Primeiro Episódio: [K]

[K]ool: vale quanto pesa?

Sem dúvida uma das maiores promessas da temporada, tanto no pulo de fé dado por este blog quanto na opinião dos otakus japoneses, [K] tratou de logo no Primeiro Episódio corresponder as expectativas – ao menos as que apontavam para um começo literalmente explosivo.

Antes da sinopse, que trata do aparentemente inofensivo mas misterioso Yashiro “Shiro” Isana, efetivamente começar a ser abordada após a abertura, temos uma sequência alucinante de imagens que mostram afinal sobre o que o anime quer – e faz de tudo para – ficar marcado: a parte audiovisual é simplesmente fantástica, e a primeira impressão acerca disso foi claramente marcada para ser melhor ainda.

Não se enganem: a qualidade de animação vai cair. O próprio Primeiro Episódio tem seus momentos de inconstância, e o fato de termos aqui simplesmente o melhor tratamento visual em anos dado para uma série de televisão indica que no fundo o dinheiro não é suficiente para isto a toda hora – mesmo que o Project [K] esteja disposto a muita coisa para tornar este anime o próximo Ao no Exorcist ou Durarara!! – inclusive por aqui.

Claro que isto é pura conjectura e vale destacar do filtro azul onipresente, em uma versão amenizada da paleta de cores absolutamente artificial que permeia Mardock Scramble [do mesmo GoHands, antigo Satelight Osaka], até as diversas cenas – tanto as presentes nos diversos trailers quanto algumas novas quase tão impressionantes quanto. Ação, variada ação – do simples, direto e claro uso de poderes, ainda mais poderes em cores, até o melhor retrato até aqui de skateboarding em anime. Vale destacar a ausência de uma solução fácil como cenas de perseguição em carros maravilhosamente construídos em CG.

E apesar do character design de Shingo Suzuki não ser um dos melhores [o fato é que o protagonista parece esquisito] todo mundo é ao mesmo tempo genérico e acessível o suficiente para fazer a alegria dos fãs que esperam por certas personalidades que já emergem do design e com aquele toque único que os tornem diferenciados sem soar forçado – fora que a equipe de animadores está trabalhando bem o bastante para manter ao menos certo padrão.

De novo, [K] é estilo – e o estilo presente de forma absoluta aqui não está presente somente na animação fantástica ou na trilha sonora competente [mesmo que nada de excepcional], mas em todos os detalhes e orifícios da obra. O anime é um projeto absolutamente comercial e a intenção é muito clara no sentido de ser fabricado um novo hit – e em uma mídia aonde de Code Geass a Gurren Lagann temos diversos projetos claramente manufaturados para agradar a [quase] todos com resultados expressivos, por que não? O que não pode é se perder como tantos – e um exemplo recente disto é Guilty Crown.

Ao pensarmos no que [K] quer ser, a primeira coisa que vem na cabeça é o já citado Durarara!! e sua Ikebukuro pulsante, moderna e cheia de personagens prontos para agradar literalmente a qualquer tipo de público – claro que isso não impediu de termos uma escola futurista ou uniformes militares lindos a la Code Geass. E esta construção de mundo soa algo orgânica, mesmo não tendo [nem querendo] muita criatividade, muito pensar sobre como seria afinal uma sociedade futurista. É o mundo atual com algumas firulas fáceis e ponto, é o suficiente e é a fórmula certa para não errar.

Justo, afinal o mais difícil será fazer o que até aqui não conseguiu no Primeiro Episódio: entregar uma história cativante. Neste grande comercial colorido de vinte e quatro minutos que tivemos, tudo foi legal de se olhar, mas certa fatia do público está desconfiada ou simplesmente não gostou de mais do mesmo. A história é diluída ao ponto do clichê e do fácil – e o fato de querer mostrar muito por ora não facilitou em nada o sentimento de empatia por aqueles personagens.

O foco depois dos sete minutos de abertura em Shiro, seu personagem misterioso, bonzinho e vazio do tipo que é mais apreciado no Japão não ajuda um anime cujo ponto fraco – ironicamente, já que o time de dubladores é estelar – são os diálogos. O que a ação consegue mostrar por si só aqui não encontra equivalente na hora em que o espectador ao menos deveria sentir empatia pelos personagens – e o resultado final acaba sendo insosso demais para alguns.

Mas mesmo estes deveriam dar mais uma chance a [K]: mais do que outros animes, este Primeiro Episódio foi um grande – e sim, divertido – teste, uma introdução de como as coisas devem ser daqui para a frente. Eles estão tentando, tentando até demais, vender seu peixe; e sim, o risco de termos um novo Guilty Crown existe. Todavia aqui parecem estar evitando o principal defeito deste tipo de anime que é tentar exagerar nas reviravoltas – o grande confronto aqui já foi anunciado: resta saber se o caminho até lá será divertido. Pegue seu balde de pipoca bem amanteigada e aquele refrigerante quase congelando e aproveite porque sim, esta jornada parece que será tão divertida quanto foi este Primeiro Episódio.

Quer uma segunda opinião acerca o assunto? Acesse o Anikenkai e descubra!

[K]ool: vale quanto pesa? Sem dúvida uma das maiores promessas […]

20 thoughts on “Primeiro Episódio: [K]”

  1. Achei os dialogo normais, bons ate, ja que o pessoal fala como gente normal (menos nosso samurai, que sofre de Chuunibyou), o que acontece e que nao teve uma parada do tipo “agora explicamos a situacao” e eles nao declaram as acoes ou pensamentos. E tudo deixado pra suas acoes. Concordo que ninguem passou carisma, ate porque, foram 17 (!) personagens na tela. Acho que vai demorar tempo pra pegar carisma com alguem.
    Porem, gostei do protagonista. E bom ver alguem que lida bem com as pessoas sem ser pegajoso. Estranho e que ele negou o (SPOILER) assassinato. Penso se foi ele mesmo.

    1. Achei normal, não é afetado/teatral, mas ainda passa mais a impressão de script do que de pessoas que realmente existem. E são normais, não inspirados como se espera de obras genuinamente ótimas.

  2. Esse primeiro episódio foi bastante interessante, essa quantidade de personagens, os poderes, a escola futurística, pode chamar a atenção de muita gente, fazendo com que [K] se torne um “mainstream”. Com isso vira mais cobrança pra cima e com certeza as pessoas não vão querer ver outro Guilty Crow e sim outro Durarara.

  3. O anime é bonito. Nem diria bonito, mas lindo. Tem técnica de direção apurada de fazer inveja. Tem excelente trilha sonora. Mas mesmo assim não me empolgou…

    Não sei se foi excesso de fanservice no 1º episódio (para agradar otakus e fujoshis) ou se foi o plot totalmente raso, que de cara dá para prever como vai se desenrolar. Acho que o anime ainda sofreu um pouco pelo escesso de referência a outros animes, como Durarara sendo o mais claro, até pela disputa entre gangs/grupos que lembra demais o segundo arco do anime do Shizuo. Muitos personagens ainda parecem caricaturas de outros.

    Por isso devo insistir até o segundo ou terceiro episódio para ver se dropo ou não, pq potencial tem bastante. Medo de ser um novo Guilty Crown existe, mas vamos ver como fica…

    Aliás, viram que a palheta azulada presente no anime não existe qdo a garota lolita olha pela esfera vermelha, vendo um mundo “normal”? Por conta destes detalhes, mais do que pelas espadas bizarras que surgiram qdo os RED encontram os BLU, me fazem dar uma enorme tolerância ao anime, pq coisa muito boa pode sair daí.

  4. 1° episodio não foi muito bom, tirando a parte visual,
    a historia do anime não me prendeu, vamos ver mais alguns
    episódios, onde isso vai parar.
    Mas to achando que esse anime vai ser decepção da temporada.

  5. “…o risco de termos um novo Guilty Crown existe.”

