Get Backers – Parte 2 – O fanservice democrático

get backers fanservice

Get Backers é um anime em que o fanservice é muito democrático. Tem pra todos, gente!

Depois da visão geral sobre Get Backers que tivemos na parte 1, vamos agora tocar num ponto bem curioso desse anime: o fanservice bastante democrático e não-intrusivo.

Com sua galeria bastante variada de personagens, Get Backers consegue contentar várias tribos sem ofender ninguém. Há rapazes bonitos no melhor estilo bishounen e garotas igualmente bonitas, e quase todos em algum momento acabam com a roupa sugestivamente rasgada/sem camisa/pelados(as). Pena que a animação do Studio Deen não faz justiça ao character design bonito e elegante – basta ver como são belas as imagens estáticas que aparecem nas aberturas e encerramentos do anime. Para os românticos, tem o casal à lá Bela e a Fera (Madoka, a violinista prodígio e Shido, o Mestre das Feras).

Tem o rapaz andrógino, Kazuki e seu amigo de infância Jubei, que despertam altas fantasias nos fãs de yaoi e shonen ai. Aliás, os autores de Get Backers parecem gostar de brincar com estereótipos yaoi. Além da dupla citada, há mais alguns relacionamentos sugestivos em maior ou menor grau. A relação entre Ban e Ginji, por exemplo, é um bromance mas não dá para negar que as personalidades dos dois se encaixam no padrão seme/uke (ativo/passivo): Ban é mandão, agressivo, protetor enquanto Ginji é atrapalhado, gentil e vulnerável. E, para jogar mais lenha na fogueira a character designer do anime, Atsuko Nakajima fez um artbook com uma série de ilustrações muito sugestivas dos dois.

getbackers atsuko nakajima

Estas cenas nunca aconteceram no anime. São ilustrações da character designer do anime, Atsuko Nakajima para o seu artbook.

Pessoalmente, uma coisa que me agrada bastante em relação ao fanservice neste anime é que, além de democrático, ele nunca se torna mais importante do que a história e seus personagens. Por exemplo, a relação entre Kazuki e Jubei tem forte sugestão yaoi, mas isso não é o foco da história deles. O que realmente importa para esses dois personagens é o questionamento da lealdade, a traição e o perdão. Quer seja como amigos de infância ou amantes, o que interessa é que um é importante para o outro.

Um detalhe importante para se notar é que as personagens femininas – as maiores vítimas do fanservice mal feito – são bem tratadas, mesmo que não tenham muito destaque em Get Backers. Elas são bem independentes, principalmente se considerarmos que se trata de uma produção antiga de uma cultura notoriamente machista.

Tirando a Natsumi que ainda está estudando, todas são profissionais bem sucedidas. Hevn e Himiko já têm uma boa reputação em suas respectivas áreas e, aparentemente, estão muito melhor em termos financeiros do que a maioria dos personagens masculinos. Madoka poderia muito bem levar uma vida folgada, sendo mimada e protegida pelo pai rico mas preferiu ir à luta e desenvolver o seu dom musical, estudou e se tornou uma violinista respeitada.

na praia

Himiko, Kazuki e Hevn na praia, imagem fanservice típica. Ok, Kazuki não é mulher mas…

É muito frustrante, principalmente para uma mulher, assistir a um anime em que uma garota é apresentada como forte, poderosa, durona, e alguns episódios depois ela é facilmente derrotada/sequestrada pelo vilão e precisa ser salva pelo herói. Simplesmente não faz sentido. Agora, vejamos o caso da Himiko, a transportadora especialista em venenos, que vez por outra faz o papel da “donzela em perigo” durante a série: para começar, ela nos é apresentada como uma profissional eficiente e oponente perigosa. De que maneira ela pode se tornar a “donzela em perigo” sem que isso invalide esse perfil de garota forte?

Embora a Himiko realmente seja salva pelos heróis algumas vezes, isso só acontece depois que fica bem claro que o oponente dela é forte demais e a luta é desigual. Durante seus combates podemos ver que ela tem sangue frio e faz um uso estratégico de seus perfumes venenosos, sempre muito consciente de suas próprias forças e fraquezas. Não é uma tola que se joga na frente do inimigo sem pensar. Ela parte para o ataque sabendo que quase não tem chance de vencer não por burrice, mas por que não há outra alternativa.

E faz sentido que Himiko precise de ajuda em suas lutas por que ela é a mais nova e menos experiente dos principais personagens que têm habilidade de combate (Makubex, o gênio dos computadores, não conta pois embora seja capaz, ele quase não luta fisicamente). Além disso, ela não é a única a precisar de socorro no decorrer da série: praticamente todos os personagens de ambos os sexos, em algum momento da história, precisam ser salvos pelos companheiros.

himiko

Himiko, também conhecida como Lady Poison.

Observando as garotas de Get Backers, percebemos que pelo menos as principais não estão lá apenas para serem salvas pelos heróis. Elas não choram à toa, não se curvam diante do inimigo nem permitem que os homens as tratem como incapazes.

Para não dizerem que o post é só de elogios, vou mencionar que Get Backers frequentemente tropeça no politicamente incorreto principalmente nas cenas de humor: creio que nos dias de hoje, alguns poderiam criticar a forma como Ban xinga Kazuki, Shido e vários outros ou a tentativa dele de espiar a Natsumi (uma menor!) no banho. Entretanto, é preciso considerar que o anime é relativamente antigo e seria injusto julgá-lo pelos padrões atuais.

rpazes

Fanservice para garotas: o rapaz andrógino, o vilão perigoso, o cara que parece mau mas no fundo é bom, o garoto bonzinho e fofo, o lobo solitário.

Evidentemente Get Backers não é o único anime que consegue apresentar fanservice variado na medida certa, ter personagens que fazem sentido e ainda ser bastante divertido. Mas, com certeza, é um entre muito, muito poucos. E, por isso, vale a pena (re)ver.

Sobre liviasuguihara

Instrutora de inglês, "arteira", amante de animes e mangás. Você também me encontra no Twitter (@lks46), no Deviantart (https://liviaks.deviantart.com/), e no Instagram (liviasuguihara).

Get Backers é um anime em que o fanservice é […]