Dorohedoro: Primeiras Impressões

Os Primeiros Episódios

A história de Dorohedoro acontece em um cenário pós- apocalíptico, dividido em duas dimensões separadas: o Buraco, uma paisagem urbana sombria onde os humanos residem; e o mundo dos feiticeiros, lar dos feiticeiros. Apesar de parecerem semelhantes, humanos e feiticeiros são duas espécies distintas. A primeira evoluindo naturalmente, enquanto a segunda foi criada por um demônio primordial chamado Chidaruma. Feiticeiros são capazes de entrar no Buraco convocando portas mágicas.

Nossas impressões

Mikael Drako
Nota: 4 / (escala de 1 a 5)

Um mundo pós-apocalíptico, com magos vivendo em uma espécie de favela e um protagonista sendo um homem musculoso com cabeça de lagarto. É uma ideia muito maluca mas as melhores ideias são assim. O cenário de favela pós-apocalíptica contrasta muito com o típico cenário de anime que se baseia em escolas ou mundo medieval.  Mesmo sendo um mundo violento, o anime consegue trazer um clima bastante leve, usando do humor para criar relações entre os personagens, de modo que soem bastante naturais. Os conceitos dos magos ainda parecem mal explicados, porém o autor decidiu dar apenas exemplos práticos ao invés de um personagem contar para o outro de forma didática e forçada. Talvez essa má explicação seja usada para aumentar mistérios (muitos já trazidos no primeiro episódio) ou pode ser que o autor queira deixar em aberto como conveniência narrativa. Apenas em episódios futuros saberemos.

A animação é do considerado sucessor da Madhouse, o estúdio MAPPA, que mesmo sendo famoso por sua animação de qualidade, escolheu ir pelo híbrido de CGI e animação 2D. Embora os modelos 3D com personagens não humanos e mascarados não estejam ruins, o CGI dos humanos está meio feio em questão de expressões faciais, mas ajudam em cenas de ação mais dinâmicas. Um anime promissor baseado em um mangá oldschool, tem potencial.

 

Kaed
Nota: 3 / (escala de 1 a 5)

Confesso que só assisti o primeiro episódio, ou sete minutos do primeiro episódio. O CGI é bom e deve agradar bastante aqueles que gostam desse tipo de animação, o problema é a quantidade de informações despejadas nos sete minutos iniciais do anime. Muita coisa acontece e nada acontece ao mesmo tempo. Para aqueles que querem assistir um anime com uma pegada dos anos 80, e forem guerreiros de aguentar o primeiro episódio, fica a recomendação.

 

Revisão: Deise Bueno

 

    Textos publicados por vários autores