DAICON IV

A melhor brincadeira de criança da história da animação japonesa.

Em 1981, foi requisitado a dois estudantes da Universidade de Artes de Osaka chamados Hideaki Anno e Hiroyuki Yamaga que criassem um vídeo para a abertura da Nippon SF [sci-fi] Taikai [ou Convenção SF do Japão] daquele ano, desta vez localizada em Osaka e conhecida como DAICON III [Dai é uma associação de kanji com o Osaka e Con, abreviação de Convention, além de uma brincadeira com a palavra que em japonês significa rabanete].

Junto com o colega Takami Akai eles apresentaram um belo vídeo [com direção e cenários de Yamaga, animação e character design por Akai, mecha design e efeitos especiais por Anno] contando a história de uma menina que luta com todos os tipos de adversários possíveis – claro, estrategicamente colocados para referenciar inúmeras obras reverenciadas pelos fãs de SF – para entregar um copo d’água ao DAICON – mesmo ultrapassado e com animação obviamente limitada [caramba, foi o trabalho de basicamente três amadores até então] é algo que ainda tem sua cota de diversão para o espectador atual, imagine naquela época.

DAICON III foi divertido, mas apenas um sucesso – e os três estudantes foram para Tokyo trabalharem como animadores no clássico Super Dimensional Fortress Macross [1982], aonde adquiriram mais experiência e contatos. No ano seguinte, haveria um novo SF Taikai em Osaka, portanto um novo DAICON – e a equipe, agora acrescida de talentos como Yoshiyuki Sadamoto e Mahiro Maeda, faria um vídeo ainda mais ambicioso que o original. E superando as expectativas de todos, surge DAICON IV.

Após uma breve recapitulação de noventa segundos do acontecido em DAICON III, vemos que a menina cresceu – agora ela é sexy, está vestida de coelhinha da Playboy e sem qualquer motivo – mas ao som da bela música Twilight, do Eletric Light Orchestra, que inclusive passa a sensação da obra ser um grande videoclipe – começa a cair na porrada com mais monstros, robôs gigantes e diversos do que no original.

E apesar da “história” ter piorado [como dito no válido review do AnimeHaus], a animação e o ritmo são tão sensacionais que fazem toda a experiência valer a pena – afinal, porque um vídeo simplesmente feito para ser uma abertura de um evento deveria preocupar-se em ter alguma mensagem por trás [claro, além de inúmeras participações como do Homem-Aranha ou da nave Yamato]?

Aqui temos pura diversão feita por pessoas que queriam provar que eram capazes de fazer algo grandioso [os dois vídeos são ambiciosos, mas o exagero de DAICON IV é notável] e que deixasse espectadores mesmo quase trinta anos depois do vídeo de queixo caído, porque apesar do traço ser datado e envelhecido, a animação continua sensacional – e para alguns nostálgicos, é feita a mão.

Esta – juntamente com a execução extremamente competente e que consegue plenamente passar o pretendido pelos autores – é a razão do tremendo sucesso principalmente do curta [lembrado até hoje em obras de FLCL a Densha Otoko], que atraiu a BANDAI Visual a financiar o DAICON Film a fazer um filme de SF também dirigido por Yamaga. E para produzir este, Wings of Honneamise, o grupo de amigos fundaria em Dezembro de 1984 uma empresa que revolucionaria o mundo do anime para sempre: a GAINAX.

A melhor brincadeira de criança da história da animação japonesa. […]

3 thoughts on “DAICON IV”

  1. Uma bela animação só não digo que afrente do seu tempo pois nos dias de hoje uma animação assim é coisa rara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *