Primeiro Episódio: Tonari no Kaibutsu-kun

Uma garota tsundere e um cara totalmente bipolar apimentam essa comédia romântica que já saiu encantando a todos!

Aqueles uniformes vermelhos, aquela garota tsundere, aquela comédia… Não, não é ToraDora!. O primeiro episódio de Tonari no Kaibutsu-kun foi algo acima do que eu esperava. Nas apostas deste blog, o anime foi considerado uma das grandes e, se continuar condizente com as primeiras impressões, certamente terá tudo para conquistar muitas pessoas.

Mizutani Shizuku é a garota. Yoshida Haru (o Monstro-kun) é o cara. Ela é incumbida por uma professora, em troca de um livro, à entregar as anotações na casa de Haru, um estudante que estava suspenso por ter, logo no início do semestre, se envolvido numa briga. Apesar de o prazo da suspensão ter terminado, ele se nega à voltar para a escola.

Nesse ínterim ocorre o primeiro encontro dos dois. Aparentemente, ele mora em um fliperama (?) e já encara Shizuku de maneira agressiva achando que ela é algum tipo de espiã que vai arrastá-lo de volta à escola. Haru foge pela janela, e ela decide ir embora, quando ele a derruba subitamente no chão para colher mais informações num ato de estupidez que WOOOOOW, primeira coisa que vem à cabeça é “WTF?!”.

Por não conhecer o manga, cheguei ao anime de forma totalmente crua e sem saber o que esperar apenas lendo a sinopse. Confesso que pensei encontrar mais um shoujo “tradicional”, com seus clichês de sempre, mas não…

Shizuku pode até aparentar ser aquela menina birrenta no começo, mas logo já é desmistificada. Haru, por outro lado, é uma incógnita: de delinquente juvenil, passando por um garoto carente, se mostra impulsivo tanto para o lado bom quanto para o lado ruim. Se existe algum termo que defina a personalidade dele, o termo ideal seria “multipolar”.

Por conta da oscilação de reações de Haru, o episódio passa voando, muitas coisas acontecem, são informações atrás de informações que ficam  na medida para não te deixar confuso e de quebra ainda te arrancam várias risadas.

Entretanto, Haru se mostra também violento com Shizuku desde aquela primeira abordagem em que ele a derruba, depois uma cena em que joga suco nela numa lanchonete por ela tentar alertá-lo sobre os falsos amigos, até uma cena contraditória na qual, para tentar defendê-la de uma ameaça que nem existia, acaba acertando um soco no rosto dela e a deixa sangrando. Como a ambientação está toda na comédia, estes atos violentos acabam passando “despercebido” para alguns.

Shizuku é uma garota durona e sabe se defender quando necessário, mas acaba se amolecendo pela carência de amigos de Haru. O lado sensível dele é de deixar qualquer um balançado, sua ingenuidade é digna de pena, tanto que várias pessoas tiram proveito disso. Porém, não é este lado que é suficiente para justificar as atitudes “ruins” dele.

Os pouco mais de vinte minutos do episódio, como dito anteriormente, passaram voando, e foi tudo tão intenso que já teve até a declaração de Haru para Shizuku – um momento cômico, diga-se de passagem – e um beijo roubado no final isso sem citar a disputa pelas notas que ela estabeleceu por conta própria quando descobriu que um dia ele esteve à frente dela no colégio…

A animação está linda, conta com cores vibrantes e SDs graciosos, ponto para o Brain’s Base. Em suma, este Primeiro Episódio, logicamente que com algumas ressalvas, foi encantador e gerou aquela ansiosidade para acompanhar de perto todas as semanas. Particularmente sentia falta de um anime assim, agora resta saber como vai se manter o ritmo da história, se os episódios terão esta mesma metodologia do primeiro… Mas ainda há muita água para rolar, temos outras personagens para conhecer, além claro, de uma galinha.

Uma garota tsundere e um cara totalmente bipolar apimentam essa […]