Dragon Ball – Editora Panini – Vol. 1

Apesar de não ter toda a reverberação que One Piece teve, Dragon Ball estava sendo ansiosamente aguardado e finalmente chega às bancas brasileiras em casa nova pela editora Panini! Oficialmente o manga foi lançado no dia 28/05, mas dias antes os assinantes já estavam recebendo em suas casas, sendo eu um desses, mas infelizmente só tive tempo de preparar o post hoje.

Fazendo uma retomada histórica rápida, Dragon Ball foi o primeiro manga a ser lançado no Brasil no formato que conhecemos hoje (apesar de ainda ser em meio-tankohon) há quase 12 anos no final de 2000. Também é até hoje o maior sucesso de vendas, chegando a ultrapassar as vendas de mais de 100.000 volumes na edição #1 de Dragon Ball Z. Além do formato de meio-tanko lançado pela editora Conrad, também tivemos a versão kanzenban (“edição definitiva”) que vinha com muito luxo (apesar de vários erros e inconsistências), mas acabou sendo interrompida junto aos problemas que a Conrad sofreu na década passada.

A história – para quem nasceu… sei lá, tem alguém que não conhece a história de Dragon Ball? – é basicamente sobre as aventuras de Goku, um garoto inocente que vive sozinho longe da civilização, e Bulma, uma adolescente que descobre sobre as lendárias esferas do dragão, que, quando reunidas podem invocar o poderoso Shen Long e realizar qualquer desejo.

Lançado de 1984 à 1995 nas páginas da Shounen Jump semanal pelo mestre Akira Toriyama, esse plot básica iria passar por diversas transformações, indo do gag manga ao battle shounen durante seus 42 volumes. Apesar de já ter sido ultrapassado em vendagens por One Piece, é até hoje uma das obras mais influentes dos quadrinhos japoneses e um dos carros-chefes da invasação do entretenimento nipônico no resto do mundo.

Não tendo muito o que falar da história e da sua qualidade – é a minha obra favorita e o motivo por eu estar aqui hoje escrevendo textos sobre animes e mangas -, vamos direto para a análise desse relançamento pela Panini.

Primeiro é importante ressaltar uma coisa: Não serei hipócrita. Quando do anúncio do relançamento de Cavaleiros do Zodíaco em formato tankohon pela editora JBC eu critiquei fortemente por eles não lançarem uma versão de maior qualidade. Aqui não posso ter um discurso diferente. Acredito sim que Dragon Ball, já tendo sido lançado, e até mesmo lançado em parte no formato Kanzenban, deveria vir em uma qualidade maior que um simples tankohon.

Mas não adianta reclamar do leite derramado, tanto por Cavaleiros quanto por Dragon Ball, estão aí e nos resta analisar o que temos. Sendo assim, o que esperar dessa versão em tankohon da Panini? Dentro do quadro de qualidade que o manga médio brasileiro pode ter pelo preço cobrado, podemos dizer que Dragon Ball está 90% perfeito.

Temos as orelhas originais incluídas nas contra-capas coloridas, a nova tradução e adaptação está muito boas, fluindo muito bem com o texto. Existe sim a questão dos termos originais com páginas de glossário que algumas pessoas questionam. Pessoalmente eu gosto e no caso especial de Dragon Ball, por ser um relançamento, acho melhor ainda pois sabemos de mais detalhes de algo que já saiu. Faz parte de um relançamento dar ao leitor detalhes que antes não havia. Além disso, no glossário há explicações de certas escolhas editoriais, algo bom de ser ver para entender melhor o processo de produção dessa nova versão.

Não há censura (como podemos ver na imagem acima), as folhas apresentam transparência mínina, normal ao que tínhamos antes dos caso de Kobato e Sora no Otoshimono, e não encontrei nenhum erro de digitação/revisão. De extra temos os correios originais com o próprio Toriyama.

Entre os problemas, posso citar apenas dois: (1) a diagramação continua apresentando o problema que vimos em One Piece de ter as páginas longe demais do miolo, cortando um pouco a arte, ainda que em uma escala bem menor do que visto anteriormente. (2) As páginas coloridas que não existem nos tankohons originais, apenas na publicação da própria Jump, ficam bem marcadas no papel usado e acaba sendo um feio. Nessas horas é inevitável lembrar do belíssimo Kanzenban – e espero que o resultado seja tão bom neste relançamento que também relancem a edição definitiva.

Se você já possui a coleção completa da versão Conrad, não há problema algum em comprar a versão da Panini, você não irá se arrepender, mas também não seria algo imprescindível. Mas se você não pegou esse momento, Dragon Ball está com uma ótima qualidade – estou apaixonado pela capa – e certamente vale o preço pago, é a chance de acompanhar uma das principais histórias em quadrinhos já feitas.

Apesar de não ter toda a reverberação que One Piece […]