Temporada de Verão 2012 – Comentários entre a temporada

Agora 100% no Portal Genkidama – se você ainda não conhece aproveite para ir lá, curtir a fanpage no Facebook e seguir no Twitter pelo @GenkidamaBR – chega a hora de voltar a postar.

Depois do longuíssimo debate no post ““Primeiras impressões”, o câncer da blogosfera brasileira…” e uma conversa com o Didcart do blog Anikenkai, decidi nesta temporada de Verão atender o pedido de alguns leitores e fazer breves comentários sobre os animes agora que a maioria deles já está na faixa dos seus seis episódios – o que para muitos já é metade do caminho.

Espero que vocês gostem e não deixem de comentar para eu saber da recepção desse tipo de post além de conversarmos sobre como está sendo esta temporada de Verão 2012.

Não tenho certeza, mas acredito que assisti pelo menos o primeiro episódio de 99% dos animes novos dessa temporada, com várias séries chegando a seis episódios para comentar melhor. Irei fazer comentários breves, já que essa é a natureza do post, com base naquilo que eu assisti.

A ordem será a mesma do post de apostas da temporada para facilitar a leitura e possibilitando fazer as comparações com o que eu esperava e aquilo que realmente se mostrou.

Não concorda com os pontos colocados, acha que um anime é melhor ou pior? Espero seu comentário ao final para debatermos!

Resultados das Grande Apostas

Natsuyuki Rendezvous

Número de episódios assistidos: Seis.

Sendo muito sincero com vocês este é o único anime que realmente me empolgou e que irei assistir assim que sair.

Se nos primeiros episódios – especialmente no primeiro – Natsuyuki correspondeu bastante com o que eu esperava, mostrando um drama interessante, maduro e bem dirigido por Kou Matsuo, com o passar dos episódios, especialmente quando a série começa a dar um foco maior para o sem graça do ex-marido de Rokka, o fantasma da história, Natsuyuki tem perdido seu brilho e certamente está muito longe do que Sakamichi no Apollon conseguiu ser no bloco noitaminA.

É uma pena que um enredo interessante se perca em melodramas que não convencem e uma história que tenta nos fazer ter empatia com um personagem que – não tem outra definição melhor – é chato. Se você quiser ver um bom drama com toques de comédia sobre a volta do amor após a perda do amor da vida de uma mulher, recomendo o filme francês que assisti recentemente chamado em português de “Delicadezas do amor”.

Se ao invés de crescer, o meio da série só vem perdendo seu fôlego, espero agora apenas um final mediano para essa que era uma grande promessa.

Sword Art Online 

Número de episódios assistidos: Seis.

Por outro lado, Sword Art Online, ainda que bastante esperado por mim e por muita gente internet a fora, não figurava como um anime para ser lembrado pelo resto do ano, mas sim limitado a essa temporada.

Ledo engano, ainda que seus seis primeiros episódios tenham sido usados em muito para introduzir a mecânica do mundo do jogo online onde os protagonistas se encontram presos, todos os pequenos arcos transbordaram de carisma em um belo trabalho da A-1 Pictures juntamente da Aniplex.

Com um primeiro episódio forte e consistente, a série vem mantendo o nível com leves tons de drama e um uso inteligente das cenas de ação. Programado para 25 episódios, não precisamos ter pressa da obra se encaminhar para a história central ainda. Por enquanto as pequenas jornadas vem mais do que me satisfazendo.

Prometiam Muito

La storia della Arcana Famiglia 

Número de episódios assistidos: Dois. Dropado.

Ah, J.C. Staff, por que você tem que ser tão inconstante na minha vida? Não consigo odiá-la, mas tem cada uma que você me apronta. Depois de ser seduzido por uma possível protagonista feminina forte e uma boa história de máfia, acabei largando esse anime quando no segundo episódio me apresentam um filler que girou todo o tempo em torno de procurar e devolver um gatinho… Que decepção.

Alguém que continuou pode falar aí nos comentários como anda?

Joshiraku

Número de episódios assistidos: Quatro. 

Como eu disse, não é fácil odiar o estúdio J.C. Staff. Enquanto eles me apresentam uma bomba como Arcana Famiglia, me surpreendem com Joshiraku, um anime que poucos estão assistindo (tanto que apenas um fansub americano está fazendo e com dois episódios de atraso já), principalmente pelo alto teor de referências à cultura japonesa em geral.

Detalhei melhor neste post AQUI, mas a obra consegue ser engraçada, simples, kawaii e ao mesmo tempo destilar veneno sobre a sociedade japonesa e a cultura otaku entre uma maluquice e outra.

Nada menos do que poderíamos esperar do criador de Sayonara Zetsubou Sensei, Kouji Kumeta.

Kokoro Connect

Número de episódios assistidos: Seis.

