Outubro/2013: Resumo das Estreias, Parte 5 – Kuroko no Basket, Magi, Yozakura Quartet e Outros

teste

Sim, a Quinta Parte do resumo mais completo da temporada, cortesia deste não humilde blog. E vamos que vamos!

Parte 1: KILL LA KILL e Kyoukai no Kanata
Parte 2: Coppelion, Golden Time, Nagi no Asukara e outros
Parte 3: Daiya no A, Log Horizon, White Album 2 e outros
Parte 4: Gingitsune, Yowamushi Pedal e outros

little_busters_refrain

Little Busters! ~Refrain~
J.C.STAFF, 2-cour

Episódio: 72/100
Potencial: Médio

Um bom Little Busters!, mas em boa parte ainda o Little Busters! de sempre, a espera do momento em que poderá cumprir o potencial que precede o anime.

O anime volta com tudo, já no arco da penúltima heroína – a peituda e descolada Kurugaya, que promete um plano de fundo algo padrão mas eficiente em seu desenvolvimento, além de começarmos a descobrir o que afinal é o Segredo do Mundo tão antecipado na obra desde o começo [e inclusive nessa nova e linda abertura repleta de SPOILER] em um episódio que consegue acertar bem o balanço entre comédia e drama que a série fracassou tanto em alcançar em episódios anteriores.

O início de mais um arco conseguiu ser instigante e consolidar o sentimento de amizade que permeia a série, mantendo a boa sequência de episódios que já vem do final da Primeira Temporada. Ainda assim, mesmo com um reforço no orçamento provavelmente vindo das boas vendas da metade anterior, os layouts ainda são abaixo da média e a fotografia e direção é simples demais para uma proposta tão elegante. Acostumados demais com a trilogia que consolidou a parceria key/Kyoto Animation? Talvez. Mas ver uma proposta destas simplesmente parecer mais um anime na temporada entristece um bocado.

kuroko_no_basket

Kuroko no Basket [Segunda Temporada]
Production I.G., 2-cour

Episódio: 82/100
Potencial: Alto

Um baita de um Primeiro Episódio que reintroduz o espectador rapidamente àquele mundo para já engatar uma nova história, com direito a flashback e novo personagem e deixar tudo pronto para o que interessa: a primeira partida desta nova temporada.

Kuroko no Basket funciona, ao menos no formato anime, por ser eletrizante como uma adaptação de manga da Shonen JUMP [ou mesmo das rivais] não era há muito tempo [claro, tivemos JoJo’s Bizarre Adventure em 2012, mas é um caso tão único que não conta]: é bola na quadra, suor nas camisetas nos jogadores e animação no capricho – mesmo com certas restrições orçamentárias – mais trilha sonora eletrizante fazendo tabelinha para um dos melhores animes de 2012.

Animação e character design melhorados e modernizados aqui e ali, a fórmula ainda é a mesma e continua sendo uma obra que segue um original de longa duração – assim, a melhor propaganda a se fazer de Kuroko no Basket é convidar o espectador a assistir alguns episódios da Primeira Temporada e ler o review da série neste mesmo blog que explica com mais e melhores palavras o porquê de ser uma obra com um público até reduzido mas bastante caloroso e vocal em pedir a publicação do manga em terra Brasilis.

magiz

Magi [Segunda Temporada]
A-1 Pictures, 2-cour

Episódio: 74/100
Potencial: Médio-baixo.

Um episódio clássico feito na medida para reintroduzir o fantástico mundo de Magi ao mesmo tempo que simplesmente continua do ponto que o último episódio parou; sem nenhuma introdução aos personagens e ao enredo anterior, temos aqui um bom build-up sendo feito para o arco de Magnostadt, que promete – ao menos a cena impactante mostrada logo de cara cumpre o efeito de visualizarmos como será o clímax desta temporada.

Magi, anime que começou com tanto potencial há um ano, acabou sendo vítima de um prazo curto e ideias ruins do infame roteirista Yoshino Hiroyuki [Code Geass, Guilty Crown, Seikon no Qwaser] que foram mal-aceitas principalmente entre o público do manga; para quem só viu o anime fica um battle shounen bem produzido mas genérico, carente do potencial que o mundo carrega e dos elogios que o original recebe.

