Doki Doki Literature Club!

Seja bem-vindo ao clube de literatura Doki Doki!

*Esse texto conterá spoilers do jogo. Caso você pretenda jogá-lo, recomenda-se ler o post depois para manter o melhor da experiência*

Doki Doki Literature Club! foi lançado pela desenvolvedora Team Salvato em setembro de 2017 no formato Visual Novel, tipo de jogo marcado pela grande quantidade de textos/diálogos onde o jogador deve fazer certas escolhas que modificarão o resultado final. Apesar de uma estética bem moe genérico, Doki Doki surpreendeu a maioria das pessoas justamente por subverter as expectativas aparentes com uma história que mistura terror, horror psicológico e um pouco de gore.

No jogo você encarna um estudante comum do ensino médio japonês que, pressionado pela sua amiga de infância Sayori, acaba entrando no clube de literatura da escola, onde conhece a tsundere Natsuki, a tímida Yuri e a responsável presidente do clube, Monika. Entre indas e vindas você terá que escrever poemas, sempre visando uma das garotas pela qual quer aprofundar seu relacionamento, para ir se preparando para o futuro festival escolar que está chegando.

Apesar do começo lento, com uma carga bem grande de textos, o jogo começa a engrenar após a segunda rodadas de poemas, quando os personagens estão se preparando para o festival e as ações saem da escola por um tempo. Mesmo já tendo sido avisado que o jogo não manterá esse rumo, por um momento é possível esquecer disso e realmente se envolver com o desenvolvimento dos relacionamentos. A calmaria começa a desaparecer, porém, quando a vida dessas garotas começa a ser revelada. Depressão, abuso, negligência e suicídio formam um pano de fundo bem mais tenso do que poderia se esperar.

A partir da primeira morte de uma das garotas que aparentemente leva o jogador a um bed ending, o próprio jogo começa a apresentar glitches estranhos, e a tentativa de jogar novamente revela que a personagem não existe mais. Apesar do enredo seguir mais ou menos a mesma estrutura, as personagens restantes tornam-se mais agressivas, impacientes, prestes a surtar. Aliado a isso, outros bugs vão acontecendo nas imagens e nos diálogos, deixando uma sensação angustiante e apreensiva no jogador.

Aqui, no entanto, é onde o jogo começa a se perder. A discrepância entre o fofo e o bizarro levam o jogo muito bem, mas o equilíbrio entre esses dois pontos é perdido, caindo muitas vezes não mais para o medo, mas para galhofa pura e simples. O exagero, especialmente do gore, retiram o jogador daquela atmosfera surreal, e mesmo a revelação final envolvendo a quebra da quarta parede tem pouco impacto, ainda que a resolução final seja bastante criativa.

No fim, sobra um jogo que não consegue envolver o jogador por completo – principalmente por não se importar muito com as escolhas feitas pelo mesmo durante o processo -, pecando justamente no seu clímax. Curta e de graça, Doki Doki Literatura Club! vale a pena ser lida pela relação custo e benefício e por sua inventividade, mas o gosto é de apenas um passatempo.

Link do jogo na Steam: AQUI.

Criador e editor-chefe do Gyabbo!, mora em Manaus no Amazonas e é formado em Psicologia na Universidade Federal do Amazonas.