Informações sobre os mangas da Panini em 2012

Nesta tarde de terça-feira (25/01) estive em contato por telefone com Catharine Campos Paulossi, responsável pela área de marketing e produtos da área de mangás da editora Panini. Conversamos por mais ou menos quarenta minutos, onde, além de criar um canal direto com a editora para o blog (e possivelmente para outros blogs também, já que não pedi exclusiva para o Gyabbo!, entendendo que as informações devem ser livres), pude obter algumas informações interessantes que repasso para vocês agora:

A primeira coisa, e acho que é o que as pessoas mais estão querendo saber é sobre One Piece, então vamos lá. O lançamento das edições #1 e #36 (cujas capas você pode ver aqui), programadas inicialmente para Janeiro, oficialmente passam para Fevereiro, contando com um forte esquema de marketing em cima do título, incluíndo comerciais para televisão, parceriais com blogs, propagandas pelo Google, Twitter, Facebook e mais!

Além disso, é importante a garantia dada de que o contrato pelo manga se extende quase que por seu lançamento inteiro, independente do número de edições que ainda venham a ser publicadas, diferente dos contratos costumeiros em lotes, o que deve evitar atrasos para renegociações do manga. As assinaturas de One Piece deve sim acontecer, mas possivelmente apenas a partir do segundo volume em diante, visto que ainda está em estudo.

Sobre os outros títulos anunciados, vamos à programação inicial dos mesmos (podendo haver alterações):

Março: Dragon Ball (Versão Tankohon similar à One Piece e Naruto desde o início).
Abril: Monster (Desde o começo e não será a mesma capa usada pela Conrad) e Ouran (edição final).
Maio: Retorno  de Highschool of the Dead com o volume #07.
Julho: 20th Century Boys e Black Butler.
Agosto: Mad Love Chase.

Catharine afirmou ainda que nenhuma série será mais cancelada pela editora, ainda que demore para retornar e que venda mal como foi o caso de Otomen e Kekkaishi, sendo este último o pior título em vendagens de toda história da editora com a parte de manga. No entanto, para felicidade geral (ou não, já que pelo visto poucos compram), o manga volta a ser bimestral a partir de Maio.

Sobre os shoujos, uma informação triste para os fãs. A editora confirmou que encerrará primeiro as séries começadas contando com apenas um ou dois lançamentos neste ano de 2012. Apenas em 2013 tem-se como objetivo trazer novos títulos shoujo para o Brasil, afim de atender todos os públicos de mangas, independente da rentabilidade do tipo produto em questão. É importante destacar, porém, que Kimi ni Todoke e Maid-sama foram títulos que vem agradando muito o público e a editora, com Kimi ni voltando em Janeiro, tendo sua edição #6 adiantada.

Existe interesse em novos lançamentos em formato luxuoso no futuro, ainda que Lodoss War – A dama de Pharis tenha vendido poucas cópias (não posso revelar os números, mas foram realmente poucas).

Como já havia sido anunciado anteriormente, os mangas da editora sofrerão um reajusto para R$10.90 por causa do aumento do preço do papel/tinta/licenciantes/etc. Alguns títulos como Vampire Knight e As Estrelas Cantam ficam por R$10.50.

Por último, Catharine afirmou que não houve mudança no papel da editora e que o caso de Sora no Otoshimono foi uma exceção por parte da gráfica e que o erro não deve se repetir em 2012.

Alguns comentários meus em cima das informações: Primeiro é bom saber que One Piece está sendo tratado como merece, principalmente na questão do contrato, assim ficamos mais seguros em comprar sabendo que não teremos paralisações em um título já imenso.

É uma pena que Dragon Ball volte apenas como Tankohon, já que tivemos mais da metade da sua versão Kanzenban lançada por aqui anteriormente. Fica a mesma crítica que fiz à JBC no caso de Cavaleiros do Zodíaco: Por que não procurar a melhor versão do produto disponível ao invés de lançar algo simplesmente em formato tanko só porque anteriormente ele veio em meio-tanko?

Monster retorna do seu início (e eu digo, comprem esse fantástico manga!), o que já era esperado, mas o interessante é o fato de que boa parte dele irá correr junto de 20th Century Boys, caindo por terra uma antiga lenda que rondava o fandom de que só era possível lançar 20thCB após o lançamento completo de Monster.

Temos um ano negro para o shoujo, confirma-se (pelo menos por parte da Panini) que é um mercado notoriamente menos rentável, sem que haja renovação (algo fundamental justamente para se criar um público e aumentar as vendas) dos títulos shoujo finalizados. É esperar por 2013. Mas se você é fã de shoujo, envie seu email para a editora cobrando, porém, mais importante que isso, compre os títulos shoujo disponíveis na banca.

Apesar de eu já esperar que A dama de Pharis tivesse vendido pouco, é lastimável como as pessoas perderam um dos melhores lançamentos de mangas que o nosso mercado já teve. Também é complicado entender como um título tão bom quanto Kekkaishi tenha ido tão mal.

Bem, são essas as informações e os comentários. Se vocês tem mais dúvidas, podem colocar nos comentários que estou em contato direto com a Catharine e, na medida do possível, vou buscar sanar as dúvidas dos leitores. Gostaria de agradecer pela solicitude dela em receber minha ligação e tirar as dúvidas que eu tinha na hora, é sempre bom ver uma editora se movimentando para ouvir melhor o seu público.

Nesta tarde de terça-feira (25/01) estive em contato por telefone […]