Ao menos a síndrome das continuações nessa temporada está sendo positiva e tivemos um orçamento se não maior, aqui ao menos aplicado com melhor resultado – e um episódio focado nos carismáticos personagens merece uma nota boa, mas um temor sobre o que irá acontecer quando entrarmos no que interessa. Tem horas que o melhor realmente parece que é não saber…

unbreakable_machine_doll

Unbreakable Machine-Doll
Lerche, indefinido

Episódio: 68/100
Potencial: Médio

Fora de qualquer hype, uma surpresa entre os animes supostamente medianos foi Machine-Doll, com uma boa estrutura e um protagonista acima da média que por ser um japonês em ambiente europeu lembra o sucesso de 2010 GOSICK.

Mas ao contrário desse, o foco aqui é uma jornada de superação envolvendo um tico de trama política e ação entre servos mágicos animados no delicioso – só que não – 3DCG cortesia do estúdio Lerche. A direção na ação não é empolgante quanto em Arpeggio porém o plano de fundo apresentado aqui faz muito mais sentido – isso mesmo com o mínimo de fanservice e muito oferecimento gratuito por parte da robô Yaya. Fofa e deliciosa sim, sem necessidade de ser tão gratuita simplesmente para aplacar a sede do público masculino.

Machine-doll começou bem, mas periga ser uma série de Primeiro Episódio bem-feito para logo em seguida os criadores e realizadores simplesmente perderem o fio da meada e entregarem um resultado progressivamente perdido, decadente, plenamente esquecível ao término de sua exibição – isso é até mais comum do que parece, e quando a força principal do começo foi instigar a curiosidade no espectador o resultado pode não ser tão bonito…

yozakura_quartet

Yozakura Quartet: Hana no Uta
Tatsunoko, 1-cour

Episódio: 72/100
Potencial: Médio

De uma maneira diferente da primeira série um Primeiro Episódio divisor de opiniões.

Yozakura Quartet, manga do ilustrador de Durarara!! e Devil Survivor [a série de jogos], é conhecido por apresentar um mundo interessante com uma boa gama de personagens; e quando a primeira adaptação para anime conseguiu ser um fracasso de público e crítica, a popularidade do traço do autor impediu que mais uma obra fosse ao limbo – e é assim que tivemos esse reboot em OVAs – e depois TV anime – dirigidos pelo ótimo animador e agora diretor Ryo-timo.

Hana no Uta tem um Primeiro Episódio característico de um diretor iniciante cujo foco anterior era animar cenas de qualidade artística fenomenal: é lindo, estiloso e vibrante, trazendo um orçamento [e talvez um bom time de animadores, cortesia do networking de Ryo-timo] na medida para propiciar belas cenas de ação com um design simples e consistente. Bela embalagem para o episódio de introdução mais genérico desde sempre.

O episódio, particularmente a direção, ficam na média, mas o roteiro é simplesmente preguiçoso e se apoia simplesmente no carisma dos personagens e na qualidade visual. É algo válido, com uma nota enviesada pelo amor deste blog à animação 2D de qualidade, mas em uma metáfora culinária temos um bolo todo chantilly e pouca massa.

Parte 1: KILL LA KILL e Kyoukai no Kanata
Parte 2: Coppelion, Golden Time, Nagi no Asukara e outros
Parte 3: Daiya no A, Log Horizon, White Album 2 e outros
Parte 4: Gingitsune, Yowamushi Pedal e outros

Sim, a Quinta Parte do resumo mais completo da temporada, […]

14 thoughts on “Outubro/2013: Resumo das Estreias, Parte 5 – Kuroko no Basket, Magi, Yozakura Quartet e Outros”

  1. Machine-doll eu gostei bastante. Eu achei estranho a parada dos rank, a segunda colcoada é tão fraca? Pow… Mas ach oque pode ser interessante.

    Yozakura Quartet: Hana no Uta estou pegando do zero, não sei nada de acontecimentos precedentes, e sério, eu realmente gostei. Sei lá, é simples, tem pants na primeira cena, tem MOE, um timming que achei foda demais, ri muito, gostei da cena do Satélite da Ao, alias Ao é a top *-*. Os vinte minutos foram bem conduzidos, teve apresentação de personagens, ação, um toque de história, tudo na medida certa. Sei lá, realmente botei pilha nesse anime. Terminei querendo mais. Só Nagi e Kill la Kill tinham me dado isso até então.

    Little Busters sempre vi com potencial, mas sempre falhou. Quando acertou, deu para ver o como poderia ser incrivél e é um pouco dificil suportar a voz exagerada da garota dos anões >.> Mas acho que,dado últimos epsódio da primeira temporada, agora o roteiro acerta mais. Se simplesmente acertar, o anime fica bom. No começo eu tinha até pensano nele como um pós-Clannad em minha vida, uma coisa meio ‘será? finalmente?’, eu estava louco, kkkkk Bem, vamos ver o roteiro daqui em diante.

    E Magi continuo vendo como Magi. As pessoas amam tanto esse anime, eu só consigo gostar bastante. Meio estranho. Vamos ver essa temporada o que vai ser. quero guerra *-*

    1. Uma das maiores falhas que as pessoas cometem com Little Busters! e querer comparar com as outras obras da Key, principalmente com CLANNAD. A proposta e o tema imposto são totalmente diferentes, CLANNAD é mais voltado pro romance, enquanto Little Busters! é mais parecido com Angel Beats!, que apesar de ter uma história bem inferior a de LB, ainda assim foi tão aclamado simplesmente por ter sido produzido pela P.A, que aliás, em 90% dos animes só vejo uma animação bonitinha e uma direção mediana com algumas brechas. Outro ponto que já encheu o saco é ficar se lamentando por Little Busters! não ter sido produzido pela Key assim como seus antecedentes, o que é besteira. A J.C Staff não é dos estúdios mais promissores, isso todos sabem, animação fraca e um ritmo um pouco estranho (em certos momentos), mas mesmo assim já vale por depois de 6 anos, algum estúdio levar a sério a ideia de animar uma das melhores visual novels de todos os tempos, e não falo isso por fanatismo, é um fato que os fãs da key e jogadores do gênero também concordam. A adaptação não está lá um espetáculo mas ao menos é convincente, e o que importa é a história, pode parecer um slice of life lento e cheio de comédia, mas no final LB mostrará pra que veio, além dos arcos de cada heroína que tem suas cargas dramáticas esperadas.

      Só deixo um aviso: Esses 26 episódios serão bem melhores que a primeira temporada. Posso até dizer com toda convicção que será até mais sério que CLANNAD ~After Story~.

      1. Sério eu diria que o anime já é mais sério. Clannad é um romance de qualquer forma. Eu confio nesse anime, nunca reclamei da produção ou algo assim. Sempre achei ruim o fato do roteiro ter suas falhas, mas que foi se acertando durante a série.

        Eu quis dizer foi que pensei que seria estilo Clannad, no sentido até de me emocionar. Mas isso eu mudei e acho que não chega ao pés. Mas também é culpa minha por endeuzar Clannad como a perfeição de anime e a coisa mais linda já feita em toda midia Japonesa. Sim, fãboyzisse descontrolado, hehe. E você tem razão, LB tem mais de Angel Beats, um anime bem fantasioso ao mesmo tempo que não parece ser, do que Clannad um romance com ‘milagres’ como eu prefiro descrever.

        De qualquer forma, diferente da maioria, eu sempre botei fé em Little. Eu vou botar até o fim. 😀

        1. Na verdade… sem querer dar spoiler, mas Little Busters! tem um pequeno romance sim e diria que um milagre (ou milagres) até maior que CLANNAD, e a tragédia é bem maior também, em todos os quesitos. A diferença é que o foco nessa vez é no grupo todo, e não em um casal (Tomoya e Nagisa em questão.)

          1. Entendo. Podemos dizer que Clannad é mais ‘happy’ do que Little, certo? E bem, está tendo um romance, ao menos nesse começo de temporada. (Posso dizer que Riki e Rin…) Bem, confio na obra, deixarei ela me impressionar 😛

  2. Uma coisa que me decepcionou em Machine Doll foi o 3DCG eu tinha visto a preview seila.. 5 meses atras? e o 3DCG daquele dragão nao mudou, continuou aquela coisa esquisita, tirando esse lado tecnico todo o resto me empolgou

  3. Finalmente comentando sobre as continuações. Para mim, Kuroko continuou no mesmo nível de antes, está ótimo assim.
    fiquei um pouco decepcionado com Magi, mas não pretendo dropar, quero ver até o fim.
    Hana no Uta foi muito agradável aos meus olhos, mas estou com aquela sensação de “Tem algo faltando aqui…” Acho que por eu não ter visto a primeira série.

  4. Kuroko está muito bom, o mesmo ritmo bacana da primeira Temporada. Magi também começou legal, espero que a adaptação do mangá seja mais bem feita desta vez.

  5. Essa 5 parte foi como “deixar o melhor para o final” kk ambos os animes são ótimos realmente gostei de todos eles,essa 5 parte foi a melhor parte dos resumos(na minha opinião é claro) e é isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *