Esse cara sou eu! Comparações com Sukitte Ii na yo.

Esse post conterá spoilers da série até o seu décimo episódio. Da mesma forma, a discussão nos comentários deve se limitar a esse episódio.

Sim, você já ouviu essa música ou pelo menos seu verso mais famoso: “Esse cara sou eu“, música tema da atual novela das oito da Rede Globo, Salve Jorge.

E como hoje em dia o divertido é compartilhar pela milésima vez imagens engraçadas pelo Facebook (ainda que todo mundo já tenha visto) muito provavelmente você também já conheceu a “análise psicológica” dessa música.

Senão, clique AQUI (OBS: Não levem a sério a parte ‘psicológica”, é pra ser uma piada, ok?).

Sukitte Ii na yo - 09 - Large 12Mas afinal, o que isso tem a ver com o blog Gyabbo!, um site voltado para o entretenimento pop japonês, especialmente animes e mangas, e esse post?

Talvez nada, mas talvez tudo.

Apesar da brincadeira rasa feita com a análise da música do cantor Roberto Carlos, gostaria de aproveitar a deixa para comentar sobre algo que andei percebendo recentemente enquanto assistia alguns episódios do anime Sukitte Ii na yo. no aplicativo do Crunchyroll para celular (um dos meus novos vícios e que futuramente irei comentar por aqui a respeito).

Se você não conhece a obra, trata-se de um anime shoujo da temporada de outono de 2012 até o momento mediano (faltam três episódios para eu terminar) onde acompanhamos o redescobrimento das emoções afetivas com outras pessoas da protagonista Mei Tachibana quando essa vira alvo do garoto mais popular da escola, Yamato Kurosawa.

É simples, clichê, mediano, mas um bom entretenimento, principalmente pela escassez de um maior número de animes shoujo por aí.

Sukitte Ii na yo - 07 - Large 19Vale um aviso que esse post contará com spoilers até o décimo episódio, pretendendo-se comentar principalmente os acontecimentos que abarcam os episódios sete à dez. Continuando, já depois da metade da série, quando o casal principal já é efetivamente um casal, com direito a beijos e quase amassos na cama da garota – algo raro no puritanismo  que costuma assolar as obras shoujo que saem da tinta e do papel para o acetato -, dois acontecimentos colocam em prova o amor deles.

Yamato, sendo tão bonito e carismático como é, acaba aceitando trabalhar como modelo por um tempo junto da garota mais popular da escola e também modelo, a rival Magumi Kitagawa. Apesar do ciúme natural que Mei sente ao ver seu namorado em cenas românticas nos ensaios fotográficos, ela prefere não interferir na escolha do rapaz, afinal, é ele quem deve escolher com que trabalhar e não é o namoro de ambos que irá modificar isso.

Sukitte Ii na yo - 07 - Large 35No entanto, Yamato, que além de bonito e carismático também é muito prestativo – quiça um pouco inocente -, aceita o convite de Kitagawa para jantar em sua casa (onde ela mora sozinha) todas as noites após o término da sessão do dia, omitindo essa informação de sua namorada e mentindo sobre o horário que sai realmente do trabalho.

É claro que tudo começa a circular na escola como boato – alguém sempre tem que ver o protagonista da história fazendo algo aparentemente errado para divulgar para todo mundo -, deixando Mei extremamente em dúvida da lealdade do seu amado. No entanto, ela resolve conflita-lo, terminando na cena mais fantástica do anime até o momento quando ela puxa-o pelo colarinho, dando um senhor beijo no meio do corredor da escola em um desespero para mostrar não só os sentimentos fortes que sente, mas para que ele acordasse para a dor que estava infligindo nela.

É claro que “O cara” não percebe, continuando seus atos egoístas, ignorando os sentimentos da garota, levando sua vida da forma mais tranquila possível. Apenas após levar uma “tapa na cara” de uma amiga de Mei é que ele realmente percebe a burrada que está fazendo.

Sukitte Ii na yo - 10 - Large 22Após a resolução desse conflito – onde Yamato desiste de continuar como modelo, algo que ele nem queria fazer realmente desde o começo – um antigo amigo dele volta e por ocasiões que não cabem aqui discutir, ele acaba se apaixonando (ou pelo menos acredita nisso) por Mei.

E foi justamente aqui que algumas coisas começaram a me incomodar a ponto de escrever esse post. Se Yamato é o namorado perfeito para todas as garotas do colégio, ficou perceptível durante o “arco” contado anteriormente que “O cara” não é tão perfeito assim, mais do que isso, simplesmente ama-la do jeito que ela é não é o suficiente para fazer uma relação dar certo. Ser o namorado de Mei, uma garota que até pouco tempo atrás não tinha nenhum amigo, não poderia ser encarado como caridade onde só o simples fato de amá-la resolveria tudo.

More than words to show you feel.

Sukitte Ii na yo - 10 - Large 30É então que o simples boato de que Mei está andando com o amigo de infância de Yamato, Kai, faz com que os papéis se invertam. Ignorando novamente toda a tristeza que a garota vinha sentindo pela solidão que sente por acreditar estar perdendo amizades importantes – e únicas -, Yamato se diferencia de Mei, que procura entender e pesar o que seu amado poderia estar fazendo, ainda que com motivos concretos para se sentir pelo menos triste com ele, e surge de forma agressiva questionando os dois sobre um possível passeio no parque que ele ouviu falar, chegando a tentar esmurrar Kai.

Possessivo, ciumento, insensível, violento e apaixonado. Esse cara é o Yamato?

E mesmo depois de todo esse papel macho-alfa, quem termina pedindo as desculpas finais é a Mei!

Não terminei o anime como falei anteriormente, mas esse tipo de reflexão me faz pensar que tipo de relação se estabelece entre esses dois personagens, mesmo que esteja esperando um “final feliz”. Não é de hoje que sabemos que existe um grande abismo na questão de igualdade de gêneros no mundo, sendo até mais crítico no Japão, é conhecimento comum entre os fãs do país, uma das suas facetas menos admiráveis. São nesses pequenos detalhes – mas eu admito que estou fazendo muito mais um exercício de reflexão do que algo realmente objetivo e concreto aqui – que percebemos que mesmo nas histórias de amor, as raízes culturais estão presentes, ainda que de maneira suavizada.

Vou assistir aos episódios finais para fazer um texto conclusivo desse anime, mas gostaria de saber sua opinião (e cuidado com spoilers além do episódio 10) sobre esse tema.

Afinal, é esse o cara que toda mulher gostaria de ter? Esse O cara?

Esse post conterá spoilers da série até o seu décimo […]