Por que assisto novelas japonesas, mas não assisto as brasileiras?

Olá novamente a todos! Sim, estou de volta, depois de 9 dias doente em Campinas, voltei para Manaus na segunda-feira, mas como volto às aulas nessa segunda-feira, resolvi deixar o post novo para esse domingo mesmo. Muita coisa aconteceu nesse meio tempo; novas estreias no Animax, novos mangas, ideias, projetos; com um tempo tudo vai ser apresentado por aqui. Porém, antes de começar o post de hoje, queria deixar um Feliz dia dos pais para todos, especialmente para o meu (não que ele leia meu blog, mas enfim)!

Eu tinha planejado um post para hoje que infelizmente não foi possível fazer, espero que para a próxima semana eu consiga, vai ser bem interessante. Mas nem por isso vamos ficar sem algo legal hoje, esse era um post que já havia pensando há um certo tempo: Por que assisto novelas japonesas, mas não assisto novelas brasileiras?

(imagens meramente ilustrativas)

Há aproximadamente um ano e meio, após voltar de uma viagem à São Paulo, uma amiga me emprestou dois dvd’s que continham os 11 episódios do dorama Ichi Rittoru no Namida. Essa seria minha primeira experiência com uma novela japonesa (ok, na verdade eu já havia assistido ao 1º episódio de Life, mas nem conta). A verdade é que nessa época eu andava um pouco desanimado com animes, assistindo-os meio que arrastado. Lembro que em pouco tempo vi os 11 episódios, me emocionando de tal maneira que ficaria semanas lembrando da história, além de rever mais duas vezes. Pouco tempo depois, foi a vez de assistir ao dorama My Boss My Hero, uma ótima comédia que outra vez terminei com bastante rapidez. Depois disso, estava viciado em doramas, as novelas japonesas. Não que eu seja um expert em doramas hoje em dia, longe disso, até agora foram apenas nove, muito longe dos 152 animes que assisti até hoje, mas é apenas questão de tempo para que esse número aumente consideravelmente.

Durante esse meio tempo eu acabei me perguntando do porquê desse vício nas novelas japonesas, afinal, apesar de já ter acompanhado algumas partes de novelas brasileiras e mexicanas, nunca fui um noveleiro, na verdade, nunca acompanhei uma novela inteira. Seria pelo simples fato de ser japonesa? Afinal, tenho grande apreço pelas coisas japonesas, especialmente do entretenimento pop. Possivelmente isso explique por que comecei a assisti-las, mas não por que continuo assistindo. Desta forma, depois de refletir um pouco, reuni alguns pontos que talvez expliquem por que assisto novelas japonesas, mas não assisto novelas brasileiras.

• Duração

Recentemente, ao ler o caderno de TV de um jornal local, me deparei com um comentário mais ou menos assim; “A novela Caminho das Índias está chegando ao seu fim, autora afirma que faltam mais ou menos 30 episódios”. Enquanto as novelas brasileiras facilmente passam dos 150 episódios (a novela Duas caras, de 2008, teve 210 episódios), dificilmente um dorama passa dos 13 episódios, ficando normalmente entre 9~11. Entre ficar quase um ano inteiro vendo a mesma história e ver outra direta e em poucos episódios, prefiro a segunda opção.

• Tema

Ao meu ver, as novelas brasileiras normalmente não têm um tema definido, e quando falo em tema, não estou falando de comédia ou drama, mas sim do que trata a história. Por exemplo, qual era o tema da novela Chocolate com pimenta? E Duas caras? Mesmo Caminho das Índias divide o núcleo indiano com outros com temas diferentes. Em doramas normalmente o tema é bem definido. Além disso, são bem mais variados. O dorama Ichi Rittoru no Namida trata do sofrimento de uma adolescente ao descobrir que tem uma doença degenerativa incurável, você já viu algo assim? My Boss My Hero é uma comédia sobre um Yakuza que precisa voltar à escola, inusitado, não? Sem contar a diversidade de públicos alvos, com doramas para adolescentes, para homens, para mulheres, para um público mais velho, das mesma forma que ocorre com os animes e mangas.

• Foco

Muito próximo do item “tema” está o foco que é dado para a história. Nos dois casos são apresentadas tramas paralelas para que a principal não fique saturada, mas enquanto nas novelas brasileiras essas tramas paralelas ganham atenção quase que igual à principal, nos doramas elas são apresentadas e resolvidas rapidamente, não perdendo o foco da principal. Na verdade, muitas vezes essas subtramas são resolvidas em um único episódio, até pelo curto espaço de tempo.

Para mim esses são os três pontos fundamentais que diferenciam as novelas japonesas das brasileiras. Eu poderia citar ainda a união entre o mundo da música e as novelas, algo muito mais frequente no Japão com seus artistas multi-tarefas, que vão de dubladores-atores a atores-cantores, mas não acredito que isso seja tão fundamental. Outro ponto que pode ser levantado é quanto ao nível das atuações. Há um certo tempo atrás eu afirmava veemente que japonês não sabia atuar, conceito que eu abandonei. Acredito que em ambos os casos os níveis de atuações são medianos, com alguns bem abaixo e alguns bem acima.

E você? Por que vê os doramas, mas não vê as novelas brasileiras? Ou prefere as novelas brasileiras aos doramas? Deixe seu comentário e vamos discutir mais!

Olá novamente a todos! Sim, estou de volta, depois de […]