O que há de errado com Shigatsu Wa Kimi No Uso?

O que há de errado com Shigatsu Wa Kimi No Uso?

Logo após anunciado, muitas pessoas especularam sobre o possível sucesso do anime, baseados no atual sucesso do mangá no Japão. Os primeiros episódios vieram e a cada um que passava me sentia vez mais incomodado com o anime: “Tem algo muito errado ai” dizia eu. E ao terminar esse primeiro cour cheguei a algumas conclusões.

A primeira é de que Shigatsu Wa Kimi No Uso não é um anime sobre música clássica, e sim sobre um “draminha” de um adolescente que teve problemas com a mãe na infância. Muito pouco sobre música é abordado, nem ao menos é citado o nome das peças ou compositores das músicas que são tocados e apenas minúsculos trechos são mostrados. A música clássica só foi um pretexto com um papel muito importante para o desenrolar do drama e isso acarreta outro problema: a personagem Kaori Miyazono.

kimi-uso-kaori

O anime apresenta ela como uma “musicista” de corpo e alma, no entanto como a parte da música não foi bem trabalhada, toda essa essência de músico se perde junto com a personagem, suas lindas e elaboradas falas ficam muito artificiais, fora de contexto, perde a essência. Também tem o problema do jeito que ela trata a música, como algo livre, que quando tocado tem de emocionar as pessoas. Isso não está totalmente errado, mas é inquestionável a importância de se tocar da forma como está escrito na partitura. Primeiro vem a teoria com as ideias iniciais do compositor e somente depois vem a interpretação pessoal. Totalmente o contrário do que o anime apresenta, pois a Kaori toca de qualquer jeito nos concursos.

E por falar nos concursos

Não sei o que deu na cabeça de trazer o clima de disputa shonen para os concursos, não é um torneio de artes maciais. Esse clima de rival que foi criado foi ridículo, a música perdeu totalmente o brilho por conta disso. Concursos de música clássica são mais apreciativos do que competitivos.

Shigatsu-wa-Kimi-no-Uso

É uma pena, mas esse anime é um descaso total com a música, muito arrastado, muito artificial e sem base nenhuma pra querer falar de música clássica. Se você estiver procurando algum anime de música clássica assista Nodame Cantabile que terá uma experiência bem mais satisfatória.

Você pode assistir Shigatsu wa Kimi no Uso de forma legal e em português no Crunchyroll PT.

O que há de errado com Shigatsu Wa Kimi No […]

87 thoughts on “O que há de errado com Shigatsu Wa Kimi No Uso?”

  1. Interessante, eu ainda não assisti, mas estava curiosa com esse lance deles abordarem música, até pq eu toco piano, então é sempre interessante procurar uma história que aborde esse tema, uma pena que não faça jus ao que propõe!

  2. Você pode até criticar Shigatsu por não abordar 100% música clássica, até pq essa nem é a proposta do anime, agora, falar que é um “draminha” do Kousei com a mãe é totalmente ridículo e só mostra que você tá tentando depreciar o anime por causa do background ser a música… Sim, é só um background, o foco é dos personagens e dos problemas deles.

    Provavelmente você não prestou muita atenção no anime e só quis criticar pelo fato da música mesmo.. Eles comentam sim sobre os autores das músicas e há várias citações.

    E sobre o que falou da Kaori… Sem comentários, é muito bem explicado o motivo dela tocar assim, nem todos querem ser iguais a todo mundo e seguir 100% as regras.. Você realmente só tentou arrumar qualquer desculpa pra criticar a obra..

    Lembrando que isso é um ANIME, nunca seguirá restritamente o que acontece na vida real.

    Enfim, você está em todo o seu direito de não gostar do anime, até pq, obviamente, nem todos gostarão das mesmas coisas, mas achei sua análise meio tendenciosa.

    Shigatsu wa Kimi no Uso, pelo menos aqui no ocidente, foi considerado um dos melhores da temporada passada, em votação de uma grande página ocidental, ficando na frente de Fate e Kiseijuu.. Claro que não é uma votação oficial e é apenas daqui do nosso lado do mundo, mas creio que isso quer dizer alguma coisa.

    1. Ótimas observações Edu. Quando mencionei que é um “draminha”, é porque o principal fator desse drama está alicerçado nesse Background da música, e como o alicerce é fraco todo resto tende a cair.

      1. Hm.. Entendi.. Mas acho que você pegou meio pesado, sabe?

        Desculpe-me um pouco pelo meu post, pode ter parecido meio grosseiro.

        Só que eu acho que você está julgando o anime por algo que ele não é e não se propõe a ser, pelo menos eu vendo o anime não o vejo como uma obra que quer ensinar sobre música, que quer ser referência para o nicho de musicistas… Apenas usa essa temática para abordar o drama dos personagens e evoluí-los aos poucos (o desenvolvimento do Kousei é bem lento, isso pode ser uma pedra no sapato para algumas pessoas).

    2. Também achei a análise tendenciosa, por que não avalia todos os aspectos do anime.. Posso estar errada, mas não vejo problemas da Kaori ter seu estilo livre.. Pois é mostrado que ela tem respeito pelo instrumento que toca e pela música em si..

    3. concordo totalmente, não concordei com praticamente nada e fiquei surpreso com tantas coisas tentando depreciar, vim logo de cara nos comentários para saber se fui só eu que discordou de tanta coisa tacada em forma de texto, por que se quer preocuparam em analisar direito

    4. Saudações

      Permita-me citar algumas partes de vosso comentário, nobre…

      1. “Provavelmente você não prestou muita atenção no anime e só quis criticar
      pelo fato da música mesmo.. Eles comentam sim sobre os autores das
      músicas e há várias citações.”

      Endosso sua frase principalmente no que se refere às citações das obras clássicas feitas no anime. Elas são um escopo, pois a real base que formenta o enredo é o drama de seus protagonistas.

      2. “E sobre o que falou da Kaori… Sem comentários, é muito bem explicado o
      motivo dela tocar assim, nem todos querem ser iguais a todo mundo e
      seguir 100% as regras.. Você realmente só tentou arrumar qualquer
      desculpa pra criticar a obra..”

      Exatamente, nobre.

      Apenas concordo plenamente com seu comentário, Edu.

      Até mais!

    5. Sim , o cara simplismente acha que um anime em si , deve seguir a obra dos autores da música , sendo que o anime está voltado ao protagonismo e antagonismo de personagens , mostrando que a música e o digamos que ” amor ” supera a dor passada , e que a música é um estilo livre e devemos tocar do nosso jeito , mas claro que devemos respeitar os musicistas e a partitura em si , mas essa mudança é uma estilo mais feliz > O anime tambem mostra a da perca de algo importante pra nós , a música supera .

    6. Achei um monte de postagens no instagram sobre esse anime e embora seja focado pro público masculino (shounen e não shoujo) gostei do fato de a música ter sido o pivô (não lembrei outra palavra) da união entre os protagonistas, além de parecer estar longe da temática seinen. Mas admito que quando procurei a crítica e li esta dei uma desanimada, no entanto, mesmo a música tendo sido pouco abordada (o que é um fator negativo na roteirização), achei um pouco mente fechada o comentário sobre a violinista tocar as músicas a maneira dela, pois se o foco é o romance e conflitos pessoais dos protagonistas então não existe a necessidade de expor todo o trabalho feito desde a leitura e memorização da partitura até a execução desta com a interpretação pessoal do músico (é um processo muito longo que tomaria muito tempo e poderia chegar ao ponto de transforma-lo numa novela, tipo Itasura na Kiss), e pelas postagens que vi no instagram achei os traços e a animação bem feitos, ou seja, a produção em sí não parece ruim.
      Por fim acho que vou assistir para confirmar minha primeira impressão sobre a produção e roteirização graças ao seu comentário, além de um vídeo da abertura (no instagram). Obrigada! :)

    7. Outra coisa importante foi o que a Fowz citou:
      “Agora teve uma parte muito legal aqui num ponto de vista sério: “Também tem o problema do jeito que ela trata a música, como algo livre, que quando tocado tem de emocionar as pessoas.”
      Esse é um ponto de vista subjetivo e para quem não tem uma sensibilidade musical minimamente apurada não vai entender o que a “música” simboliza. Por cima é fácil dizer que a música é aquilo que excita a alma: OSTs de Sawano deixam públicos eufóricos, músicas de Yakushimaru Etsuko acalmam com sua voz angelical e por aí vai. A música serve como origem de emoção, quaisquer sejam, então ninguém pode dizer que um músico que deseja apenas emocionar está errado; ele está absolutamente focado no maior benefício desse exercício.

      Agora para concursos onde o único ponto que pode ser julgado seria a precisão à composição original é isso mesmo, com a Kaori não dando a mínima importância e ganhando muito mais fãs (até pela situação de vida dela).

      Falando nos concursos, esse clima de conflito e batalha é real, basta assistir concursos e ver como os competidores suam feito porcos, igual representado no anime. Existe uma dramatização maior? Claro, porém tomando em conta as tendencias emocionais do anime, óbvio que ele vai fazer aquilo crescer e transformar em algo impactante, atraente e, principalmente, envolvente.

      Se fosse pra criticar um ponto crucial dessa história seria o fato de ainda-crianças de 14 anos terem maturidade emocional maior que tiozões de 45, mas você sequer levantou isso…”

      1. Essa é exatamente a minha maior crítica ao anime, aquelas crianças se achando os maiores filósofos do Japão! kk

        Enfim, o autor desse post falou besteira do início ao fim, nada dali deve ser considerado… É como eu disse, ele procurou qualquer besteira pra falar mal do anime, e escolheu a música, fechando os olhos pra qualquer qualidade ou qualquer defeito real que o anime teve.

  3. Perdeu a razão no “Concursos de música clássica são mais apreciativos do que competitivos.” Concurso é um concurso. Competição. Vence o melhor. No ponto de vista do músico, do juiz. Só é apreciativo no ponto de vista de quem vai ao concurso apenas pra ver, pra quem não entende nada, ou pra quem foi forçado à ir. Até os parentes do músico ficam competitivos na platéia. Só é apreciativo uma apresentação, um evento de gala, um show. Um concurso, é um concurso. Por causa desse ponto de vista não tem como concordar com essa “análise”.
    “nem ao menos é citado o nome das peças ou compositores das músicas que são tocados” Cara, até no nome do episódio colocaram e você me solta uma dessas? Como assim cara? Não. Para. Todas as músicas que apareceram, alguém disse o nome delas. Quantas vezes repetiram “Chopin” até agora?
    “pois a Kaori toca de qualquer jeito nos concursos.” Queria eu saber tocar desse jeito. E outra, ela pode não ter seguido o que está na partitura, o que é inaceitável para um concurso (pois se está fora da partitura, é errado e desclassificado, pois é um concurso, não uma apresentação), mas falar que toca de qualquer jeito? Desculpa, mas isso foi um tremendo exagero. A análise inteira foi um exagero mal interpretado. Quer falar mal, fala do “Unlimited Deathflag Works”, fala da “lentidão” no amadurecimento do Kousei nos primeiros episódios, fala do “shippwar”, fala da profundidade do tema abordado por crianças de 14 anos, fala das diferenças entre o mangá e a adaptação… Tem muita coisa pra se falar mal. Poxa :v

  4. Entendo a lógica da sua crítica, mas discordo completamente dela pois, como você mesmo afirmou, Shigatsu Wa Kimi no Uso usa a música como um elemento para que a trama se desenvolva, não como centro da história. É como ir assistir a One Piece e criticar pela parte dos piratas não está verossímil, não faz sentido.

    E dentro da proposta de usar a música como elemento catalisador dos dramas dos personagens, Shigatsu wa Kimi no Uso faz isso muito bem.

    Gyabbo!

  5. Eu não sei se você estava redigindo ou pescando quando escreveu esse texto, sério mesmo.

    Agora teve uma parte muito legal aqui num ponto de vista sério: “Também tem o problema do jeito que ela trata a música, como algo livre, que quando tocado tem de emocionar as pessoas.”
    Esse é um ponto de vista subjetivo e para quem não tem uma sensibilidade musical minimamente apurada não vai entender o que a “música” simboliza. Por cima é fácil dizer que a música é aquilo que excita a alma: OSTs de Sawano deixam públicos eufóricos, músicas de Yakushimaru Etsuko acalmam com sua voz angelical e por aí vai. A música serve como origem de emoção, quaisquer sejam, então ninguém pode dizer que um músico que deseja apenas emocionar está errado; ele está absolutamente focado no maior benefício desse exercício.

    Agora para concursos onde o único ponto que pode ser julgado seria a precisão à composição original é isso mesmo, com a Kaori não dando a mínima importância e ganhando muito mais fãs (até pela situação de vida dela).

    Falando nos concursos, esse clima de conflito e batalha é real, basta assistir concursos e ver como os competidores suam feito porcos, igual representado no anime. Existe uma dramatização maior? Claro, porém tomando em conta as tendencias emocionais do anime, óbvio que ele vai fazer aquilo crescer e transformar em algo impactante, atraente e, principalmente, envolvente.

    Se fosse pra criticar um ponto crucial dessa história seria o fato de ainda-crianças de 14 anos terem maturidade emocional maior que tiozões de 45, mas você sequer levantou isso.

    TL;DR essa resenha é como um textinho daquele juiz velho de óculos que tem crise existencial no episódio 2 pela Kaori espantar todo mundo com sua técnica e habilidade de reler Kreutzer e fazer dela uma outra composição magnífica.

    1. “TL;DR essa resenha é como um textinho daquele juiz velho de óculos que tem crise existencial no episódio 2 pela Kaori espantar todo mundo com sua técnica e habilidade de reler Kreutzer e fazer dela uma outra composição magnífica.”
      ^HAHAHAHAH pensei a mesma coisa xD

    2. Também tinha estudado a algum tempo atrás sobre a música ser a representação da própria alma humana, ou seja, expressa as ideias e emoções do artista.

  6. É raro achar alguém que não tenha gostado desse anime. Admito que, fiquei curioso ao ler o título. Bom, concordo em partes com seu texto, então vamos lá.

    Quanto à proposta de Shigatsu wa Kimi no Uso, acho que ficou claro desde o começo que a proposta deste não era tratar de música clássica, e sim utiliza-la para o conflito do nosso personagem principal. Então, eu sinceramente não vejo problema em eles não citarem o nome das músicas ou compositores: afinal, estamos ali para observar a evolução do Kousei não só como músico (ainda chegarei nesse ponto), mas também como pessoa (e pelo o que eu me lembre, eles citam alguns compositores, sim).

