A Fantasia Otaku

Um post de poucas palavras sobre o comportamento de uma tribo.

Nas últimas semanas temos presenciado um alto número de “protestos”, rages, enfim, comentários acerca dos “otakus”. Primeiramente foi a polêmica causada pelo lançamento do Crunchyroll Brasil e a ameaça que este se mostra aos fansubs, já que, por menos de dez reais mensais (ou de graça, se você não se importar em assistir o episódio uma semana depois) , você teria à disposição séries da temporada traduzidas profissionalmente, transmitidas via streaming e com o lançamento coladinho ao do Japão , sem contar o acervo de outras séries e doramas.

Pois bem, o Punch Fansubs utilizou-se disso para informar que suspenderia o lançamento de série que o CR anunciou que licenciaria. Os comentários da postagem foram absurdos, geraram até vídeo de um frequentador da Punch indignado com tal situação.

“Como assim? Como assim pagar para assistir animes se no Japão eles assistem de graça? Ora, isso é um absurdo!” – Para termos noção do nível em que estão os comentários, isso claro, acrescidos de erros grotescos no português. Mas o ponto a que quero chegar não é o Crunchyroll nem o Punch, e sim os consumidores desta mídia, dos animes, os tão falados otakus.

Praticamente na mesma semana que ocorreu essa polêmica toda, ainda tivemos o programa da Fátima Bernardes trazendo uma ~galerinha da pesada~ representando esse mundo e, claro, passando vergonha. É lógico que na televisão vão selecionar os tipos mais chamativos e excêntricos para representar uma “tribo”, afinal de contas é o que atrai a atenção das pessoas e as estimula à repercutirem o assunto.

Pois bem, a fama que a tribo otaku possui, de forma generalizada, não é das melhores. Até comentei no Twitter um dia desses que, na minha opinião, entre o famigerado “otaku” e aquele que é fã de cultura japonesa, existe um abismo.

Essa generalização irrita, e muito, pois se eu vou contar à alguém que eu gosto de animes, mangás, música japonesa, enfim, ela automaticamente vai me comparar com uma pessoa que usa a mochila cheia de chaveiros e bottons, fica pulando pelas ruas, pedindo esmola nos eventos (sim!), usando cosplay por todo canto, usando expressões japonesas no vocabulário diário, achando que o Japão é o melhor lugar do mundo, e mais uma infinidade de “etecéteras” que não cabem neste post.

E foi por essas e outras que eu decidi brincar com tudo isso e fiz uma paródia de uma das músicas mais clássicas para os otakus. Quis ofender? Não, não quis ofender, quis brincar… Agora, se quem ouvir se sentir ofendido, é porque existe a necessidade desta pessoa reavaliar o seu comportamento perante às outras.

Otakinho Fantasy, que como o nome já remete, é uma paródia de Pegasus Fantasy, clássica abertura de Cavaleiros do Zodíaco e reúne um pouco do que penso sobre o comportamento exagerado de muita gente que vemos por aí, principalmente daqueles que a mídia insiste em usar como modelo para denotar todos os outros.

Gostou? Comente. Não gostou? Comente. Vamos discutir um pouco sobre esse comportamento?

Um post de poucas palavras sobre o comportamento de uma […]

44 thoughts on “A Fantasia Otaku”

  1. rachei de rir com a paródia, esta muito bem feita, na minha opinião não e ofensa e sim usar a inteligência e o bom humor, para se criticar algo, que convenhamos pediu por isso, pra encerrar salvei a imagem la em cima, vai ficar um bom tempo sendo o papel de parede do meu computador

  2. Como chegaram a comentar no vídeo, acho que o mais grave não é fazer “V” nas fotos (eu sei que foi só pra zoar na música XD) nem andar com a mochila com bottons.

    De longe, o problema maior do ditos “otakus” é essa exaltação doentia a tudo que vem do Japão sem um mínimo de senso crítico, essa soberba de achar que sabe falar japonês porque fica nos seus “baka”, “itadakimasu”, “kawaii” e derivados, ficar assistindo 200 animes de uma vez só e chamar o “resto” de poser, falar que vai escrever o nome dos “perseguidores” no Death Note… e claro, ainda se achar superior a todo mundo por causa disso.

    Só que… acho que não se pode ser hardcore nem do lado dos otakus nem do lado das críticas. Dar piti porque a tv tá ligada na novela e ficar dizendo que a tv japonesa é que presta porque “passa anime o dia todo” é retardo. Mas se você prefere ver anime do que novela porque simplesmente a novela não te interessou – mas você já assistiu alguma ou pelo menos sabe do que se trata (e não fica se mantendo alienado porque novela não é kawaii desu), que mal tem?

    Tá tendo uma certa caça às bruxas de ambos os lados e sei lá, é capaz de vir gente aqui em casa me “acusando” de ser otaku, porque tenho um monte de figures, meu mouse pad é do Ouran, tenho um quadro com cerejeiras artificiais, kokeshis, um manekineko, lanternas japonesas… fora que tenho alguns chaveiros na mochila e uma touquinha de orelhas grandes e já fiz cosplay. “OMG ELA TÁ FAZENDO DA CASA DELA UM MINI-JAPÃO, E TEM TOUQUINHA DE ANIME, SUA OTAKU DOENTE, DEVE ODIAR O BRASIL, SOME DAQUI!!!1111!!!” – só que também não é assim né gente??? AMO meu país, tenho uma bandeira enorme do Brasil aqui e só não deixo ela à mostra porque minha mãe não deixa, lol! E não uso a touquinha na rua, nem saio de cosplay pra ir no mercado, né? XD

    Admirar uma determinada cultura – CULTURA, não de anime/mangá SOMENTE – não é ruim. Ruim é a falta de bom-senso que alguns otakus estão desenvolvendo e sujando a imagem dos fãs “normais” de anime e mangá, e fazendo o termo “otaku” ter a mesma conotação pejorativa que tem no Japão. Mas enfim, não é o Japão que presta? Eles devem estar felizes com essa semelhança… e.e

    Pra terminar… SUA MÃE JÁ SABE / QUE VOCÊ TÁ NO EVENTO / USANDO UMA PLAQUINHA PARA MENDIGAAAAAAAAAR?

    1. Saudações

      Esta “caça às bruxas” vem de uma longa data, infelizmente…
      Gostaria de exclamar que fosse mais atual, mais aí estaria faltando com a verdade…

      E o trabalho da Josi ficou muito bom, deve-se ressaltar isso. A mensagem está bem explícita (com [aquele cuidado] que comentei no Twitter, mas que a própria Josi explicou depois). Meu receio está justamente no público ao qual se direciona o trabalho, que está incluso na descrição certeira que fizeste, Hakeru.

      Bandeira do Brasil no quarto… Tenho uma na janela aqui, grande. Fora as habituais de mesa…^^ Mas o caso é de conscientização para este pessoal (os definidos como “otakinhos”), pois estão precisando muito disto… E Hakeru, o penúltimo parágrafo de seu comentário foi certeiro, pode acreditar nisto.

      Josi, estás de parabéns pela sua criatividade e pelo dom que tens para este tipo de trabalho (e também pelo texto explicativo do porque de tal vídeo). Isto não deveria surpreender-me.^^

      Até mais!

      1. Huahauhauha, muito obrigada, Carlírio ^^!

        Ah sim, os ~palavrões~ que usei, como explicado no Twitter, foram puro e simplesmente utilizados para preencher a rima… Eu ia “censurar”, mas aí resolvi chutar o balde! O pessoal tá entendendo a brincadeira e o retorno está sendo bastante positivo até o momento… Acho que é porque o vídeo ainda não foi parar no nicho que está sendo criticado, enfim.

      2. Conscientização, essa é a palavra! Você pode ser otaku, ter um monte de coisas de otaku… mas não precisa se comportar como um otaku retardado! É “só” esse o problema 😛

    2. Exato. A música serviu pra realmente brincar com o esteriótipo que a nomenclatura ~otaku~ transmite num primeiro momento. Eu adoro animes, tenho bonequinhos em casa, uso avatares, canto músicas japonesas entre outras tantas coisas mais, só que na medida. Eu não posso enfiar garganta abaixo das outras pessoas os meus gostos, essa é a questão. Os ~otakus hardcore~, como poderíamos chamar, dizem não ser aceitos, que sofrem preconceitos, etc… Mas é claro! O que você vai pensar de uma pessoa que age que nem uma idiota no meio da rua? O país é livre, você pode fazer (quase) tudo o que quiser na rua, na internet, enfim, mas tem de aguentar as consequências.

      Que o Japão é um país admirável, não resta dúvidas, mas daí a dizer que ele é a nação superior e ignorar o país em que você vive são outros 500. Lá não tem só qualidades, tem muitos problemas também… Assim como no Brasil não tem apenas problemas, tem coisas muito boas por aqui! Nós podemos admirar a cultura de outros lugares sim, mas também temos que olhar para a nossa, e não adianta falar “MIMIMI MAS A CULTURA BRBRBR É SÓ CARNAVAL, FUTEBOL E P*TARIA”, isso é argumento raso de quem não lê nenhum pouco e não se informa.

      Enfim, concordo plenamente com o que tu disse ;D!!

      1. Antes fosse “a cultura brasileira ser só carnaval, futebol e mulher pelada”. Essa imagem era ima idéia que pertence ao passado.
        Nos dias de hoje, a cultura brasileira agora é BBB(A Fazenda, etc.), pagode/funk/sertanejo, programas policialis/de fofocas/telecultos(cada um mais fundamentalista que o outro), MMA, “baladas”(nada a ver com o gênero musical do qual o nome se originou há muito tempo atrás), cerveja, drogas, etc.
        Triste Brasil este dos dias de hoje, se bem que nem tudo no Brasil é ruim ou pior. Existem coisas boas aqui também, como a Amazônia, a Mata Atlântica (ainda que reduzidíssima, em comparação com o que era no passado remoto), o Pantanal Matogrossense, o Cerrado Brasileiro, a Caatinga, etc. e, é claro, a diversidade étnica e cultural do povo brasileiro, que não se resume ao paulista ou ao carioca.

    3. Nem tudo no Japão é bom, diga-se de passagem.
      Lá também têm seus problemas e seu lado ruim. Exemplos: terremotos, tsunamis, erupções vulcânicas, tufões, enchentes, deslizamentos de terra, avalanches, acidentes nucleares (lembram-se do que aconteceu na usina nuclear de Fukushima Daiichi e como isso afetou não só a credibilidade das usinas nucleares japonesas mas também o fornecimento de energia elétrica no país?), terroristas (como aquele otaku que ameaçou o autor de Kuroko no Basket, por exemplo), extremistas políticos (tanto os da extrema direita como os de extrema esquerda), atritos diplomáticos com a China e a Coréia do Sul (por conta do passado turbulento envolvendo o Japão e essas nações), ameaças de guerra por parte da China ou da Coréia do Norte, políticos e governantes corruptos e demagogos (um deles é o tristemente famoso ex-governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, que comprou briga com mangakás, animadores, otakus e fãs de animes e mangás, homossexuais, internautas e recentemente com o governo e o povo chinês. Seu vice, que recentemente assumiu o cargo de governador, também odeia os fãs de mangá e anime, assim como o antecessor), serial killers (desde o infame líder da seita Aum Shinrinkyo, Shoko Asahara, até os adolescentes assassinos, como Shinichiro Azuma, conhecido como Seito Sakakibara, o serial killer de Kobe. Ele tinha 14 anos de idade quando foi preso depois de assassinar a sua segunda vítima. Mais informações podem ser encontradas na internet, em especial, na Wikipédia), crise econômica (que se arrasta há mais de uma década), desemprego, redução da natalidade e aumento da população idosa (e seus reflexos na indústria do mangá e do anime, entre outras), perda da competitividade econômica (sendo ultrapassada pela China e outras nações vizinhas), sociedade passiva e sem iniciativa para mudar a situação atual do país (o que só piora as coisas), perda da importância no Exterior (o Japão foi mais presente no cenário econômico, comercial e político internacional do que agora), aumento do número de suicídios (não só idosos ou adultos, mas também adolescentes e até menores de 12 anos estão cometendo suicídio, por motivos diversos), desinteresse entre homens e mulheres em fazer sexo (as japonesas acham os homens “nojentos” ; já os japoneses preferem fazer outras coisas divertidas ou alegam estarem muito cansados depois do trabalho para transar. O que resulta em menos filhos.), etc.
      Os “otakus hardcore” brasileiros se diferem até mesmo dos seus equivalentes japoneses. Lá, seria muito difícil encontrar otakus com plaquinhas penduradas no pescoço para pedir esmola (coisa impensável por lá, até porque os otakus japoneses têm muito poder aquisitivo para sustentar seu consumo) ou para pedir abraços (igualmente impensável num país onde as pessoas nem sequer apertam as mãos quando querem cumprimentar-se; ao invés disso, eles curvam-se. Abraçar ou beijar-se em público, então, nem pensar.). Sair de cosplay é outra coisa que os otakus de lá não fazem. Só mesmo no Brasil para fazerem tais coisas.
      Quem já viu um evento de anime e mangá no Japão (vide TAF e ACE), ou fotos desses eventos, perceberá o quanto os otakus japoneses são diferentes dos daqui. Nem mesmo os fãs hardcore suportariam os seus equivalentes brasileiros, caso estivessem no mesmo evento.

  3. 1- O CR não me agradou desde inicio… não curto ver animes online, gosto de baixar para assistir e deixar guardado para, futuramente, substituir pela versão BD.

    2- Não dou a minima para a Punch!… parei de baixar deles faz anos (e o que tinha já foi tudo substituido), foi quando percebi que suas legendas são horriveis e “porcas”. Espero até uma semana, mas sempre baixo de outro Fansub, antes qualidade do que velocidade.

    3- Otaku sempre foi motivo de piada na TV Brasileira, desde muito tempo atras… sempre quando tem reportagens deste tipo é para fazer graça da cara das pessoas em eventos ou entrevistas. O duro é que sempre pegam as pessoas mais “estranhas” da plateia para fazer o papel principal, dai a coisa toda vira uma m*rd*.

    1. Sim, os problemas não são de hoje, já faz muito tempo que “otaku” tem essa imagem. Entretanto, o post não é pra falar especificamente de Punch x Crunchyroll e tal, mas sim justificar a “inspiração” para a paródia, porque estes acontecimentos recentes funcionaram como a gota d’água de coisas que eu já vinha me irritando há tempos. =)

  4. nao sei como funciona o CR ainda mais pelo que sei me parece algo bem acessivel 10reais nem é tao caro assim um manga hj em dia ta custando 11 os mais baratos é muita reclamação sem nexo o CR vir pro brasil é uma coisa boa da mais visibilidade eu preferia que os animes fossem dublados os mais antigos e as legendas so para os em lançamento simultaneo.

    adoro o japao acho que eles tem uma otima cultura muito mais respeitosa que a nossa porem isso nao quer dizer que a cultara deles ou de qualquer outro lugar do mundo e melhor do que a nossa somos um pais multi culural e vivem em um mundo globalizado onde temos acesso a culturas de diferentes pais e isso e bem legal. tenho sim vontade de conhecer tokyo é uma das tres cidades que quero muito visitar conhecer mais de perto melhor mais nao pra morrar morro no rio e adoro minha cidade demais so até um pouco chato com isso mais nao da pra mudar minha cidade é
    maravilhosa.

    tenho um monte de mangas na prateleira cartas de yugioh e camisetas de animes gosto das camisetas e nao vejo problemas em usalas na rua estranho seria sair pro mercado com cosplay seja ele de anime serie ou filme pq no outro dia vi um cara vestido de thor homem de ferro e até hulk eu já vi nao é apenas os otakinhos tem muitas outras tribos de malucas por ai.

    eu nao consigo entender essa descriminaçao gigante que pessoas que lem op naruto bleach khR e o povo fala”so ve anime modinha” quando na verdade eu so gosto de boas historias se tiver um boa estoria eu vejo sempre dou uma olhada antes de sair julgando tal manga tal anime tal serie tal filme se eu gosto eu vejo pronto quem nunca viu e simplesmente fala one piece é uma merda nao sabem o que estao perdendo vcs que falam isso sem nunca ter visto o anime nao sabem o que estao perdendo eu nao perco nada so vcs que perde uma otima estoria e vmos parar com essa briga sem sentido entre os fãs de op naruto e db.

    DB sera eterno por ser da nossa infancia sempre que eu vejo eu sinto aquela nostalgia mesmo já tendo visto 1mlhão de vezes op e naruto sao os mais populares atualmente acabou e so mais uma coisa popaliridade nao significa qualidade nem historia boa já que nao se pode agradar grego e troianos sempre tera aqueles que nao iram gostar de determinado titulo entao pra eles nao tera qualidade.

    esta na hora de parar de frescura porque daqui a pouco esse povo que esta reclamando vai ta numa boa assistindo pelo CR nao me esqueço mais de toda aquela agitaçao quando lançaram kobato era “nossa qua manga horivel nao vo compra”, “vmos boicotar a jbc” e no fim nada colecionaram kobato e o manga vendeu bem mudando até pra perioridade mensal cheguei a conclusao de que o povo so quer reclamar por reclamar mesmo nao tem nada melhor pra fazer alem de passa a impressao pras pessoas de que todos sao assim e dps somo obrigados a ouvir piadinha chatas velhas e sem graça.

    adorei sua parodia da musica fko show e vc disse já tudo esta de parabens

    1. Muito obrigada =D!

      E sim, concordo com as tuas opiniões, todo mundo é livre pra fazer o que bem entende, gostar do que quiser, mas tem que ter bom senso e aguentar as críticas pelos seus atos. Nós podemos sim valorizar outras culturas, eu adoro o Japão, também sonho em viajar pra lá, só que não a ponto de dizer que lá é a nação mais civilizada de todas, o melhor lugar do mundo para se viver, enfim. É bem como você disse =)!

  5. Bela iniciativa do punch paralisar os animes que estão sendo traduzidos pelo crunchyroll atualmente, esta iniciativa poderia se estender aos fansubs que traduzem mangás que estão sendo lançados nas bancas.
    A vinda do crunchyroll para o Brasil foi com certeza o fato mais relevante que aconteceu em 2012 para os fãs de animes no Brasil, o correto seria boa parte dos fãs de anime apoiarem esta iniciativa(Ou teremos que ficarmos dependendo de meios ilegais, para consumir nossos animes, sem estarmos contribuindo em nada para as pessoas que se matam de trabalhar para produzir nossos desenhos favoritos.) , mas sabemos que tem muitos otakinhos criados com leite com pêra que não estão contentes por correrem o risco de perderem o seu episódio semanal do naruto.
    Gostei da paródia( Cuidado Josi, os otaquinhos já devem ter anotado seu nome no caderno do death note deles kkkkkk) , depois daquele vexame que deram os otaquinhos mulambentos no programa da fátima, realmente não me surpreendo mais com a falta de vergonha e bom senso dessa geração mupy, lamentável.

  6. Gostei da paródia vç tem futuro hehe =D. Como si não basta se o mundo esta cheio de
    Drogas, Violência, Maldade e tals ..

    E ainda tem esses otakus que sai na rua de cosplay se achando só porque esta se vestindo de um personaguem que não existi ?
    – Nossa mãe do céu !!! nem tenho palavra para descreve essa situação si mata seu inseto =(

    Se otaku é uma coisa mas sai com uma mochila cheia de chaveiros e bottons, fica pedindo esmola e falando um japonês de merda . (Não me compare com esse tipo de otaku é um erro).

  7. Pelo amor de deus

    Sério cara, protestar contra pessoas que não estão fazendo mal a ninguém e estão apenas sendo felizes? Para com isso sério mesmo

    Vão ver animes, protestar contra o governo, estudar ou sei lá, mas tudo menos isso, tudo menos esse elitismo porco

    Mas o ser humano tem que se sentir superior de alguma forma né? Engraçado que você disse sobre “quem se sentir ofendido tem necessidade de reavaliar seu comportamento perante as pessoas”, oras, este post neste blog e esta música são o quê? Não são você reavaliando seu pensamento sobre esse comportamento perante aos outros?

    1. Você sabe o que é uma paródia? Você sabe o que é tirar sarro de alguma situação? Brincar com ela? Então, meu caro, aceito suas opiniões só que você interpretou de forma errada o que eu quis transmitir. Protesto? Por favor, né? Isso não é um protesto. Elitismo porco? Ok, você que sabe.
      Pense: você acharia legal alguém, no meio da rua, sair com uma fantasia de carnaval, por exemplo? Você pode achar legal sim e afinal de contas, a vida é dela e ninguém tem nada a ver com isso. ENTRETANTO, quem não tem a visão tão ampla vai achar estranho e talvez começar a tirar sarro por “n” motivos. O que quero dizer é que você pode ser o que quiser, mas aguente a pressão externa sobre o que você pensa, exponha suas opiniões ou então ignore as críticas. Se as pessoas tem o direito de fazerem o que quiser, eu tenho o direito de fazer uma brincadeira com elas, afinal de contas, vivemos em um país livre, não?
      Essa liberdade que temos é tão boa que você tá aí criticando a brincadeira que fiz e eu estou aqui rebatendo com meus argumentos, você não acha isso muito interessante? Eu vou respeitar o que você pensa.
      Não se pode agradar a todos, ora, e se todos gostássemos das mesmas coisas, o mundo seria um lugar extremamente chato.
      Eu acho que você tá livre pra ser o que quiser. O comportamento “otaku hardcore” por exemplo, lugar disso é em eventos, NA MINHA HUMILDE OPINIÃO. Fora deles, ou fora do seu círculo, fora da sua casa, você tem que estar sim preparado para as críticas, não adianta negar. Você acha que eu também não sou julgada por algum comportamento que eu possa ter e que pareça estranho perante os outros? Então, todos temos. As pessoas podem me criticar caso se sintam ofendidas, eu tenho o direito de rebater e assim prosseguiremos.
      Enfim, muito obrigada pela sua opinião! 🙂

  8. Uma vez vi alguém falando em algum lugar que:

    “Discutir com um crente é como jogar xadrez com uma pomba, não importa o quão bom você jogue, ela vai abrir as asas e vai derrubar todas as peças, vai cagar no tabuleiro e então sair voando vitoriosa.”

    Se substituir a palavra crente por otaku, idiota ou o que for vai dar na mesma. No Japão ou mesmo aqui, otaku sempre foi e será um termo pejorativo.

    E dai?

    O problema é que tem muita frescura… Por definição otaku é a pessoa que conhece muito sobre um determinado assunto, e qualquer um que faça do anime ou manga ou qualquer outra vertente da cultura pop japonesa como um hobby, vai ser um otaku. Mas existe desde o otaku mais extremista e sem noção, do tipo que todo mundo adora apontar e acusar, aos mais moderados, que gostam das suas coisas e não ficam criando caso.

    Então só por causa do estereotipo de que “otaku é tudo um bando de imbecil alienado e sem vida social”, que um monte de gente já logo se dói “Eu não! Eu não!”. Preconceito sempre vai existir.

    Praticamente qualquer um que tenha lido esse texto, ou qualquer outro de qualquer outro blog do gênero é um otaku, e vai ter de aguentar ser julgado como tal, pela imagem que os mais excêntricos passam. E igualmente vai ter de passar uma imagem diferente.

    Sinceramente, isso é tudo um temendo anus caramelizado. Toda essa discursão é uma grande infantilidade.

    E só para constar, pra mim uma pessoa que não tem 10 reais por mês, está passando necessidades em casa, e a ultima coisa com que deveria estar se preocupando é com anime…

    1. Sim, eu sou uma “”””””otaca””””””. Eu gosto de cultura japonesa, aprecio animes, mangás, etc. E qualquer um nesse país tem o direito de ser portar de qualquer forma perante às outras pessoas, entretanto, se o seu comportamento é julgado como “estranho”, diferente, peculiar, ela tem de assumir este comportamento e aguentar as críticas. Tudo o que a gente faz na vida é passível de críticas, agora você tem que assumir o que pensa e não dar bola para os outros. No caso desta música, expressei boa parte do que penso. As pessoas são livres para agirem como quiserem, eu sou livre para pensar o que eu quiser também, fazer uma paródia, uma brincadeira e expor. Ninguém é obrigado a concordar comigo, eu estou me expondo à duras críticas também, mas assumo isso e tento argumentar, entende a diferença?

      No caso dos 10 reais por mês, na situação de hoje eu não teria este dinheiro para dispor, mas nós sabemos que a maioria do público que forma os otakus tem um poder aquisitivo razoável. Não fosse isso, a maioria não compraria mangás, iria a eventos ou compraria outras coisas relacionadas ao seu hobby, não é mesmo?
      Assim como generalizam essa imagem “otaku”, eu também generalizei.

      Muito obrigada pela sua opinião. 🙂

      1. Ah ta…!

        Relendo meu comentário, parece que estou direcionando ele especialmente ao autor do texto, mas essa não foi a minha intenção.

        Estava apenas reclamando de quem fica levando as coisas a serio demais ou que se ofende facilmente. É perda de tempo ficar se preocupando com essas coisas.

        A brincadeira é valida, a musiquinha ficou engraçada. Entendo o seu ponto de vista, esse tipo de coisa da um certo desgosto.

        Agora, serio mesmo que você não tem 10 Dilmas sobrando no fim do mês? Hoje em dia isso é triste….

  9. Por mais que haja toda a explicação do porque do uso dos xingamentos e que a paródia não tem o objetivo de ofender, acho sim que acabou ofendendo uma série de pessoas, principalmente as que não leram todos esses comentários explicativos. A música em si, principalmente quando usa dos xingamentos, que como foi dito foram usado para rimar, acaba sim ofendendo, principalmente os “otakinhos”. Ao ouvir percebi muito mais um teor ofensivo do que realmente para brincar com esse mundo e com as pessoas que o levam ao extremo, acho que se a proposta fosse realmente brincar não haveria esses xingamentos e sim mais curtição quanto as coisas que são típicas dos otakus. O que deveria ter sido essa curtição, para mim, pareceu muito mais uma crítica pejorativa, graças a esse teor de ofensa que senti em outras partes da música. Concordo com a ideia que a música quer trazer, mas não acho que ela será levada a séria pelo público que ela retrata exatamente por esse teor ofensivo, que pra mim de todo jeito está ali.

    1. Buenas, essa é a sua opinião e eu a respeito, e como visto, você já leu meus argumentos nos comentários anteriores. Assim como eu estou fazendo uma crítica, estou plenamente disposta a receber outras, ou acha mesmo que pensei que iria agradar a todos? Sempre tem quem não entende a intenção e de problemas por causa de confusões o mundo está cheio.
      Mas muito obrigada pelo seu comentário!! =)

      1. Não quero saber, crie outra música pedindo desculpas a nós, os otaquinhos. Mas usa de um anime popular porque não conhecemos esses animes bestas que vocês falam ai. Faz de another, o melhor animu do mundo.

  10. ACHO QUE O QUE VC FEZ FOI UM INSULTO AO MOVIMENTO OTACO, NÓS OTACOS DEVERIAMOS AMAR E RESPEITAR NOSSOS PARCEIROS OTACOS, E NÃO OS OFENDER.

    SER OTACO É ALGO MAIS DO QUE GOSTAR DE ANIMES, É SER OTACO NO CORAÇÃO, E ACHO QUE VC NOS OFENDEU DOLOROSAMENTE

    MAS O MOVIMENTO OTACO, NUNCA MORRERAS \O/

    1. Não me leve a mal, mas a palavra certa é “otaku” e não “otaco”.
      Otaco, pelo que eu sei não existe. Existe, sim, a palavra “tako”, que quer dizer “polvo”, em japonês.
      Um pouco de cuidado com a ortografia não faz mal a ninguém.

  11. Um ponto que você abordou no post e que me incomoda bastante é essa confusão por parte das pessoas do fã de cultura japonesa (ou simplesmente um curioso) com o otakinho padrão, eu costumo deixar claro que animes e mangás são apenas mais um (uns?) dos tipos de mídia que consumo. Adorei a paródia, sensacional. Quanto aos palavrões, faz parte. Um pouco de humor ácido não faz mal a ninguém.

  12. Pow, tem um pessoal que levou a brincadeira da Josi a sério. Eu que deveria me sentir mais ofendido do que vcs (olha ai meu nick) achei engraçado. Falta humor na vida de vcs =X

  13. Eu tinha receio de ouvir a música mais por achar que seria uma droga, como é na maioria das vezes essas paródias; mas, pôxa, eu realmente gostei da letra, ficou engraçada – principalmente por ser tão direta – , e apresentei a amigos meus que nem visitam blogs e eles também a acharam muito boa. Só queria mesmo lhe parabenizar por isso, porque quanto ao assunto que gerou a música, é algo que acho bem chato de se discutir, por ser um tema bastante recorrente e repetitivo… Pessoas assim acha-se em qualquer área, e de certa forma muitos que as menosprezam hoje já foram uma delas tempos atrás…

  14. Oia, curti a paródia. XD E pfvr, Kageyama regravando pra ontem essa versão com apenas boas verdades que só “ofendem” quem já sente que tá perdendo a mão e fazendo bobagem.
    Falando sério agora: Concordo que “sem noção” virou meio que sinônimo de otaku por aqui, mas não me importo com essa imagem. Se sou livre pra gostar do que quero, por que implicaria com quem gosta de passar vergonha e achar que está sendo discriminado sem razão? Acho até um certo exagero que alguns otakus mais maduros em sua admiração pela cultura japonesa se sintam mal por causa dessa imagem. Ela representa só uma parte, jamais será o todo. Se nós (me incluí) somos cientes de que a medida dessa nossa admiração é adequada (dentro dos níveis seguros de fangirlização, pfvr xD) por que se importar com a de quem não é? No que isso interfere no gostar de cada um?
    Assim, gostei da paródia, criativa e num tom de zoação bem legal. 🙂 O que me “deprime”, bem mais do que o otaku bagaceiro da tv, é esse povo que fica doído até a alma por conta de uma simples matéria e apenas por isso, tem se mostrado tão butthurt quanto os pobres otakus discriminados que acham coerente usar cosplay na rua. Baita mimimi de gente que se diz consciente, se aborrecendo por tão pouca coisa… Eu, por exemplo, gosto de anime, mangá e o pouquinho de cultura pop japonesa que sei. Se isso me garante a alcunha de otaku (ou admiradora de cultura japonesa, ou o nome que for) ou não, tanto faz como tanto fez. Ser comparada com o otaku que bebe Mupy com dorgas e que aparece nessas matérias sobre a “tribo” não vai influenciar nos meus gostos, só no pré julgamento que as pessoas que não me conhecem vão fazer de mim. O que pode ser resolvido de um jeito bem simples: Quem quiser me julgar pelo estereótipo, que o faça, não perco nada. E quem quiser conversar comigo, vai ver que nem todo otaku no Brasil é bagaceiro como os otakus da tv. Sem crises, sem webwars, sem motins. Sou à favor só das paródias. XDD

  15. A parodia ficou muito boa ela satirizou a maioria dos abtos da “turminha otaku” alias poderia ser trilha sonora da matéria do programa da Fatima Bernades quem sabe o estrago seria menor,acho que semana passada tivemos varios exemplos de otakus exagerados seja do programa já sitado ou em relação ao Crunchyroll Brasil (deveriam escolher um nome mais curto para este site) essa parodia veio na hora certa parabéns Josi, esperando mais musicas.
    IDEIA DE PLAQUINHA PARA OTAKUS : UM ABRAÇO POR 9,90
    a final vai ter que pagar o Crunchyroll

  16. Boa noite senhores!
    Gostaria de dizer que fiquei ligeiramente ofendido com -paródia- que a senhorita Josi criou. Eu poderia colocar inúmeros motivos que causaram meu descontentamento com tal paródia, mas como um bom e velho otaco tetudo, tenho preguiça expô-los aqui. Fiquei chateado e bolado, pois eu sempre assisti animus de graça e acho que isso é a coisa certa a se fazer, afinal, pra que pagar por algo que podemos ter de graça? Estamos fazendo 1 favor para a cultura japonesa em divulgá-la no programa da Fátima, quer pagamento maior que isso? E por favor, a parte do palavrão me ofendeu profundamente, pois senti que foi direcionado a minha pessoa, mesmo você não me conhecendo. Digamos que a carapuça serviu. rç
    Pensando seriamente em escrever o seu nome no meu Death Note, dona Josi.
    Passar bem.

  17. Hahahahahahaha, muito bom. Achei engraçado pacas. A letra é legal , mas sua voz não serve para cantar.

    Continue assim. Boa sorte com as críticas ruins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *