Minha Experiência Lésbica com a Solidão – Um registro sem filtros da depressão

 

Minha experiência lésbica com a solidão é a obra de estreia de Kabi Nagata, um novo expoente dos quadrinhos japoneses. Em volume único, o título é um registro corajoso e sensível da jornada da própria autora lidando com a sua depressão e outras questões emocionais.

Lançado no fim de 2019 pela Newpop, é o único título da autora no Brasil até o momento. Ainda que não tão comuns, já tivemos outros mangás autobiográficos publicados aqui, como o clássico Gen Pés Descalços, a autobiografia de Osamu Tezuka e O Homem sem Talento. 

A história

Com o término do colegial, a jovem Nagata percebeu uma mudança drástica: ela já não se sentia pertencente a lugar algum. Ainda que tenha começado a faculdade de artes, as coisas não pareciam certas. Faltava algo. Já havia notado a depressão e transtornos alimentares em si, e decide sair da faculdade ainda no primeiro semestre. 

Ela começa a trabalhar quase todos os dias num mercado, com a esperança de ali encontrar pertencimento incondicional. Sua saúde continuava muito frágil, tendo que sair mais cedo e faltar constantemente ao trabalho, e os impulsos alimentares muitas vezes a faziam comer comida vencida do mercado, passando mal em seguida. 

A relação com os pais também não era das melhores. Sentia que eles não entendiam bem o que estava acontecendo, além de terem ideias claras do que seria, sim, digno para filha – como um trabalho com carteira assinada, que não era algo que Nagata desejava. Nos anos seguintes, ela continuou fazendo apenas bicos na medida em que tentava lidar com suas questões, cada vez mais sozinha. Se afastou das amigas e se sentia cada vez menos apta a trabalhar. 

Suas crises continuam indo e vindo até que ela decide investigar o que poderia ser o gatilho para tanto sofrimento em sua vida. Revisita memórias e lê diversos livros para perceber que a sua sexualidade sempre foi algo sufocado, e como isso refletiu em outros campos sociais – inclusive na relação com seus pais. Ainda que muito apavorada, ela decide explorar a questão, e um dos primeiros passos é ter um encontro com uma prostituta lésbica. 

Uma Jornada sem filtros 

Alguns anos depois de vencer um concurso de mangás, Kabi Nagata postou na plataforma Pixiv a história do dia em que saiu com uma prostituta lésbica, e teve muitos acessos e compartilhamentos. Minha Experiência Lésbica com a Solidão foi sua primeira obra encadernada, originalmente publicada em 2016 no Japão.

Seus trabalhos seguintes também são autobiográficos: My Solo Exchange Diary, lançado em 2018, continua a narrativa de autodescobrimento mostrada na série antecessora, e em Genjitsu Tōhi Shitetara Boroboro ni Natta Hanashi a artista narra uma hospitalização que sofreu com pancreatite e outras complicações por excesso de álcool. 

Nagata é muito sincera em sua narrativa. Mostra de forma bem clara como reagia durante suas crises, como nos momentos em que não conseguia nem levantar da cama ou num acesso de compulsão, por exemplo. Registrou também as dúvidas, os desejos e as dificuldades. Uma das pequenas vitórias que obteve, com ajuda de medicação, foi a de voltar a ler sem grandes problemas – algo que já não conseguia.

Um dos maiores méritos do mangá é de falar sobre saúde mental com naturalidade, partindo de quem está passando pelas situações. Numa sociedade em que não aprendemos a lidar com as nossas próprias emoções, ter que aprender sozinho durante uma crise é algo extremamente desafiador.

Sem romantizar ou forçar falsos heroísmos, a artista que passou tanto tempo isolada se abre para contar as coisas antigas e as que acabou de descobrir sobre si mesma. A autora não faz floreios e nem usa filtros para contar sobre a montanha russa emocional que enfrenta com suas questões. Pelo contrário, o mangá é uma espécie de convite para que o leitor entre, sente-se e ouça a sua história.

Detalhes do produto

Capa comum: 144 páginas
Editora: NewPOP (20 de dezembro de 2019)
Idioma: Português
ISBN-10: 8583622868
ISBN-13: 978-8583622864
Dimensões do produto: 21,4 x 14,6 x 0,8 cm

 

Revisão: Karin Cavalcante