Tsuredure Children e a complexidade do primeiro amor

É quase um fato comprovado que “eu te amo” é uma das combinações de palavras mais complexas e perigosas que podemos criar(não importa o idioma falado). Isso se aplica especialmente para adolescentes, que são praticamente um poço de hormônios entrando em ação e em constante estado de confusão sobre o que exatamente estão sentindo e como expressar um sentimento tão complicado e cheio de nuances como o amor.

E Tsuredure Children é uma dessas séries que conseguem capturar muito bem as dificuldades e desencontros do primeiro amor, sem apelar para a pieguice típica de animes de romance. A começar pela ausência de protagonistas: a série nos apresenta diversos casais diferentes para acompanharmos, cada um com sua particularidade ou dificuldade no relacionamento. Desde amigos de infância que não conseguem entender corretamente o novo status na relação, até a transformação de uma delinqüente juvenil em alguém que sonha em ter um futuro ao lado de outra pessoa, o anime nos apresenta personagens “reais”, daqueles que você poderia facilmente se tornar amigo nos tempos de escola, ou que até mesmo te lembre alguns colegas de classe (guardadas as devidas proporções, já que estamos falando de personagens tipicamente japoneses em uma rotina tipicamente japonesa).

Cada relação que acompanhamos em Tsuredure é “viva”, respira, tem avanços e retrocessos, diferente das demais e por muitas vezes você vai sofrer ou torcer junto com os personagens em cada desencontro ou sucesso dos casais. Mesmo com as inevitáveis diferenças culturais, acompanhar a série é uma viagem aos nossos dias de adolescência (o que, dependendo da idade de quem estiver assistindo, é também conhecido como exatamente hoje) e lembrar de todos os dramas que não só a gente como nossos colegas viviam, com casais se formando e se separando, amores “impossíveis”, declarações que não são entendidas, e por aí vai.

Com episódios mais curtos que o normal (12 minutos, ao invés dos tradicionais 20~24 das outras séries), Tsuredure vai direto ao ponto e não perde muito tempo tentando formar os casais que vamos acompanhar, o que foi um dos motivos que me fez gostar da série. O ritmo de cada episódio é rápido, com duas ou três mini-histórias para casais específicos, sem rodeios, sem enrolação, sem tramas mirabolantes ou coisas do tipo. O tipo de série ótima para assistir na pausa do almoço ou do lanche, ou até antes de dormir, e que te deixa com o coração leve conforme o tema de encerramento começa a tocar.

O que talvez afaste algumas pessoas é que Tsuredure não é exatamente um romance, mas uma comédia romântica, ou seja, tudo tem um tom leve, algumas vezes bobo, em diversos momentos exagerado. Quem espera dramas complexos e cheios de nuances, pode não ter as expectativas correspondidas.

E claro que o anime tem seus problemas: baseado em um mangá que já possui em torno de 150 capítulos, os 12 episódios do anime parecem insuficientes para se aprofundar em todos os personagens ou desenvolver corretamente algumas relações. Minha impressão final é que alguns casais não foram trabalhados em sua totalidade, o que talvez seja resolvido em uma segunda temporada. Mas, de um modo geral, a série é uma ótima surpresa dentro de uma temporada de verão sem grandes sucessos.

Concluindo, Tsuredure Children consegue o que muitas séries mais longas ou com episódios de 20 minutos não conseguem: tratar romance como o tema complexo que é, sem abrir mão do bom humor para isso; mostrar que o amor é uma emoção poderosa e que há diferentes formas de amar, demonstrar seu amor por alguém e aceitar o amor que outra pessoa te oferece; e nos fazer perceber que você não precisa privilegiar o desenvolvimento do plot para gostar de uma história, basta nos oferecer personagens relatáveis. Uma ótima opção para quem quer relaxar e não tem o que assistir. Recomendado.

A série pode ser encontrada no Crunchyroll, com legendas em português, e o Genkidama recomenda que vocês assistam por lá. Não ganhamos nenhum centavo por essa recomendação (mas poderíamos e ficaríamos bem felizes de ganhar) mas apoiamos sempre que possível que as obras sejam apreciadas por meios oficiais 🙂

    Comediante geek e pirata semiprofissional. Cheguei na Internet antes de você nascer. Era tudo mato isso aqui.