Seikaisuru Kado – Primeiras impressões

O Primeiro Episódio

Em Seikaisuru Kado, vemos surgir nos céus do Japão uma enorme estrutura em forma de cubo que desce em um aeroporto. Um avião com 252 passageiros, entre eles o perito negociador Koujiro Shindou, é engolido pelo objeto alienígena. Que mistérios guarda o cubo gigante? Qual será o papel de Shindou neste estranho evento?

>> Confira nossas primeiras impressões de outros animes dessa temporada no Guia de Primeiras Impressões dos ANIMES DE PRIMAVERA 2017

Nossas impressões

GraveHeart

Nota: 3

Seikaisuru Kado levantou vários alertas na minha cabeça, já que por ser  uma produção da Toei Animation e feito em CG, esperava-se uma obra de qualidade bem abaixo da média. Mas… vá lá, a animação está sim, compentente. O CG ainda está esquisito em algumas cenas, mas nada que atrapalhe esse primeiro episódio.

Já com relação à história, vale muito a pena correr atrás do “Episódio 0” antes de começar a assistir, já que ele apresenta melhor a figura do protagonista Shindou. Esse “prequel” do anime funciona muito bem, e compensa um problema que senti no primeiro episódio: o ritmo. Passam muito tempo em volta de uma mesa ou discutindo sobre o tal cubo, mas pouco acontece para apresentar os personagens.

Enfim, realmente me interessou. Poderia ter levado nota 4, mas perde pontos pela cientista com voz irritante.


Wagner – Troca Equivalente

Nota: 4

Sabe aquele anime que você não espera muita coisa? Então, foi assim que comecei a assistir Seikaisuru Kado e vocês devem concordar que motivos não faltavam para o meu pessimismo. O anime é produzido pela Toei Animation, eles são conhecidos por não priorizar muito a qualidade, e se isso já não bastasse foi todo animado em CG (ao invés do 2D convencional). Sei que muitas pessoas gostam de CG, eu também gosto, mas quando ele é bem-feito e não apenas um artifício para economizar no valor final da produção.

Mas podem ficar tranquilos, apesar de todo esse meu pé atrás, o anime começou muito bem. Pra minha surpresa o primeiro episódio (que na verdade é o episódio 0) foi quase inteiro animado de forma tradicional, e bem animado diga-se de passagem. Já no segundo episódio entrou o temido 3D, que não está incrível, mas que não atrapalha na imersão da história e funciona bem para representar o elemento mais importante desse começo: o gigantesco cubo alienígena que aparece flutuando sobre o Japão.

E não começou bem só na parte técnica não, a história prende sua atenção, primeiro por ser muito realista ao mostrar o dia a dia de um funcionário do governo Japonês e também por mostrar uma faceta inesperada desse funcionário (eu jurava que ele seria meio carrasco). Além disso é difícil eu sentir um clima verdadeiramente sci-fi em animes, mas esse conseguiu isso. Todo o começo tão mundano, para a repentina aparição de algo além do nosso conhecimento, funcionou incrivelmente bem e ajudou a passar esse clima.

Foram dois episódios onde pouca coisa da história em si avançou, não vou mentir para vocês, mas foram episódios que ajudaram a construir uma base muito sólida para o que vem a seguir. Estou ansioso para ver os desdobramentos desse anime de verdade. Se você gosta de ficção científica dê uma chance para Seikaisuru Kado.


Livia

Nota: 4

seikaisuruSeikaisuru Kado teve um início bastante promissor. Com clima e ritmo de filme de ficção científica americano, o anime conseguiu segurar o meu interesse até o final. Lembrando que a série teve um episódio zero, que também foi bom, ainda que num tom bem diferente do seguinte.

Dos personagens, só me desagradou a assistente do professor Mifune. Ela está muito deslocada, parece até que foi importada de um outro anime. Mesmo se a considerarmos um alívio cômico ainda não se encaixa. É como se a garota-dragão de Kobayashi-sanchi no Maidragon aparecesse em Berserk.

O CG está bom, só que a transição com o 2D é meio esquisita em alguns momentos. E os personagens quando estão em CG ainda parecem meio robóticos às vezes.

A grande questão agora é se Seikaisuru Kado vai conseguir conduzir sua história sem se perder, como frequentemente acontece com obras de ficção científica. Seu início, pelo menos, foi muito bom.

    Textos publicados por vários autores