Provavelmente o anime na categoria mais acertada. Kokoro Connect tem um bom character design (do mesmo de K-ON!, Lucky Star, Hyouka), personagens interessantes, uma história que instiga – seja o primeiro arco da troca de corpos, ou o início do segundo com a liberação dos desejos mais primários -, mas que tratado de uma forma mecânica, com conceitos de Psicologia barata, pelo menos a mim não conseguiu realmente fisgar.

Assisto porque gosto razoavelmente, mas não morreria sem.

Tanken Driland

Número de episódios assistidos: Três.

Apesar de ser um anime que serve meramente como um longo comercial de 30 minutos (o negócio passa às 23:30 de sábado sendo uma série sem nenhum tipo de fanservice e com um caráter completamente infantil) de um jogo para celular, acabou sendo para mim uma das grandes surpresas da temporada.

As aventuras – até o momento – da princesa Mikoto, o seu misterioso tutor Wallens e o atrapalhado Pollon enquanto a garotinha tenta virar uma Hunter são – dentro da sua fórmula infantil – muito divertidas de acompanhar e caberiam como uma luva se dubladas e apresentadas a um público infantil brasileiro, conseguindo cativar garotos e garotas.

Infelizmente é outra série que está sendo feita a passos de tartarugas pelas fansubs, já com três episódios esperando.

Podem ser bons, mas não tenho certeza

Oda Nobuna no Yabou 

Número de episódios assistidos: Um. Dropado.

O conjunto Madhouse e Gokumi conseguiu apresentar um trabalho de arte bastante consistente com Oda Nobuna no Yabou e a história de um garoto que vai parar na era feudal japonesa, em pleno período Sengoku, mas com as figuras históricas trocadas por garotinhas até que não parecia tão ruim no começo. Mas sinceramente, não tenho paciência pro moe mais do que forçado da série.

Jinrui wa Suitai Shimashita

Número de episódios assistidos: Seis. 

Fácil, fácil o underdog da temporada, a maior surpresa. É nesse tipo de anime que eu lembro porque gosto da animação japonesa – você uma hora vai esbarrar em uma joia inesperada. Não que Jinrui seja perfeito, mas agora entendo o que o diretor Seiji Kishi (o mesmo de Angel Beats! e Seto no Hanayome) faz aqui.

Com uma arte leve, aquarelada, uma protagonista bonita com cara de bobinha e com o mundo comandado por fadinhas, a esperança era pouca, mas que surpresa quando nos deparamos com um anime extremamente non-sense, mas com o tom certo ao criticar dos grupos de fujoshi ao capitalismo atual.

Apesar do ritmo lento dos episódios, até agora divididos em arcos diminutos de dois episódios cada, Jinrui vale a pena ser assistido com a mente aberta para se surpreender.

Chouyaku Hyakunin Isshu: Uta Koi.

Número de episódios assistidos: Seis.

Depois de um satisfatório primeiro episódio, Chouyaku Hyakuninisshu: Uta Koi. pode não ter agradado muita gente, mas venho assistindo e me agradando com todos os episódios, mesmo com algumas escolhas duvidosas dos capítulos mais recentes de tomar liberdade demais para falar dos poetas do período Heian da história japonesa e da famosa coletânea de 100 poemas.

É aquele anime para se assistir quando se quer passar o tempo e você não quer mais do mesmo, vendo um pouco mais da rica história e cultura japonesa.

Tari Tari

Número de episódios assistidos: Seis. 

Depois do fracasso que foi para mim a última obra do estúdio P.A. Works, Hanasaku Iroha, posso dizer que Tari Tari realmente não estava no meu radar de empolgação para essa temporada e seis episódios depois eu continuo com a mesma opinião.

Com sua belíssima fotografia, uma animação, character design e arte em geral belíssimas e com personagens menos chatos que sua série antecessora, Tari Tari chega a ser decente, mas naquilo que sua primeira metade se propôs acabou por soar mecânico, plástico demais, não conseguindo passar a emoção que o drama familiar de uma das protagonistas apresentou.

E agora nessa segunda parte onde os relacionamentos entre o grupo de amigos parece que será o foco, não tenho grandes esperanças para uma virada de mesa em Tari Tari, apenas um anime decente.

Binbou-gami ga!

Número de episódios assistidos: Seis.

Diretamente da Jump SQ, a comédia frenética cheia de referências a outros shounen da temporada entre uma garota com muita sorte e uma deusa da pobreza conseguiu me fazer acompanhar sem problemas os seis primeiros episódios, salvo uma coisa: até o momento eu não dei uma risada sequer.

Não me entendam mal, eu gosto das personagens, acho a série divertida e vou acompanhando tranquilamente, mas sendo uma comédia não posso falar muito bem da série se ela não consegue me fazer rir. Mas acho que é só comigo, o anime é bom, talvez só seja apenas o meu humor mesmo.

Milagres acontecem

Hagure Yuusha no Estetica

Número de episódios assistidos: Um. Dropado.

Se você me perguntar sobre o que era a história desse anime eu juro que não faço ideia. Só lembro que tinha batalhas e peitos para galera ficar feliz. Drop fácil, fácil.

Koi to Senkyo to Chocolate

Número de episódios assistidos: Um. Dropado.

O mistério no começo no começo do episódio não foi o suficiente para me fazer continuar esse anime sobre um grupo escolar especializado em provar as mais diversas comidas e que pode ser cancelado com a possível chegada do novo conselho escolar.

Bleh. Fui.

Muv-Luv Alternative: Total Eclipse

Número de episódios assistidos: Seis. Dropado.

Depois de dois primeiros episódios – com certos erros – muito interessantes, com uma forte carga de violência física e psicológica, somos levados para entediantes quatro episódios seguintes que quebram completamente com o clima criado anteriormente para acompanharmos o dia-a-dia de uns soldadinhos em treinamento.

Cadê a protagonista louca pela morte das amigas?! Cadê o sangue?! Cadê o perigo?! Se a diferença fundamental entre Infinite Stratos e Muv-Luv: Total Eclipse era justamente o senso de perigo, os produtores fizeram questão de arruinar com isso nesse começo em prol de batalhas sem sentido e sem graça e muito fanservice.

Temos ainda mais 18 episódios para a guerra e a tensão voltaram, mas com quatro episódios desastrosos não dá pra ficar só torcendo.

O último fecha a porta e apaga a luz.

Campione!

Número de episódios assistidos: Quatro. Dropado.

Ah!, a adolescência, são tantos hormônios. Feito na medida para pré/adolescentes, Campione! deve estar fazendo um belo sucesso entre os fansubs nacionais ao juntar belas garotas, fanservice, babinha depois de uns beijos de línguas, batalhas pseudo-épicas e uma forte presença de elementos fálicos. Apesar de ter gostado do primeiro episódio, achei os outros três bem genéricos e estou me despedindo.

Boa sorte para quem fica.

Ebiten: Kouritsu Ebisugawa Koukou Tenmon-Bu 

Número de episódios assistidos: Nenhum (esqueci de ir atrás desse anime).

Sobre continuações e similares

Rinne no Lagrange 2, Hakuouki Reimeiroku, Yurumates 3D S2, Dog Days’, Yuru Yuri ♪♪, Moyashimon Returns, Kyoukai Senjou no Horizon II.

Número de episódios assistidos: Nenhum. Sendo continuações de animes que não vi as outras temporadas, não faria sentido.

Er… não (animes que preferi ignorar)!

Chitose Get You!!

Número de episódios assistidos: Seis. 

Sim, por incrível que pareça e contradizendo o nome dessa categoria eu resolvi dar uma chance a esse anime e acabei não me arrependendo. Com episódios de três minutos e sem cair pro fanservice lolicon, acaba sendo uma comédia rasa, mas divertidinha. É como um primo pobre de Hanamaru Youchien.

No completo tédio eu até recomendo. São apenas três minutos.

Dakara Boku wa, H ga Dekinai 

Número de episódios assistidos: Um. Dropado.

Fui dar uma olhada em qual era desse anime onde o protagonista fala tudo de pervertido que vem na sua cabeça e retira seu poder justamente por ficar excitado e me deparei simplesmente com uma das melhores animações de toda temporada. Fiquei impressionado. Pra quem gosta do estilo strip-fight, é uma ótima pedida. Como não é o meu gosto, larguei.

Kono Naka ni Hitori, Imouto ga Iru! 

Número de episódios assistidos: Nenhum. Esse eu nem tentei.


E com isso chegamos ao final da avaliação de meio de temporada desse Verão 2012. Como anunciado antes e no início da temporada, ela é realmente fraca. Dos animes novos o único que realmente me empolga para assistir assim que sai é Sword Art Online. É claro que Natsuyuki é bom, Jinrui é bom, Joshiraku também, assim como Kokoro Connect e Tanken Driland, mas nada muito espetacular, apenas bom.

O que vocês estão achando dessa temporada agora que ela já passa em muitos casos da sua metade? Deixem sua opinião nos comentários!

E como bônus minha abertura e meu encerramento favorito dessa temporada:

  • Melhor abertura: Binbougami ga! – Pico – Make my day

Menções honrosas para as aberturas de Utakoi e Jinrui.

  • Melhor encerramento: Joshiraku – Momoiro Clover Z – Nippon Egao Hyakkei?


Menções honrosas para o encerramento de Utakoi

Agora 100% no Portal Genkidama – se você ainda não […]