Como Éden pode revigorar o mercado brasileiro de mangas

No momento em que o mercado brasileiro de mangas precisa inovar para aumentar seu público, surge como opção as publicações big e Éden mostrará o caminho.

Há poucos dias encomendei o volume #1 de Éden: It’s an Endless World! (publicação da Editora JBC) e enquanto ele não chega passei a refletir sobre o que poderia significar esse lançamento, até que cheguei a resposta de que ele pode vir a ser um divisor de águas no mercado brasileiro, pois o seu sucesso remete a caminhos ainda não explorados para o investimento num formato maior e trazer um novo público para os mangas.

Esse tipo de publicação já começa com uma vantagem por causa de seu modo de distribuição. Não é de hoje que as editoras reclamam do monopólio na distribuição de revistas para bancas que acontece aqui no Brasil. Conforme relatado na mesa-redonda das editores que aconteceu no Anime Friends 2015, essa situação acaba rendendo um serviço caro, de baixa qualidade e sem um controle detalhado de vendas em cada local, algo indispensável para um bom planejamento de vendas e de distribuição. Como os materiais “especiais”, em maior parte, são vendidos somente em livrarias e lojas especializadas esse problema não existiria.

Além disso, esse tipo de material pode chamar atenção do público que costuma comprar os encadernados de comics. Hoje em qualquer parte do ano é fácil encontrar nas grandes livrarias histórias em quadrinhos de luxo para comprar e também a cada momento surgem editoras investindo nesse grupo. O mercado de luxo já se encontra estabelecido e os mangas poderiam ocupar uma fatia maior dele.

Porém nem tudo são flores já que as comics não enfrentam algumas dificuldades que a maioria dos mangas teriam. Em média, os mangas são publicações mais longas e menos conhecidas grande público, enquanto os quadrinhos pop americanos vem em arcos mais curtos (a maioria em volume único) e mesmo que a história não seja conhecida, possui personagens famosos, como os heróis da DC ou da Marvel que dominam a indústria do cinema atualmente com seus blockbuster.

É justamente por isso que a publicação de Éden se tornou tão importante para o investimento nesse público. Ele não é uma história tão conhecida como Death Note (que ganhou uma versão Black Edition pela mesma Editora JBC) e nem é curto como as histórias de Osamu Tezuka publicadas em formato diferenciado pela NewPOP editora. Isso o enquadra como um teste perfeito para analisar as chances de sucesso desse tipo de publicação que carregam um caráter mais intermediário, apelando para um ficção científica que pode abocanhar fãs de vários nichos.

Éden pode ser, até o momento, o principal teste para a implementação de um formato mais luxuoso em mangas aqui no Brasil. O que nos resta e torcer que dê certo, diferente do experimento feito com Super Onze no ponto oposto desse espectro, e esperar que o mercado brasileiro de mangas só cresça.

No momento em que o mercado brasileiro de mangas precisa […]