Temporada de Verão 2011

Se tudo der certo na próxima quinta-feira começam as minhas férias da faculdade. Mês de Julho, aquele Verão vai começando; sol, praia… opa, não tem praia em Manaus? O sol é de lascar? Bem, então tem temporada nova de animes! Sim, porque está prestes a começar a aguardada temporada de Verão 2011.

Como de costume aqui no Blog Gyabbo! você confere as principais apostas, cinco no total, aqueles animes que devem ser comentados pelos próximos três meses por todos os fãs.

Blood-C (07/07)

 Vou ser sincero: Não sou fã de vampiros. Apesar de enteder a sedução intrínseca, esse tipo de ser nunca me cativou. Por isso mesmo algo relacionado aos imortais tem que ser muito bom para que eu realmente goste. Isso aconteceu com o recente anime Shiki e estou acreditando que se repetirá com Blood-C.

Diferente do Leo Kusanagi do Blog Mithril, quando ouço que a CLAMP está envolvida na produção de um anime, fico logo animado. Mesmo que a última versão animada de algum material do grupo tenha sido uma grande decepção, no caso Kobato, isso não tira de mim a empolgação. Olhem para a promo acima, não está incrível? O grupo não só assina o character design dos personagens como também está acessorando na escrita dos roteiros juntamente de Jun’ichi Fujisaku, diretor da série Blood+. Além do famoso grupo de mangaka, podemos destacar ainda que se trata de um anime da Production I.G, estúdio que anda com ótimas produções e que vem forte para essa temporada de verão. Também se trata de uma produção da Aniplex, outro sinônimo de qualidade, o que é certeza de uma trilha-sonora caprichada, o que podemos ver pela participação da seiyuu/cantora Mizuki Nana.

Apesar de não ter tido acesso ainda a uma sinopse, aposto em Blood-C sem medo. Se este título conseguirá ultrapassar a minha falta de empolgação com vampiros só os episódios dirão, mas com o time que possui, não duvido!

Usagi Drop (07/07)

Baseado em um josei recentemente encerrado com oito volumes da autora Yumi Unita, Usagi Drop vem para ocupar o espaço deixado pelo ótimo drama AnoHana e tende a manter o patamar elevado. A história conta a vida de Daikichi Kawachi, um homem de trinta anos que ao ir para o enterro do seu avô, descobre que o mesmo possuia uma filha fora do casamento, a pequena Rin Kaga, de apenas seis anos. Por não ser filha legítima da família, Rin acaba sendo excluída, o que faz Daikichi se revoltar e resolver cuidar da garota sozinho.

O anime também será produzido pelo estúdio Production I.G (lembram quando eu disse que eles vinham forte esse ano?), com uma animação que lembra bastante a de Kimi ni Todoke, mas sem todas as “doçuras” características. Na direção está Kanta Kamei, praticamente um iniciante no cargo, apesar de uma grande experiência como animador-chave, na direção ele só possui no currículo Tales of Vesperia: The First Strike, o que não diz praticamente nada. Chega a ser estranho colocarem alguém tão inexperiente para um anime de tanta importância, espero que isso signifique a confiança que o estúdio possui em Kanta.

Além dessa série animada com 11 episódios, o manga de Unita também está sendo adaptado em uma versão live-action com astro japonês Kenichi Matsuyama (Death Note, Kaiji) no papel principal. Percebe a confiança que têm nesse tíulo?

Ikoku Meiro no Croisée

Na segunda metade do século XIX o cultura japonesa passava um franco processo de expansão para o ocidente. Dentro deste contexto histórico-cultural Yune, uma jovem japonesa, viaja ao lado Oscar que está retornando para o seu país de nascença, a França. Lá a garota conhece o sobrinho de Oscar, o jovem Claude, dono de uma loja de artigos de arte e trabalhos com ferro. Esse encontro marcará a união do oriente com o ocidente em uma Europa de época marcada por esse grande intercâmbio cultural. Aparentemente tão diferentes, Yune e Claude irão perceber que são bem mais parecidos do que poderiam imaginar.

O anime se trata de uma adaptação de uma série de light novels de mesmo nome, escritas e ilustradas por Hinata Takeda, o mesmo ilustrador da série GOSICK. O estúdio é o Satelight (Basquash!, Hellsing Ultimate), que se não é exatamente um estúdio de onde pode se esperar grande coisas, já mostrou que pode fazer bons trabalhos. O diretor é Kenji Yasuda, sem grandes títulos no currículo, mas ele será acessorado por Junichi Satou, conhecido por seu trabalho em mahou shoujo como Sailor Moon, Ojamajo Doremi, além de ser criador e diretor de Mahou Tsukai Tai! e Princess Tutu.

Mais do que pelos seus quesitos técnicos, Ikoku empolga por sua premissa inteligente e sensível.

Kami-sama no Memo-chou (TBA)

Devo admitir que fiquei em dúvida se incluia ou não essa série aqui. Apesar do seu roteiro bem interessante, existe uma forte carga loli que chega a me incomodar. Tudo dependerá em que recairá o foco – se o roteiro se sobressair, pode-se ignorar um lado ruim que venha a surgir.

 A premissa de Kami-sama no Memo-chou é bem interessante: Yuuko Shionji é uma NEET – “Not in Education, Employment, or Training”, “Não estudando, trabalhando ou em treinamento”, simplesmente uma pessoa que não produz ou que não está se preparando para isso. Não necessariamente um Hikikomori, mas muitas vezes as duas coisas se encontram juntas, como é o caso de Yuuko. Apesar disso, utilizando-se do nome “Alice”, ela se usa da internet e dos contatos que consegue por ela para resolver casos como hobby. Interessante, interessante.

O problema está em um dos seus grandes trunfos, o estúdio J.C. Staff. Todos já devem conhecer, se trata de um dos grande estúdios, tendo sido responsável, por exemplo, pela série Nodame Cantabile e pelo recente shounen Bakuman. Mas também é notório que é um estúdio conhecido pelo seu lado loli/moe, logo, o medo que falei inicialmente fica mais forte. É esperar e conferir, pode sair algo muito bom disso ou se perder no meio pela sua vontade de agradar um certo público.

NO. 6 (07/07)

Terminando essa minha série de apostas temos o outro título do conceituado bloco noitaminA, NO.6, que vem substituir [C] como a ficção científica da vez. Se o anime sobre dinheiro, controle e poder não deixará muitas saudades, ainda que tenha sido eficiente, NO.6 chega com essa dificuldade de ter que se provar antes para o público.

A história se passa em 2013 e gira em torno de dois rapazes, Shion e Nezumi, habitantes da cidade conhecida como NO.6. O primeiro é um garoto considerado altamente inteligente e por isso obtém a permissão para morar na luxuosa área conhecida como Cronos, já o segundo é um fugitivo de um reformatório. A inesperada união dos dois não agrada ao órgão de segurança pública, resultando no banimento de Shion para a “Cidade perdida”.

 Um pouco batido, não? Mas um pouco de clichê bem usado pode fazer mágicas.

Novamente temos a união da produtora Aniplex com um estúdio de animação, dessa vez o muito competente Bones, o que aumenta as expectativas para um ótimo trabalho. A direção está a cargo de Kenji Nagasaki, outro estreiante, sem muito o que comentar sobre seu currículo, é torcer para uma boa estréia.

E é isso, essas são as minhas cinco apostas para esse verão japonês. Para ser sincero estou achando essa temporada meio fraca, mas da última vez que falei isso surgiu Madoka Magica, será que teremos outro anime tão marcante?

Quais animes você irá assistir com certeza?

Se tudo der certo na próxima quinta-feira começam as minhas […]