    Sobre a Kaori…. bem, não estudo música e não toco nenhum instrumento, então não posso argumentar quanto à veracidade de “tocar para emocionar”. Mas não sabemos NADA de seu background. Para ela ter essa atitude, provavelmente sofreu de algo no passado e que superou de alguma maneira, resultando no ela de hoje. Enfim, o jeito aqui é esperar, apesar de eu concordar que algumas falas dela (e até do Kousei) são realmente deslocadas em alguns momentos (e para mim, quebra um pouco da verossimilhança, visto que são bem novos para ter reflexões dessa magnitude. Mas enfim, licença poética) quebrando o clima construído até ali, principalmente nas apresentações.

    Sobre os concursos…. bem, eu sinceramente não me incomodo com o clima “battle shounen” (aliás, um concurso é, de certa forma, uma competição, não? Mas de qualquer maneira, não tive a mesma sensação que você), o que me realmente incomoda é como a direção consegue deixar várias apresentações arrastadas. Em vez de deixar a música falar por si só, eles ainda insistem em colocar diversas falas (várias delas desnecessárias e repetitivas) por cima, deixando a coisa arrastada e maçante, em alguns momentos. Obviamente não digo isso para todas as apresentações (a segunda metade do episódio 10, por exemplo, foi ótima por conta da música ter recebido destaque), mas que algumas são arrastadas, são.

    Enfim, em suma, acho que você tem de observar a proposta: tratar sobre o drama do personagem principal e seu crescimento, sendo que a música clássica é utilizada mais como uma ferramenta para isso. Acho que você está enxergando a obra de maneira errada (mesmo concordando em alguns pontos).

  7. Eu discordo completamente da sua visão. Shigatsu não é sobre música, ele a utiliza como background para o drama do protagonista. Em momento algum a música é mais importante ou vai ser que isso. As relações entre os personagens por ter a música como elemento que os liga, isso é importante. Sobre a Kaori, ela esta ai por dois motivos: Ser o apoio do Arima e ser o novo caminho que ele deve seguir. Ela é musicista de corpo e alma, e demonstra isso quando distorce as partituras, quando vai contra as regras pra fazer a música que acha que deve, como dito por ela mesma, ela quer inspirar os outros. O anime/mangá é um shonen, obvio que vai distorcer a visão real de um concurso. E ai que ta o charme, mostrar um personagem que perdeu o gosto pela música, tendo que superar “oponentes” que foram inspirados por ele.

  8. Eu não sou doido pra falar de algo que não conheço. Vivo no ambiente da música clássica há anos. No próprio post eu mencionei que esse anime não é sobre musica clássica. No entanto o foco que é o drama e a superação do Arima usa como base a música clássica. Não tem como ignorar isso. E essa falta é o que faz a Kaori não ser uma boa personagem.

    Sobre os concursos, claro é uma competição, mas digo por experiencia própria porque já participei de concursos, e digo: essa rivalidade não existe!

    Toda essa minha analise é baseada de uma visão de dentro deste ambiente, e entendo seus pontos de vista.

    1. vem pra competição regional de musica erudita de são paulo… aki já teve mina que rasgou vestido da outra por causa da ordem , violino sem afinação de corda… cara que trucidou o pedal do piano…quando se trata de um concurso que tem coisas importante em jogo e há competidores com sede do premio há uma briga grande sim! rivalidade existe dependendo do que se tem em jogo e a mentalidade de cada participante…

      1. To vendo que todo mundo ignorou o episodio onde aqueles dois personagens que vão competir contra o Arima, recebem a noticia de que ele vai participar. Fica aquele clima: “meu deus o Arima vai participar! nossa e agora?” quando na verdade não é assim. Isso é tão exagerado que o Takeshi Aiza até deixa de ir pra uma importantíssima competição na Europa só pra competir com o Arima.

        E me desculpe mas esse tal concurso do qual você fala, provavelmente só deva existir ele mesmo dessa forma. É muita desorganização por parte da produção do concurso.

        1. Ué, mas qual o problema disso?

          O Arima era uma inspiração pra eles.. Foi por causa do Arima que aquela menina resolveu aprender a tocar piano e o Takeshi o admirava tanto que queria que o Arima reconhecesse o talento dele.. Novamente acho que você está tentando encontrar pelo em ovo, desconsiderando totalmente os personagens e o que foi apresentado sobre eles e somente tentando se focar no concurso em si.. Que não é o foco.

  9. acho que entendo a sua “revolta” com esse anime, afinal não é todo dia que podemos ver um anime que fale de música erudita, que é um tema muito bacana. daí quando o autor resolveu focar noutra coisa e não na música, toda a esperança de ver um possível sucessor de Nodame Cantabile foi por água abaixo :<
    mas confesso que é um tema difícil de trabalhar, se o autor não souber como fazer, pode ser uma grande bomba. como o foco de shigatsu não é música, ele consegue ser bom em outros aspectos.

  10. O tal problema que você citou no segundo parágrafo foi bem inválido, afinal, o anime realmente não tem a música como foco principal, e nunca se propôs a ter, então não há o que reclamar a esse respeito. “A primeira é de que Shigatsu Wa Kimi No Uso não é um anime sobre música clássica, e sim sobre um “draminha” de um adolescente que teve problemas com a mãe na infância.”
    Com essa frase, o que eu pude perceber é que você só tentou desvalorizar o anime por ele não ter te agradado, porque o drama do Kousei não é ruim como essa frase deu a entender ‘-‘

  11. Só sei que a maldita Saki (mãe do Kousei)é a personagem maais odiada e em 1 episódio ela vira a melhor mãe do mundo! O anime tem a musica como pano de fundo o maior drama da história é o problema do kousei não ouvir as musicas que toca por causa do trauma de sua mãe… Quanto a Kaori ela não destrata mas também não trata a musica como deve ser… só isso! Kaori é doente e tem medo de morrer e esse medo de morrer cedo é que a faz tocar para emocionar mesmo que ela não esteja mais no mundo as musicas que ela tocou estarão nas memórias daqueles que a ouviram… é assim que ela pensa…
    quanto ao clima de competição há lugares que há (eu mesma já participei em minha região e já teve caso de sabotagem até) e o anime mostra que a competição entre eles é ao mesmo tempo a criação de um laço e ajuda na evolução de cada um…. como dito Nodame Cantabile é um anime de musica… tanto é que no final vc não tem ideia se ela e chiaki ficam juntos… nem no mangá tem como saber pois mostra o crescimento dos personagem na musica o pano de fundo é os relacionamentos….. lembrando que Nodame é amor!!!!!!
    otakuvaidosa.blogspot.com

    1. Muito bem lembrado Joyce, confesso que me esqueci dessa parte da Kaori ser doente e olhando pelo seu comentário faz sentido. Quanto aos concursos, que concurso foi esse que você participou? casos como esse são raros.

      1. O concurso regional de musica erudita de são paulo é somente no estado de são paulo e tem cerca de 3 mil inscrições por ano… muito competitivo pois o premio final alem de ser um instrumento novinho tem a ajuda a escola onde voce cursa e mais a bolsa de estudo de 3 anos no canadá ou alemanha… por isso é muito comoetitivo
        (lembrando que cheguei somente até as 8 de finais… tenso mas tinha gente incrivel)

  12. Saudações

    É bom que isto fique bem mensurado…

    Shigatsu wa Kimi no Uso é um anime que usa da música unicamente como um tipo de subterfúgio para o seu real propósito, que está concentrado no drama de seus protagonistas e, doravante à isto, na personificação do jovem Kousei como alguém que tem de de vencer as adversidades da vida por meio da “vibração musical”.

    Jovem Dozizette, parece-me que por sua pessoa vivenciar o âmbito musical no seu cotidiano, tu acabou esperando da obra algo próximo à isto. Entretanto, o anime em si nunca teve (e nem terá) tal dimensionamento, aplicando-se unicamente aos quesitos pertinentes ao drama e sentimentos coligados.

    Infelizmente, discordo em grande parte de seu texto, cujas críticas não me pareceram justificadas sobre tudo aquilo que Shigatsu wa Kimi no Uso vem à representar em sua amplitude.

    Até mais!

  13. Sua análise foi muito bem feita meu camarada. Eu sou um aficionado em animes de música, muito embora até hoje só dois realmente me agradaram: Beck e Nodame no Cantabile. Infelizmente, não foi diferente com esse anime. Percebe-se que o foco dele não é a música logo de cara, ao mostrar cenas onde pessoas se apresentam nas competições, toca-se a música, mas o personagem está ESTÁTICO, não há nem cuidado para mover-lhe os dedos pelo instrumento. Isso só é realmente feito em pequenos trechos das apresentações, é quase revoltante. A história é enrolada, de fato, mas, colocando a música apenas como um pano de fundo, ainda assim como drama pode-se dizer que o anime é bacana. Abraços.

  14. Gostei da analíse, mas acho q vc faltou falar da animação que está decaindo a vários episódios, os personagens em alguma cenas estão todos deformados, outras bem feitos, mas na maioria tortos.

    Os amigos abaixo estão certos que o objetivo do anime não é musica, mas sendo drama não fecha essa coca cola toda tbm, há certos episódios que dão sono, há certos momentos que usam a kaori como alivio cômico que falha na maiorias das vezes.

    Não recomendo nem pra quem gosta de música e nem pra gosta de dramas. White Album com o mesmo pano de fundo faz melhor que este anime em se tratando de drama.

  15. Gostei da analíse, mas acho q vc faltou falar da animação que está decaindo a vários episódios, os personagens em alguma cenas estão todos deformados, outras bem feitos, mas na maioria tortos.

    Os amigos abaixo estão certos que o objetivo do anime não é musica, mas sendo drama não é essa coca cola toda tbm, há certos episódios que dão sono, há certos momentos que usam a kaori como alivio cômico que falha na maiorias das vezes. Não gostei na hora q usaram o gato pra confrontar na hora da música, e a mãe é usada constantemente e quando aparece a execução é lerda, parecendo que o objetivo é atrasar pra caber nos 2 cour do anime.

    Não recomendo nem pra quem gosta de música e nem pra gosta de dramas. White Album com o mesmo pano de fundo faz melhor que este anime em se tratando de drama com menos episodios.

    1. Concordo plenamente com o ultimo paragrafo. E olhe que o foco em WA2 é exclusivamente o romance. Não tem nenhuma grande tragédia por trás dos personagens como em Shigatsu.

  16. oOO pensei que era so eu que tinha essa sensação que augo não tava certo nesse anime mais agora tenho certeza por isso que eu pare na metade do anime e nao tenho vontade de volta “Nodame e massa mesmo quem não vil não sabe oque estar perdendo “

  17. Realmente kimi no Uso não é um anime sobre musica clássica , mas isso não tira o mérito apesar de eu achar ele bem mediano com algumas boas cenas , mas seu drama e arrastado é um pouco chato .

    Bom post ate a proxima … o/

  18. Gosto tanto de Shigatsu Wa Kimi no Uso quanto de Nodame Cantabile e, pra acrescentar conhecimento sobre musica, certamente Nodame é o anime mais indicado. Mas, como todo mundo já disse nos comentários abaixo, os focos do anime são diversos. Shigatsu mostra as relações entre as pessoas ligadas pela música, Nodame mostra a ligação/relação dos personagens com a música.
    Sobre Kaori e seu estilo livre: não é a própria Nodame quem questiona, nos episódios finais da 1ª temporada de Nodame Cantabile: “O que há de tão ruim em tocar livremente?”

  19. Só tenho duas coisas que eu não curto muito em Shigatsu:

    1- O drama do Arima com a mãe dele que se arrastou demais. (Ainda bem que agora finalmente ele parece ter ‘superado’.)

    2- Esse aqui nem é um problema exclusivo de Shigatsu, mas no Japão se tem o maldito cacoete de sempre caracterizar personagens adolescentes de 13/14/15 anos se mostrando pessoas bem maduras pra aquela idade. A cada 3 frases ditas pelo Arima, ele filosofa em 2.

    ps: Não to dizendo que maturidade é diretamente proporcional a idade, mas isso é tão constante nos animes que acaba se tornando algo forçado e inverossímil demais.

  20. Concordo plenamente com tudo que foi dito no post. Esse draminha chato e lento estava tão massante que já dropei o anime… Ficar mais de 10 epis sem nenhum desenvolvimento nessa história chata do protagista eh foda… Pelo visto não é problema só do anime, o mangá eh o mesmo lenga lenga chato e sem sentido. Além de tudo quase tenho um infarto sempre que vejo alguém alogiando a animação disso… Um anime com 99% de cenas estáticas não deveria ser elogiado por uma bela animação… A arte pode até ser bonita, mas animação? Onde?

    Enfim, larguei de mão pq tenho coisas mais divertidas e interessantes para assistir

    1. Poxa portuga, sou seu companheiro no fórum do CR e aprecio suas críticas, pois são relevantes e realmente dá para entendê-las, mas infelizmente concordar com essa crítica do autor do post foi sem sentido para mim, visto que ele não critica o anime e nem a proposta dele, ele o critica por algo que o anime NÃO SE PROPÕE A SER.

      1. Minha crítica sobre Shigatsu é mais pautada na raiva do anime ser tão enrolado e ficar batendo na mesma tecla por 10 epis do que qualquer outra coisa. Mas se a loirinha não morrer no final vou pegar o restante para assistir.

  21. Olá, Donizette!

    Não posso falar de Shigatsu wa Kimi no Uso porque assisti muito pouco, mas você já assistiu algo de La Corda D’Oro? Em particular, a terceira temporada? Pra mim que não conheço nada de música, às vezes as competições de La Corda parecem muito bem embasadas, mas talvez seja só “blablabla pra enganar os bobos”. Queria saber de uma ‘opinião especializada’. :)
    Obrigada, e obrigada pelo post!
    – Chell @ Not Loli!.

    1. Chell infelizmente ainda não tive tempo de assistir La Corda D’Oro, mais assim que assistir falarei com certeza por aqui mesmo no Gyabbo!. Muito Obrigado pelo Comentário.

  22. Concordo com quase tudo que vc falou, mais o que mais me irritou no anime em questão de musica, foi o protagonista tocando piano na apresentação e um FUCKING violino de fundo. Mas nem isso as pessoas que gostam do anime percebem, porque o anime não é sobre musica bla bla bla.

        1. Ele tinha acabado de perceber que a razão para ele voltar a toca era ela, e que ela estava sempre junto com ele, e ele estava imaginando a cena com ela, é claro que era pra representar ela tocando com ele. É muito óbvio.
          Você só esta achando desculpas pra criticar o anime em uma coisa que ele não é, exatamente como tudo que li nesse post, puro rage, nada justificativo.

