Koi Suru Boukun

Atenção: Este post contém imagens de cunho sexual que podem não ser recomendadas para menores de 18 anos. Não me responsabilizo pelo acesso ao post tendo avisado isto.

Muito se fala da progressiva forma como a indústria de anime vem se voltando cada vez mais agressivamente para um nicho de fãs que apesar de fiéis, prima muito mais por personagens idealizados ao invés de histórias bem desenvolvidas. Os chamados, aqui no ocidente, como “Otaku hardcore” são quase um sinônimo de câncer para muitos, levando boa parte do financiamento para as produções moe.

Mas outro nicho de fãs tão fiéis quanto homens adultos atrás de garotinhas são as fujoshi; mulheres fãs de anime e manga onde procuram por histórias que contenham um envolvimento homossexual entre os personagens – Boys Love -, ou pelo menos que possa gerar materiais não oficiais com tais relações (vide o grande sucesso de Tiger & Bunny com esse público).

É perceptível, porém, que por mais que os homens ainda dominem fartamente as atenções dos produtores da área, existe um crescimento cada vez maior para esse público tão negligenciado durante os anos 2000. Pessoalmente nunca tive curiosidade de ver um anime BL ou Yaoi, como é mais comumente conhecido, mas ao procurar algo para comentar hoje no Gyabbo! encontrei um OVA curto que poderia me dar a chance de conhecer mais esse lado do fandom de animes e mangas.

Koi Suru Boukun – traduzido no ocidente para algo como “O tirano se apaixona” – é um anime feito direto para vídeo, como é a maioria dos materiais BL – ainda que séries como Sekai-ichi Hatsukoi e Junjo Romantica tenham feito sucesso, mesmo entre o público fora do seu nicho -, animado pelo estúdio PrimeTime (pouquíssimas produções, todas também BL) em 2010.

Na história temos o relacionamento complicado entre um estudante universitário, Tetsuhiro Morinaga, e seu senpai Souichi Tatsumi, um mestrando. Apesar da boa amizade entre os dois que convivem muito no mesmo laboratório, existe uma tensão permanente, pois Morinaga confessou sua paixão por Tatsumi que a rechaçou completamente, deixando claro sua aversão à homossexuais. Sim, um dos protagonistas deste BL é homofóbico.

Sendo algo curto, não há muito tempo para se desenvolver e Boukun precisa entregar às fãs aquilo que elas primeiro procuram – a relação sexual em si entre dois personagens masculinos. Morinaga, após desabafar suas mágoas com um amigo acerca da dificuldade que tem com seus sentimentos e a tristeza por achar que seu senpai nunca irá mudar, recebe uma bebida altamente afrodisíaca, recusando a ideia de usá-la em um primeiro momento. É óbvio que uma coincidência qualquer faria Tatsumi beber o líquido, o que lhe deixa não somente completamente excitado, mas também com o corpo fragilizado, não conseguindo se mover direito.

Koi suru Boukun, até esse momento, crescia como uma bom OVA. Conseguia com certa habilidade equilibrar um romance complicado com um enredo bem embasado – sim, achei interessante termos um protagonista apaixonado por alguém que em teoria não teria como confirmar seus sentimentos, principalmente se tratanto de alguém homofóbico – com um homor que não se destaca, mas agrada o espectador. Mas não há como não se sentir incomodado ao ver uma cena de sexo onde alguém é drogado, mesmo que por acaso, e a pessoa que ama utiliza-se desse momento para transar com o mesmo, ainda que este repita inúmeras vezes que não quer que isso aconteça.

“Ele diz que não quer, mas quer!”, alguém poderia dizer. Não, me desculpem, mas esse é o pior argumento do mundo e infelizmente serve pra embasar o pensamento de muitas pessoas que acreditam que um “não” de uma mulher é apenas charminho, permitindo o que na verdade em momento algum deixo de ser um estupro.

Se retirássemos essa infeliz forma com que o autor usou – e sim, eu sei que isso é um tema comum em BL, mas isso não o deixa menos nocivo – para dirigir seu personagem não assumido para o ato em sexual em si, teríamos aqui um bom OVA de romance. Mas por mais que o resto funciona bem, é difícil relevar algo assim. Da mesma forma que eu condeno moralmente animes lolicon, não poderia ser diferente com um anime onde alguém estupra outra pessoa debilitada por uso de substâncias.

Mamilos são polêmicos!

Para o meu primeiro BL, Koi Suru Boukun me deixou uma grande má impressão, mas confirmou uma certeza minha: Não importa as pessoas que estão se relacionando em uma história; homens com mulheres, homens com homens, mulheres com mulheres; mas sim a forma como esse relacionamento se desenvolve. Ao banalizar algo tão grave, não poderia considerar Boukun um bom anime.

É fã ou quer conhecer melhor o BL? Recomendo o blog parceiro Blyme-Yaoi. Afinal, por mais que este BL que assisti tenha essa tema tão complicado e que eu condeno, não quer dizer que todos são assim, não vamos generalizar.

Atenção: Este post contém imagens de cunho sexual que podem […]