Sagrada Reset – Primeiras Impressões

O PRIMEIRO EPISÓDIO 

Kei Asai é um menino que apenas “vive um dia depois do outro”. Ele não se considera especial, embora viva em uma cidade onde todos tem alguma espécie de super-poder. Através de um “empurrãozinho” dado pela colega Sumire Soma, ele conhece Misora Haruki, uma menina que tem a capacidade de voltar no tempo em até três dias. Infelizmente, o poder de Haruki faz com que ela também esqueça das coisas que aconteceram nas outras linhas temporais. É aí que Kei entra em ação pois seu poder é ter uma infalível memória fotográfica. Juntos eles podem usar seus poderes para o bem, mas primeiro Kei precisa convencer Haruki a confiar nele.

>> Confira nossas primeiras impressões de outros animes dessa temporada no Guia de Primeiras Impressões dos ANIMES DE PRIMAVERA 2017


NOSSAS IMPRESSÕES 

Denys Almeida – Gyabbo!

Nota: 2

 

Na verdade eu gostaria de dar 2,5, mas não usamos notas quebradas.

Não foi uma estreia, fácil, realmente não foi. Sagrada Reset vendeu em sua sinopse algo bem diferente do que apresentou nesse primeiro episódio. Enquanto o texto publicado dava a impressão de algo mais movimentado, em torno de mistérios mais investigativos, pelo menos nesse momento inicial o que tivemos foi um drama arrastado com uma série de diálogos tentando ser mais profundos do que conseguiram.

Mas até que ponto isso é ruim?

Diferente do Diogo em suas impressões abaixo, esse anime não me desagradou tanto. O que ficou foi muito mais uma sensação de ter sido ludibriado do que realmente de ter achado a obra ruim. Sua animação é bem contestável, é verdade, mas para um anime onde os diálogos são o foco, esse quesito não importa tanto. Ao finalmente comprar a real intenção desse piloto, acabei me deparando com algo falho, principalmente em fazer com que nos importemos com os personagens (o passado de Haruki foi algo de tão forçado que teve o efeito contrário, passei a gostar ainda menos dela), mas que tem o potencial de se desenvolver em algo minimamente interessante se conseguir se livrar das amarras que criou, o que o preview do próximo episódio apontou que será o caminho, finalmente dando ênfase em um mistério.

Das estreias até o momento dessa Temporada de Primavera 2017, Sakurada Reset talvez seja a mais difícil de avaliar por um único episódio. Simplesmente não dá para ter certeza os caminhos que a obra trilharão. Considerando que o primeiro mistério parece que será resolvido nos três primeiros episódios, pretendo continuar pelo menos até ali, esperando que agora, sem precisar explicar mais tanta coisa, finalmente o anime deslanche.


Diogo

Nota: 1

Em um primeiro momento eu achei que Sagrada Reset só seria chato. E foi. Mas conseguiu, além disso, ter um dos piores roteiros que eu já vi num anime nos últimos tempos. A começar por conseguir pegar uma premissa que, por si só, é palco perfeito para um bom drama e/ou uma boa história de ficção científica / fantasia e jogar no lixo ao apresentá-la de uma maneira extremamente desinteressante e forçadamente expositiva.

Os personagens, literalmente, ficam explicando um para o outro os seus poderes em longos diálogos monotônicos que me fizeram querer tacar uma cadeira no monitor. E por falar em diálogos, nós temos vários deles nesse primeiro episódio. Eles só falam, falam, falam… sem parar, sempre parecendo seres sem alma, sempre falando coisas que não tem nada a ver com nada. Os papos vem e vão sem nenhum motivo e não levam a lugar nenhum. Durante certo momento Rei pergunta para Soma qual o motivo do que eles estão fazendo e ela LITERALMENTE RESPONDE PRA ELE QUE NINGUÉM SE IMPORTA COM O MOTIVO! É um tapa na cara do espectador que tá ali tentando achar uma razão para encarar os 24 episódios previstos para essa série.

Sagrada Reset é um anime que tem um plot extremamente mal trabalhado e ainda é protagonizados por personagens que são impossíveis de gostarmos e/ou nos identificarmos. Além disso, esse primeiro episódio sofre bastante com problemas de ritmo. O gancho só é revelado no finalzinhoinhoinho do episódio e mesmo assim vem tão do nada que não consegue nos fisgar. Que desastre. Um plot com potencial transformado em algo chato, personagens chatos e até um visual chato. Parabéns pelo three-hit combo da chatice, Sagrada Reset.

    Textos publicados por vários autores