  23. maluco querendo botar defeito num anime bom pra carai, não curto esse genero, mas esse anime me surpreendeu, o anime é muito bonito e emocionante… Hater gonna Hate

  24. cara, depois desse post só digo uma coisa, que site LIXO e tenho pena das pessoas que o utilizam formar alguma opinião sobre algum anime. até pensei em falar sobre o anime mas pelos comentários não vou precisar, mas ainda não consigo engoli esse “draminha” e sobre não a ver esse clima de competição “rival”.
    Realmente não vejo motivo em mostra o como vc esta errado sobre isso, pq o anime ja mostra. Vc não deve entender nada de musica e nunca ter entrado em nem uma competição. por estar falando essas bobagens.Ao meu ver oq mais define a musica é essa “rivalidade” como mostra no anime.

  25. para mim esse vai ser o melhor anime do ano, é difícil achar uma drama tao boa e triste ainda mais com uma temática musical.
    pela primeira vez um anime me fez compra o manga e blu-ray no japao

    1. Pagar pra ver um anime devia ser ilegal, porque você não precisa pagar pra ver o Silvio Santos na TV do mesmo jeito que os japoneses não pagam pra ver a programação deles, lol.

  26. Olá pessoas vejo que o ultimo episodio explica o porque de a personagem kaori tocar de forma displicente…sem spoiler, se quiser saber procurem por si mesmos ^^

  27. Cara se vc assistir até o ultimo epis vai entender pq ela toca e age da forma como acontece… e o foco nao eh realmente a musica e sim os sentimentos q a musica do protagonista desperta nas pessoas ao seu redor. Esse anime na minha opiniao eh uma obra de arte

    1. Eu estudei música por quase dez anos, mas quando estava chegando um momento crucial para definir minha carreira como musicista, eu também tive um colapso pela pressão. Esse anime me fez chorar horrores! E ao mesmo tempo me deu muita vontade de voltar a tocar, pois parei há anos.

  28. Caraca, VALEU MUITO A PENA ter lido os comentários!!!!!! Já estou no último episódio e, tirando as pequenas cenas exageradas de sangue, AMEI O ANIME!
    Recomendo a todos. ^^

  29. Ta revoltadinho porque acha que entende tudo de musica classica, aí fica indignado quando o autor da obra coloca musicas que ele não considera primordiais no mundo classico kkkkkkkkkk deve conhecer nem fur elise. Já que se acha tão fodão em musica classica. porque não citou ai no seu texto sem fundamento as mais importantes kkkkkkkkk, e outra… Assista o anime, antes de fazer uma análise. Abraços

    1. Primeiro: Eu já assisti o anime inteiro.

      Segundo: Este post se refere aos primeiros 11 Episódios e antes de escreve-lo já havia assistido eles.

      Terceiro: Sim, eu não sei tudo sobre música erudita por isso que estudo, no entanto tenho conhecimento suficiente para dialogar sobre. “Obras Primordiais”?! no repertorio para piano teremos vários autores fundamentais, Chopin com sua serie de estudos, Ravel, Rachimaninoff, Mozart, Osvaldo lacerda (Brasileiro), Bach (embora suas obras não tenham sido escritas originalmente para piano as transcrições das mesmas são de suma importância) esses são só alguns dos muitos compositores que compõem o repertorio para piano, não citei no texto porque achei desnecessário. Abraços

  30. Você só esta criticando Shigatsu wa Kimi no Uso por achar que o anime um simples ´´draminha“ sem historia, Kousei tinha problemas com a mãe dele, a mãe do Kousei queria que ele tocasse a musica 100% correta, dá para perceber que o juri também e assim, diferente da Kaori que não queria fazer tudo da forma correta, ela queria mostrar o mundo do alem da musica. Sua teoria de ´´draminha´´ nao tem nada a ver

  31. Shigatsu não é um anime sobre música… Porém tem música no seu enredo, obviamente o enfoque da história é sobre os dramas dos personagens… Acho que você`n entendeu a proposta do anime. Eu realmente gostei de Shigatsu, as música que tocam são bem interessantes e cativam bastante. Só quero dar enfase a algo que foi dito “Não sei o que deu na cabeça de trazer o clima de disputa shonen para os concursos, não é um torneio de artes maciais. Esse clima de rival que foi criado foi ridículo” — Discordo totalmente, porque em TODAS as áreas onde há competição HÁ rivalidade, obviamente TODOS querem vencer, já que se esforçaram tanto para tal.

  32. Complicada essa análise.
    Em momento algum o foco foi a música clássica, é verdade.
    Mas ela abrilhantou o anime que na minha opinião foi um dos melhores nos últimos tempos.
    E isso pra mim não fez diferença alguma. Particularmente se quero ouvir música eu ligo meu player de música e pronto.
    Prefiro os animes assim, onde a música participa na emoção e fazem com que a gente torça, chore, comemore junto com o personagem.
    Anime perfeito demais!
    Assista novamente sem focar na música e você vai aproveitar melhor a experiência.

  33. Esse foi o melhor anime de drama que assisti até agora. Vi esse post e fiquei horrorizada, até parece que o autor mal se deu o trabalho de assistir até o final. E como uma mocinha disse nos comentários, você não tem a mínima sensibilidade para música, não prestou atenção nas citações dos nomes das músicas no anime, de seus autores, muito menos no que ele quis passar.
    Está passando vergonha com esse post, apenas.

  34. ”Mas é inquestionável a importância de se tocar da forma como está escrito na partitura” Me lembro o kazama-sensei no ep 2 kkkk … Bem vamos la … Achei totalmente Horrível essa analise Na boa intenção claro…. Não vou dizer muito aqui Pois muitos já falaram bem dizer tudo no comentários abaixo rs…Realmente o anime n seguiu 100% da musica clássica, Mais descarto muita coisa que o anime quis mostrar, devemos lembrar que o Gênero do anime nunca foi > Gênero: musica… Fim ! não … tem mais coisas sim .. O anime seguiu totalmente certo com todos seus Gênero que ele tem … gostei bastante do caso Da Kaori n ter seguido a partitura, Ela n toco de qual quer jeito ate porque antes dela tocar ” Sera que vão compreender ? a minha música”… Realmente o autor da Musica pensa o mesmo ao fazer a musica e mostrar seus ideias … Gostei bastante como ela desafio essa logica sem medo, Tenho total respeito pelo post cada um tem suas Opiniões Mais para min Quem realmente gosta de musica e normal isso … o gênero era musica Então e normal uma pessoa q gosta tanto de musica ficar inquieta assim eu tbm fiquei um pouquinho rsrs, Mais infelizmente n falaram se o anime seria Mais para > Musica ou para drama então achei q fecho os olhos para varias coisas q o anime tento mostrar e só cuido no caso da Música :/

  35. Estudo música, estudo piano e nem sou muito chegado a animes, mas fiquei impressionado como conseguiram mostrar o sentido de ser músico em 22 episódios. Pra quem não sabe, a maior parte dos grandes compositores tiveram vidas muito difíceis e turbulentas e as citações que são feitas demonstra que os produtores se deram ao trabalho de pesquisar e acrescentar isso na história.
    O anime me emocionou e fez com que eu fizesse uma pesquisa sobre certos assuntos que foram abordados.
    Achei a análise extremamente superficial, de alguém que demonstra não conhecer o que é a música erudita e nem as tristezas e alegrias que existem na vida e que o anime aborda de forma primorosa.

  36. Essa foi a análise mais superficial que li na vida… Como amante da música clássica, pianista e também amante de animes e mangas, eu ia contrapor seus pontos, mas não vale a pena fazer uma análise da sua análise, então, deixa pra lá… Só vou fazer um pequeno comentário: em todas as minhas audições musicais em que me apresento sozinha na frente de um público, sinto-me exatamente como os pianistas de Shigatsu. Para mim, não há abordagem mais acurada do q a do anime. Minhas experiências… E a sensação dos aplausos… A sensação da música alcançando as pessoas depois de você ter dado o seu melhor… Shigatsu trabalha isso de forma absolutamente precisa.

  37. Acredito que o anime é focado em perspectiva, e circunstancias triviais que limitam o ser humano. A interpretação conforme a partitura foi observada no proprio anime, mas devemos analisar que o grande publico não esta interessado em por menores “técnicos” na interpretação da musica, e isso, em qualquer espécie musical. Segundo ponto, a batalha no concurso de musica, foi interpretado no estilo “anime” que é o genero da obra, compreendo eu, que o autor cumpriu a proposta sem trair o gênero. No que tange a vida real, pouquíssimas pessoas tem noção de como são os bastidores dessas apresentações. Terceiro ponto, não há um draminha, mas um drama bem elaborado mostrando a rigidez e exigência dos ensaios pra chegar em um alto nivel, tratando-se de musicistas do gênero opera e etc, uma mãe que por causa de um sonho seu, e um estado de saúde terminal, rouba parte da infância do filho. Frise-se ainda, que muitos filmes hollywoodianos ja fizeram filmes com dramas bem similares, exemplo, “whiplash”. Quinto ponto, existem pontos que fazem esse anime estar muito acima da media, como bons, personagens, bom enredo, excelente animação, excelente construção da história. Um ponto negativo, sim, mas que de forma alguma desmereceu a grandeza desse anime, foi a falta de pelo menos um beijo entre o casal, isso sim, faltou, mas parece um tabu em animes. A proposta do anime era romantica, envolvendo um amor especial inspirador, capaz de salvar das profundezas da angustia e sofrimento e reconectar o protagonista ao seu caminha na musica de corpo e alma, dando-lhe sentido, inspiração. Em resumo os pontos positivos são tao excelentes que ofuscam e muito os pontos negativos que são bem poucos. O ANIME FOI SENSACIONAL, e não desprestigiou a musica clássica mas pincelou esse genêro para um seguimento que a desconhece muitas vezes por inteiro. Sua critica foi muito rasa, “critica por critica”, mas nada como o tempo para nos dar novas “perspectivas”.

Deixe sua opinião