Frame Arms Girl – Primeiras Impressões

O primeiro episódio

 

Em um dia como outro qualquer, Ao Gennai recebe um pacote na porta de sua casa. Dentro dele está uma boneca-robô chamada Gourai. Ao ativá-la sem querer, Ao aprende como montá-la e quando ela achava que estava tudo terminado por ali, uma dupla de outras bonecas-robô aparece para lutar com Gourai.

>> Confira nossas primeiras impressões de outros animes dessa temporada no Guia de Primeiras Impressões dos ANIMES DE PRIMAVERA 2017


Nossas impressões

Diogo Prado

Nota: 1

Quando o primeiro frame de um anime é uma calcinha sendo iluminada pelo sol você sabe que há grandes chances de vir bomba. E veio. Frame Arms Girl funciona mais ou menos como Gundam Build Fighters, mas a diferença é que ao invés de gundams (e de uma boa história), os personagens montam armaduras para colocar em bonecas que adquirem “vida”. Bonecas essas com personalidades infantilizadas e exageradamente sexualizadas (uma delas tem uma “saia” que, literalmente, só cobre metade do bumbum) cuja única razão de existência é batalhar umas com as outras.

O plot, se é que podemos chamar de plot, não passa de um conjunto de desculpas para vermos as garotas-robô. A progonista do nada recebe um modelo de teste de uma das bonecas, chamada Gourai, que também foi enviado para várias outras pessoas mas que coincidentemente ela foi a única NO PLANETA que ativou a sua. Daí, um pouco depois, outras duas bonecas vem do nada para batalhar contra Gourai… porque sim. E quando chegamos na batalha, pensamos que finalmente todo o tédio até aquele momento tinha valido a pena… mas claro que não. A batalha é BEM desinteressante por si só e é vencida com um único “golpe” graças a uma dica beeeeem genericona da protagonista. O CG usado para animar as bonecas é até bem competente, mas com uma direção fraca e um roteiro raso, não tem quem se salve.

O anime é baseado numa linha de model kits real e talvez seja atrativo para quem já seja fã desses brinquedo. Porém, para o espectador comum, não passa de um anime bastante sem graça, com um roteiro bem raso. Nem a voz da Hikasa Yoko como a protagonista me faz querer continuar assistindo isso pois, ao que parece, não vai passar de bonecas-robô variadas lutando entre si sem um motivo envolvente.

    Textos publicados por vários autores