Iron Man – Primeiras impressões

Olá a todos! Como eu havia prometido, o post sobre a conclusão de Letter Bee não seria o único desse fim de semana, afinal, estamos logo no início da temporada de outono. A ideia inicial era começar com Bakuman, mas infelizmente não deu tempo e vamos com outro anime muito esperado por muitos (honestamente, não por mim), Iron Man.

Mas hoje não esqueça de que é um dia importante e vá votar! Aproveite para votar na enquete do Censo Gyabbo! ao lado direito.

Para começar é preciso dizer que eu não tenho nenhum grande conhecimento sobre comics, e o pouco que conheço do personagem Iron Man se deu pelos dois filmes recentes e algumas leituras feitas na internet. Ah, li também parte da Guerra Civil. Parte. Logo, meu objetivo aqui não será e nem poderia ser fazer uma análise de quão bem feita foi a adaptação de Tony Stark para uma mídia diferente como são os animes. Entretanto, posso dizer que entendo pelo menos um pouco sobre animes e é a partir disso que irei apresentar minhas primeiras impressões de Iron Man.

Mais uma das “aventuras” da Marvel e de Stan Lee pela animação japonesa traz dessa vez o conhecido Homem de Ferro através de uma adaptação feita pelo estúdio Madhouse e o diretor Yuzo Sato (Akagi, Kaiji). Tony Stark, verdadeira face por trás da armadura ultra avançada está em viagem ao Japão, onde pretende estabelecer contatos para a produção de uma fonte de energia ilimitada e limpa. Para retirar as ressalvas internacionais sobre suas intenções, Stark declara que está se aposentando da alias e das ações de Iron Man. Claro que para isso o mundo não poderia ser deixado desprotegido, por isso Tony inicia a produção de uma nova versão da sua armadura, “Iron Man Dio”, que pretende produzir em massa para fins de pacificação.

Mesmo não conhecendo muito do personagem, percebe-se aqui uma certa descaracterização, mas que para quem pretende apenas assistir e aproveitar um novo anime não podem ser levadas em consideração.

Iniciando pelos pontos positivos do primeiro episódio, vemos um Tony Stark totalmente canastrão; mulherengo, exibicionista, cínico e auto-confiante; muito bem reproduzido pelo Seiyuu Keiji Fujiwara, certamente no tom certo.

Continuando com os pontos positivos podemos apontar… esperem… deixem eu lembrar… é, acho que é isso.

Não vou aqui criticar a abertura ou o encerramento. Não os achei ruins, apesar de ter estranhado, o que é natural, afinal são bem diferentes do que estamos acostumados em ver em animes. A primeira crítica a ser percebida (e a principal na verdade) é quão mal animado é Iron Man.

Rostos quase caricatos, lembrando aqueles desenhos americanos que tentam emular o estilo japonês, um sombreamento e rigidez de movimentos que fazem os personagens parecerem mais bonecos de plásticos do que outra coisa, o CG estupidamente exagerado e ainda sim em um nível baixo de qualidade. Tudo isso irrita profundamente, seja por ter nomes fortes como Marvel e Iron Man envolvidos, mas principalmente por vir daquele que pra mim é um dos estúdios mais fortes do Japão, a Madhouse.

Vejam isso, um teaser mostrado na Comic-Con Internacional 2009:

Agora comparem com a animação apresentada no primeiro episódio… Isso não é uma leve mudança, é uma mudança total! Warren Ellis, que ficou encarregado diretamente do roteiro base do anime e dos seus episódios, disse no seu site que o primeiro vídeo era apenas um teste para mostrar um pouco do design e da estética do anime, mas que tudo poderia a ser mudado posteriormente. Infelizmente mudou. E para muito pior.

Gostaria também de salientar o completo mal uso dos personagens secundários. É óbvio que em Iron Man, mais do que em qualquer outra adaptação de comic, Tony Stark tem que ser o centro das atenções, ok. Mas o resto do elenco é quase inexistente, limitando-se a figuras rasas, talvez com esperanças para (dependendo de como for levada nos próximos episódios) a cientista japonesa Chika Tanaka.

Outra personagem recorrente é uma jornalista inexperiente, atrapalhada e com a aparência fraca, servindo apenas para que Stark possa fazer uma mulher ficar embarassada. De acordo novamente como Warren Ellis, que criou esta personagem, (…) she’s far from weak OR a love interest (…) (ela está longe de ser fraca OU um interesse amoroso), mas ele admite que os escritores da Madhouse tiveram liberdade total para reescreverem o que quisessem. Logo, fica a pergunta do porquê dessa mudança tão ruim vinda de um estúdio tão renomado.

Mas aí você pode estar pensando “Eu não ligo para animação, roteiro, uso das personagens, mudanças do roteiro original ou o que quer que seja, eu quero é ver lutas de robôs!!!”. Bem, sinto muito, mesmo as (poucas) cenas de ação são fracas e nada inovadoras, começando e iniciando de forma incrivelmente rápidas.

Com todos esses pontos falhos, é difícil dizer se Iron Man é um anime que irá se sustentar. Uma coisa que eu não comentei por ser um spoiler, mas que pode levar o anime a ser mais tosco do que aparenta ser é a ligação dos vilões com o número de episódios… realmente espero que fujam disso.

A verdade é que essa animação do Homem de Ferro não foi pensada no ocidente (mesmo que alguns tenha afirmado uma certa aparência americana no anime), nem mesmo no Japão, ainda de acordo com Warren Ellis, a ideia é voltada para o mercado sul-asiático, ainda que atinja Japão e EUA em tempo. Por isso, contentem-se.

Ou comente diferente defendendo o anime se você achou minha posição errada ou tem uma diferente.

Olá a todos! Como eu havia prometido, o post sobre […]