Por que não simpatizo com a maioria dos animes ecchi?

Então pessoal, domingo terminando, com ele o final das minhas férias também está chegando próximo do fim, praticamente uma semana sobrando apenas, esse ano promete ser duro! Mas vou buscar aproveitar esses poucos dias que me restam.

Eu ia escrever sobre o lançamento de Sailor Moon em DVD e o porquê de eu estar achando que estamos prestes a ver um grande #Fail, mas um outro assunto acabou vindo à tona e mudei meus planos.

Hoje eu estava tranquilo no Twitter, sem muito o que fazer depois de mais uma vitória do Flamengo, quando resolvi colocar o link do formspring do blog para receber algumas perguntas. Entre elas, recebi esta:

Porque você odeia tanto o ecchi? Não gosta de ver garotas bonitas em situações interessantes?

Eu respondi lá como vocês podem ler clicando no link, mas achei que essa discussão merecia um pouco mais de discussão do que uma resposta de um parágrafo no formspring.

Antes de tudo o que precisamos fazer aqui é explicar direito sobre o que se trata o ecchi. A primeira coisa a se entender é que Ecchi/Etchi/H/エッチ não é somente a simples insinuação erótica como é largamente usado para classificar animes com algum conteúdo do tipo, mas pode ser também o ato sexual em si, o que muitos utilizam como separação entre o Ecchi e o Hentai. Mais detalhes aqui (Não abra se for menor, não me responsabilizo – NSFW).

Mas isso foi apenas um pouco de conhecimento para clarificar o post. A questão é que o autor da pergunta (feita de maneira anônima) estava questionando sobre o uso mais comum do termo no ocidente. Aqui podemos colocar animes como Love Hina, He is My Master, Rosario + Vampire.

Quem acompanha o blog ou o meu Twitter sabe que eu não simpatizo com esse tipo de título, verdade, mas isso não quer dizer que eu odeio ecchi. Conheço pessoas que acham no mínimo peculiar se sentir excitado com um desenho. Eu discordo, a sexualidade humana pode ser ativada das maneiras mais diversas, seja com a visão de uma pessoal real, por um cheiro atrativo ou mesmo pela simples leitura de um material sugestivo. Porém, isso não significa que eu deva gostar ou que eu busque em animes, mangas ou outras formas pictográficas uma fonte de prazer sexual. No entanto, o que eu quero dizer, é que se você faz isso, só posso dizer: seja feliz! De forma sincera.

Dito isto, resolvemos o problema sobre eu odiar ou não ecchi. A resposta inicialmente é bem simples, “não”. O meu problema com a maioria dos animes/mangas ecchi se dá pelo uso de crianças/adolescentes de forma erotizada. Me desculpa quem gosta e pode ter a mesma idade, mas eu, com meus 22 anos, não me sinto nem um pouco interessado em ver crianças dessa maneira. Antigamente, quando eu mesmo tinha essa idade, era um conteúdo a ser consumido, mas com o caminhar das coisas eu acredito que amadureci, e dentro desse processo ocorreu uma mudança natural entre o que eu acredito ser interessante de ver.

Mas hey, não estou dizendo que esses animes/mangas devam ser banidos da face da terra, não me entenda mal de novo. Um Love Hina foi publicado na Weekly Shounen Magazine, uma revista que, pelo menos tecnicamente, está voltada para o público infanto-juvenil. Não sou ingênuo para afirmar que garotos em plena puberdade não se interessarão por material erótico, que dirá de material soft-ero (acho que acabei de inventar esse termo), de acesso muito mais fácil. Uma revista voltada para esse público deve lançar aquilo que esse público deseja consumir e queira sim, queira não, a maioria dos garotos nessa idade quer saber de mulher pelada. Isso não significa que porque você lia títulos desse estilo quando era uma criança/adolescente, deve continuar achando tudo bem consumi-los como adulto pelos mesmos motivos. Como falei anteriormente, se espera que com o crescimento e envelhecimento natural, também ocorra nas pessoas um amadurecimento sexual.

E alguém pode vir com o clássico argumento para tentar manter seu fetiche inapropriado dentro de uma faixa de normalidade: “Mas é só tinta no papel, vá se preocupar com garotas de verdade!”. De fato é muito mais importante se preocupar com as milhares de garotas E garotos que são explorados todos os dias por pessoas doentes, pedófilos. Mas vamos, não tente mudar o foco. A questão que estou tentando colocar aqui não está na esfera criminológica, mas sim psicológica. Vou repetir pela terceira vez: amadurecimento! Enquanto você vai crescente espera-se de você um compartilhamento entre a sua idade e seus atos.

Vou ser direto: Buscar material erótico com menores de idade está errado!

E depois da minha primeira resposta, veio uma segunda pergunta no formspring, mais interessante ainda:

Você e a Valeria Fernandes do Shoujo cafe são muito extremistas. Não acha que isso pode limitar a visão e entendimento de alguns mangas e animes? Por isso que animes assim não vem pro Brasil, acho que vcs estão matando a industria de animes no Brasil (sic)

É de se questionar o que a Valéria Fernandes, do Shoujo Café, tem a ver com toda a situação, mas enfim, pelo visto alguém acha que nós dois somos extremistas, porém, vamos analisar a pergunta. “Limitar a visão e entendimento de alguns mangas e animes”, acredito que ele esteja se referindo aos animes ecchis com crianças, já que foi a isso que me referi na resposta. Podemos pensar principalmente na parte do “entendimento”, até onde eu entendo, esse tipo de anime não procura ter um enredo muito profundo que demande grande trabalho mental para se entender e aproveitar. São criados com o objetivo de aproveitar um nicho de fãs que buscam por esse tipo de fetiche. Então a minha resposta é não.

Agora a segunda parte é a mais interessante, eu (e na afirmação dele, a Valéria) estou matando a indústria de animes no Brasil. Que indústria? Aquela que não conseguia pagar seus lançamentos porque as pessoas não querem comprar os originais? Aquela que sofre na mão caprichosa de fãs que resolvem fazer boicotes pelo menor detalhe? Aquela que eu venho apoiando, não baixando animes licenciados no país e assistindo quando eles passam aqui (quando possível, claro. Sim, estou olhando para você Animax e Nodame Cantabile)? Aquela com fãs que vêem dizer que um blog autoral não tem serventia alguma se não tem link para downloads? Não, eu tenho a consciência limpa quanto a minha parte. Só que uma andorinha só não faz verão, para o bem ou para o mal.

Por fim, não acredito que o futuro dos animes no Brasil esteja em animes desse estilo, mas isso fica para outra discussão. Queria dizer que tudo tem a sua hora, mas nem por isso estou querendo banir esse tipo de anime, nada que uma visão seletiva não ajude. Não vejo Infinite Stratos pelo fanservice por exemplo.

Bem, foi um post um tanto quanto pessoal, por isso eu queria ouvir a opinião de vocês.

PS: Haters gonna Hate.

Então pessoal, domingo terminando, com ele o final das minhas […]