    Pelo que eu saiba se chegar a conseguir a mesma popularidade e vendas de DVDs de Guilty Crown já será uma boa marca alcançada… já que GC teve as duas coisas de forma satisfatoria.
    Se fosse só um segundo Guilty Crown seria até bom, mas o problema é que é um segundo N°6 tbm…
    O pessoal tah reclamando do fanservice (a gatinha voando pelada), eu reclamo do Shounen-AI! É a mesma premissa de N°6, o protagonista de cabelos brancos e seu principe encantado de cabelos longes e escuros… se não fosse uma animação eu diria que são até os mesmos “atores” que fizeram N°6 (Shion & Nezumi).

    Dropei, mas torço que vire sucesso… afinal de contas tanto Guilty Crown como N°6 foram apreciados pelos fãs,não é porque eu não goste que seja ruim né!?

    1. Guilty Crown – principalmente nos BDs mais recentes – está mais para razoável. Ainda mais com toda a propaganda que teve. Um Nyaruko-san vender 5k é uma coisa, um Guilty Crown vender 5k já é meio decepcionante.

      E estão jogando para todos os lados, não deve chegar a rolar beijo ou qualquer coisa do tipo. Mas se acha que deve dropar, quem sou eu para falar?

      1. Calma… foi só o primeiro episodio.
        Eu tbm achei que não ia rolar beijo em N°6 e acompanhei até o episodio 05 e não é que o tal beijo veio. Coloquei a mão no fogo uma vez e não pretendo colocar de novo, o beijo pode vir a qualquer momento… é tudo uma questão do clima surgir entre o “casal”.

  6. A minha expectativa em cima de K é realmente muito alta, e consequentemente estou com muito medo de me decepcionar… acho que não posso dizer que o primeiro episódio foi uma decepção, mas eu certamente esperava algo mais! No entanto acho que ainda é meio cedo para afirmar se o anime não vai prestar, alguns começam meio lentos e só mostram a que vieram um pouco mais a frente.
    Torço para que K seja um desses!!

  7. Técnicamente é muito bom e a naturalidade do guri do skate foi demais!
    Vou ver o anime só pela técnica…sendo que o enredo parece que não vai ser absurdamente bom…dai minha pouca esperança no enredo/história do anime mas de resto mandaram bem! Nota especial para o “plágio” nas roupas dos alquimistas do Full Metal Huhuahuauha

  8. Episódio horrivel na boa
    Qualquer anime da nova temporada apresentado até agora foi melhor, espero que Psycho não decepcione. Façam uma review dos dois episódios de ShinSekai Yori, que foram muito bons.

    1. Serio? qual outro anime tem uma qualidade de animação de K? entaão vamos com calma, ainda tem muita coisa pra rolar.. de ruim ou de bom. Pois Bunsou Shinki é o pior, vcs não imaginam quanto, toy store versão japonesa.

  9. A expectativa que fica é se [K] conseguirá ser um produto rentável o suficiente pra virar franquia. Até o momento, animes com a mesma formula, e menor investimento, têm se saindo bem melhores do que esses projetos megalomaníacos e pretensiosos recentes.

  10. É aquilo, LINDO, mas sem conteúdo.

    Outros animes desta temporada, que nem eram tão bem vistos, como Tonari e Zetsuen no Tempest! cativaram mais do que o anime mais esperado.

    Acredito que o primeiro episódio tenha que ter algo que te prenda a primeiro momento e não que você fique na dúvida de PODE ser que melhore nos próximos. Tem que ter alguma coisa que te dê vontade de ver o próximo ep.

    Por ser o mais esperado, decepcionou bastante.

  11. Gostei muito do episódio 1, além do show visual que todo mundo viu, a condução foi boa, sem ser nada expositivo. Eles tão no meio da batalha, não tem porque parar pra explicar as coisas pra quem ta assistindo entender, apenas algumas peças foram jogadas. Foi isso que me atraiu. Vamos ver daqui em diante.
    Mas o anime se vendeu pelo estilo desde o começo, nunca prometeu história épica nem nada, e entregou o que tinha anunciado, então acho justo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *