Gin no Guardian – Primeiras Impressões

O primeiro episódio

Suigin Riku é um rapaz que viciado em games e que está sempre atrás de um bico para ganhar algum dinheiro extra. É assim que ele vai parar na escola de Rei Riku como salva-vidas. Entre uma série de flashbacks, Suigin torna-se misteriosamente o guardião do local, garantindo a paz lutando diariamente em um mundo paralelo contra hordas de mortos-vivos.

>> Confira nossas primeiras impressões de outros animes dessa temporada no Guia de Primeiras Impressões dos ANIMES DE PRIMAVERA 2017

Nossas impressões

Diogo Prado

Nota: 2

É… não sei não. Esse primeiro episódio de Gin no Guardian foi mediano demais para fazer com que eu me interessasse por ele. Não só isso como achei que aconteceu coisa demais para um episódio tão curto. Os acontecimentos se passam em três momentos temporais. O primeiro, que serve só para mostrar como a “heróina” da série é querida pelas colegas de escola; o segundo, um ano antes, mostrando brevemente como a heroína conheceu o herói, que até então era um zero a esquerda; e o terceiro, que se passa provavelmente depois do terceiro, onde vemos o herói enfrentando sozinho um exército de mortos-vivos e golens. Tendo pouco tempo para trabalhar as conexões entre essa linhas temporais, elas acabaram parecendo dois animes separados com uma pessoa inquieta apertando um controle-remoto imaginário para trocar de canal entre eles.

Há, no entanto, valor nesse dinamismo. Como tratam-se de clichês bastante conhecidos, seria um desserviço ficar martelando em cima dele por episódios e episódios. Aqui só são mostradas uma ou outra informação e o espectador constrói o resto, o que não é nada difícil. As cenas de ação também ganham com isso pois

O fanservice mostrado logo na primeira cena do episódio foi daqueles extremamente sem propósito, mas foi tão rápido que não chegou a comprometer a experiência. Dá pra ver que eles estavam querendo chamar a atenção dos otakus de plantão para que continuassem a assistir o episódio. Infelizmente para mim ele não passou do “regular”, o que não me anima muito a querer continuar assistindo. É, no máximo, bacaninha.

 


Denys Almeida – Gyabbo!

Nota: 3

Um dos primeiros animes assistidos nesse temporada, Gin no Guardian foi uma grande surpresa, em vários âmbitos. Primeiro, sua duração de 15 minutos. Se animes curtinhos estão se tornando cada vez mais comuns temporada após temporada, ainda é um pouco raro ter uma série de ação com apenas metade da duração normal.

O que poderia ter sido um problema, principalmente para apresentar e desenvolver os personagens, tornou-se algo positivo. Explico; Gin no Guardian não é nada espetacular, são clichês atrás de clichês, desde o contexto até o estilo dos personagens. Algo assim repetido 24 minutos cansaria facilmente, mas a escolha por enxugar sua duração permitiu uma abordagem mais direta, mais objetiva, focando mais tempo nas cenas de ação, que longe de serem espetaculares, pelo menos entregam um ar cool à série.

Baseado em um quadrinho chinês online, Gin no Guardian mostra a evolução das adaptações de obras estrangeiras, algo impensável há poucos anos. Mesmo ficando na média, seja na arte, no roteiro ou nos personagens, a série garante a diversão com seu primeiro episódio mostrado menos do que poderia, deixando uma ótima curiosidade para compreender tudo que está por vir.

    Textos publicados por vários autores