devido a isso até hoje em alguns casos seu trabalho é questionado. Foi apenas após o manifesto Gekigá (eles produziam histórias mais adultas, retratando o modo de vida da época), onde autores com ideias contrárias as de Tezuka começaram a se destacar, que ele começou a enxergar com outros olhos as histórias com temáticas mais reais. Após esse período surgiram clássicos como Adolf e Buddha por exemplo.


Adolf

A consagração e os animes

No final dos anos 60 ele já era um artista consagrado e o Japão após fechar alguns bons acordos comerciais conseguia reerguer sua economia nacional e começava a se tornar uma potência. Vendo os bons ventos que estavam chegando ele decidiu colocar em prática o seu desejo de trabalhar com animações e em 1961 montou o estúdio Mushi Production que começou a fazer adaptações animadas dos maiores sucessos de Tezuka e de alguns outros mangakás da época.

Essa nova empreitada foi tão bem sucedida que em pouco tempo ele já estava exportando suas produções para os EUA através de uma parceria firmada com o canal NBC, o que o tornou o primeiro produtor a exportar animes. Esse passo em busca do sucesso internacional foi o que deu inicio a febre de animes que vemos hoje em dia, graças a essa parceria obras como Astro Boy e Kimba chegaram as Américas e gradativamente foram conquistando vários fãs.


Phoenix

Tornando-se um deus

Com tanto sucesso em sua carreira algo tinha que dar errado em algum momento e devido aos gastos excessivos nas produções dos animes, que ainda eram caros para serem produzidos em larga escala devido à tecnologia da época, o estúdio Mushi faliu. Alguns anos depois Tezuka voltou a investir nos animes e criou o Tezuka Production que existe até hoje e atualmente é uma subdivisão dos Walt Disney Animation Japan.


Dororo

Ainda no auge de sua vida profissional e já apelidado de “Deus dos Mangás” Osamu Tezuka morreu abruptamente aos 62 anos. É muito difícil dimensionar a sua importância para os mangás e animes, mas com certeza o sucesso dessa estética japonesa de desenhos está vinculado a tudo que ele fez em vida. Suas obras não ajudaram apenas os quadrinhos, Tezuka fez o povo japonês voltar a ter esperança.

O legado que o grande mestre deixou pode ser visto hoje em todas as produções japonesas do gênero. Osamu Tezuka jamais será esquecido enquanto estivermos consumindo animes e mangás, seu espirito vive dentro de cada uma dessas obras.

*Esse texto faz parte do evento #TezukaDay que aconteceu dia 17 de Dezembro e teve como intuito divulgar e homenagear as obras de Osamu Tezuka.


Curtam a FANPAGE NO FACEBOOK, que estão rolando vários concursos,  ilustrações de artistas convidados, e também a compilação de todos os posts.

Artigos sobre o autor, Osamu Tezuka

JBOX – Mangrafia
Nahel ArgamaOsamu Tezuka, O Pai do Anime // O Star System de Osamu Tezuka
– Maximum CosmoTezuka, para todas as idades
OtakismoInfluencia do pop americano-na-obra de Osamu Tezuka
MangatologiaTable of Cast! – Tezuka Por Outros Autores
Folha NerdParceria Tezuka x Maurício de Sousa
Mundo do Coringa – Biografia
Visual Novel Brasil – JonhMaster – Influência no mercado

Artigos sobre as obras de Osamu Tezuka

Mais de Oito mil – Don Dracula
Special Days – Black Jack
– Maximum CosmoKimba, o Leão Branco
Chuva de NanquimPluto
Blog do Graveheart – Buddha
– Mangás UndergroundsOde no Kirihito
Gyabbo!Apollo’s Song
– Elfen Lied – Barbara
– Mangás Cult – Tetsu no Senritsu
Subete AnimesAstro Boy, o estudo de um fóssil
AnikenkaiPhoenix 2772
– Planeta do Moe – A Princesa e o cavaleiro e o Teatro de Takarazuka
RadixDororo
Netoin!Fushigi na Merumo
Otame – A Princesa e o Cavaleiro
– Across The Starlight – Metrópolis
Moon Stitch – Angel’s Hill
OtakuYousai – Ma-chan no Nikkichou
– Virtual Meinsanity – MW
– Visual Novel Brasil – Fuusuke

Sobre Wagner

Wagner é o manda chuva do Troca Equivalente. Formando em algo sem relação alguma com o universo dos animes e mangás, está sempre por aqui dando seus pitacos. Pelo nome do blog já dá para imaginar qual é o seu mangá/anime favorito.

Os mangás e animes como conhecemos provavelmente não existiriam se […]