Review – Final Fantasy Type-0

Com o lançamento de Final Fantasy Type-0 HD programado para Março de 2015, que tal uma análise do jogo original? Confira.

O jogo foi lançado para o PlayStation Portable em 2011, exclusivamente para o Japão. Sob a direção de Hajime Tabata, diretor de Final Fantasy VII: Crisis Core, o type-0 acabou ganhando destaque por ser o primeiro jogo da série a ser bem diferente dos outros, em questão de ambientação e mecânica.

O jogo se passa no Reino de Orience, sendo dividido em quatro nações e cada uma representa um dos Deuses Celestiais da China (Byakko, Suzaku, Seiryu e Genbu). A história se passa em um período de guerra onde a Nação de Byakko está atacando a de Suzaku. O jogador irá controlar os 14 cadetes da Classe Zero de Suzaku. Dentre todos os jogos da série, o tema “Guerra Real em um Mundo Fantasioso” nunca foi tão bem elaborado como é em type-0, apesar do background dos personagens principais serem explorados em sidequests. Elementos da Fabula Nova Crystallis também existem no universo do jogo, como os L’Cie.

1320260175

dguhwO sistema de batalha do jogo é completamente ação e isso faz as batalhas serem bem dinâmicas. Jogando se percebe que o sistema de comando nas batalhas é algo nunca visto antes, apesar de parecer uma mistura do sistema de Crisis Core e Kingdom Hearts, é algo único. O jogador tem até 3 personagens nas batalhas e controla apenas o líder, é possível trocar o controle de personagens na batalha ou chamar outro personagem da reserva quando um da batalha morre, cada personagem tem um estilo de batalha próprio. Outro detalhe interessante das batalhas é o que é chamado de Sight-seeing. Os inimigos abrem uma brecha em suas defesas e, com um golpe, o inimigo é morto ou muito da sua vida é tirada, mas isso não impede o jogador de golpear os inimigos várias vezes.

ff13agito111

O sistema de evolução é algo que foi muito bem explorado, o jogador realmente sente a diferença dos atributos de cada personagem nas batalhas, quando sobem de level. Cada personagem tem uma árvore de habilidades própria, que são compradas com 1 a 3 pontos de AP ganho em batalhas, para ajudar na evolução da movimentação nas batalhas ou desbloquear novos combos para derrotar os inimigos. A Evolução das Magias é feita pelo Alto Crystarium, local onde se usa Phantomas coletados nas batalhas para evoluir a magia dos personagens. Também é possível fazer breeding de Chocobos para gerar novas espécies. As summons do jogo podem ser controladas nas batalhas, mas algumas delas possuem um custo alto de invocação e muitas vezes é vida inteira do personagem.

4ea5c0f0_Final-Fantasy-Type-0-World-MapA exploração do mundo de type-0 é livre, mas ele só pode ser explorado pelo jogador durante o intervalo de tempo entre as missões principais, mas ele não é consumido quando jogador está fora da cidade principal. Alguns locais do mapa são desbloqueados apenas no final do jogo. As missões principais do jogo são simples, basta ir ao local onde ordenam para realizá-las, e lineares, entretanto o intervalo de tempo entre elas garante ao jogador fazer o quiser antes de ir para a próxima. As sidequests do jogo são bem difíceis, as últimas possuem uma dificuldade insana, e todas fornecem batalhas épicas e recompensas valiosas. O New Game Plus permite tomar rotas alternativas nas missões principais, o que garante missões mais complicadas e um final alternativo na missão final.

Ff_type_0_screenshot2

Em type-0 existem missões onde o jogador pode controlar esquadrões para conquistar cidades de outras nações. Elas alcançam um alto grau de dificuldade no final.

A trilha sonora foi feita por Takeharu Ishimoto, também fez as trilhas de Crisis Core e os dois Dissidia Final Fantasy. Todas elas abordam temas relacionados a morte e sofrimento, pois em nenhum momento deixam o jogador esquecer que está em um mundo de guerra e que irá vivenciar todo tipo de ação  ou consequência existente em uma situação como essa. A música tema do jogo “Zero”, cantada pela banda japonesa Bump of Chicken, trata um tema profundo para os cadetes da Classe 0 e seu som pode ser ouvido várias vezes no jogo.

Final Fantasy Type-0 foi uma tentativa ousada da Square Enix que deu muito certo e pode ser a porta de entrada para a série em um novo estilo, sendo uns dos melhores jogos de PSP e também um dos melhores da série já feito nos últimos anos. Todos terão a chance de jogar está obra prima quando for lançada sua versão em HD, em 2015 para PS4 e Xone, e verão o verdadeiro potencial do estilo desse jogo em Final Fantasy XV, desenvolvido pela mesma equipe do type-0 e também com a direção de Hajime Tabata. Até a próxima parte desse especial, quando o foco será o reino de Orience.

Obs:  Final Fantasy Type-0 HD irá dar acesso para a demo de Final Fantasy XV.

  • Guilherme Carrion

    Ainda não terminei, mas posso dizer que gostei tanto da historia quanto da jogabilidade o que é estranho vindo de um Final Fantasy os últimos títulos sempre acertavam em um e erravam monstruosamente em outro ponto. Mesmo que pequeno esse ponto me impedia de gostar totalmente do jogo. Infelizmente não sei se terei um ps4 muito menos um Xone por isso acho que nunca jogarei esse rmk.

  • Marcondes Pereira

    Rafael, pelo review que você fez,esse Final Fantasy apresenta um enredo bem rico e muito belo visualmente falando, além de uma jogabilidade interessante e funcional.

    Vou procurar conhecer mais deste jogo.