Ano Natsu de Matteru #04: A, B, C, Distração

Ano Matsu de Matteru #03: Segredos e Fantasias

Um episódio divertido e com um quê de distração neste que é o último antes da história efetivamente começar em Estamos Esperando Naquele Verão.

Bem, termos uma Part A leve e algo divertida que leve a uma Part B aonde a história do episódio realmente se desenvolve parece mesmo ter sido a estrutura abordada pela equipe de produção de Ano Natsu de Matteru – mesmo a série tendo diversos cliffhangers [algo que não acontece neste episódio], logo em seguida ao menos certa porcentagem do status quo logo volta no começo do seguinte. Mas, claro, aqui – mesmo lentamente – a história segue seu curso natural como se estivesse flutuando em um rio com um único destino certo ao seu final.

E neste episódio começamos pelos últimos momentos do sexteto de protagonistas antes das férias de verão na escola, focados principalmente nos pequenos lances [como Kaito praticamente sonhando com Ichika somente para abraçar… Tetsurou, como mostrado na primeira imagem deste artigo e conversas.

Aqui o triângulo amoroso principal pergunta aos personagens secundários o que pensam sobre toda aquela situação: afinal, se Garota-A gosta de Garoto-B, o que será que Garoto-B pensa a respeito de Garota-A? Como dito anteriormente nesta série de artigos, isto é tão adolescente que doi. Claro que temos uma adolescência algo mascarada, falsa, na medida para um fandom otaku [por isto esta série infelizmente jamais será algo verdadeiramente grande], mas quem se importa?

Assim, lentamente o círculo vai mais e mais se fechando – teremos mais a frente algumas viradas de mesa que finalmente devem mostrar a outra face desta série, mas até aqui temos presente – e executado com maestria – o lado que foi apresentado como a proposta inicial de Ano Natsu de Matteru, o da comédia romântica.

Ela até escorrega um pouco em não ser um perfeito exemplo da junção entre o lado mais exagerado provindo de Onegai Teacher e das séries do estúdio J.C.STAFF que fizeram fama no gênero e o mais contido [low key] que vem da última obra do diretor, Ano Hana. Claramente a intenção aqui é ser as duas coisas ao mesmo momento, o que em sua maioria consegue, mas ainda falta um pouco de liga aqui.

Partindo para a Part B deste quarto episódio, Kaito Kirishima está voltando para sua casa quando encontra o plot device que irá dar o tema deste episódio de distração, de alongamento enquanto não começa para valer o anime que é uma bela e jovem mulher a bordo de um bonito carro – afinal, como Ichika, completamente tomada pelo ciúme, se pergunta, quem é esta pessoa que aparentemente Kaito conhece e até de certo modo confia?

Assim temos presente uma verdadeira aventura vivida entre os três – enquanto Kaito e a desconhecida desde fazem compras até vão assistir a um filme de HighSchool of the Dead [sim, um jeito maroto da produtora Geneon Entertaiment promover seu anime de zumbis], Ichika vira uma verdadeira stalker que chaga a ir até a casa desta terceira pessoa para resgatar Kaito – afinal, está tomando conta deste para a Onee-chan-san.

Mas claro que tudo isto era na verdade uma longa – e divertida – maneira de distrair o espectador, afinal a irmã de Tetsurou, de volta a pequena cidade após uma briga com seu marido, era somente o afirmado acima – um recurso de roteiro. E assim os dois fazem as pazes após o clima de dúvidas [e um pouco de ilusões] presente nos últimos dois episódios – e após um rápido clipe que mostra Ichika ajudando nos estudos de Kaito, a escola finalmente acaba.

Nada melhor que o clipe final deste episódio para marcar o fim deste primeiro arco. Como dito no próprio anime, em ritmo de narração:

Kaito: As férias de verão estavam para começar.
Ichika: Aquela que nunca iria esquecer.
Kaito: O verão inesquecível.
Ichika: Tenho certeza…
Kaito: …que todos sentem o mesmo.
Ichika: Alegria, tristeza, dor.
Kaito: Tudo inesquecível…
Ichika: …e diferente de tudo…
Os Dois: …naquele verão que estava para começar.

Aproveitando que temos aqui uma resenha menor que a de costume, torna-se válido analisar tanto a abertura quanto o encerramento deste anime. Quanto as músicas, temos duas peças que são sobretudo simples e eficientes em seu clima melancólico que repito, dará a tônica da série como um todo. Nesta série de 1-cour sem orçamento de sobra para invencionices, não pode ser adotada uma solução criativa com múltiplas aberturas e encerramentos para cada situação proposta – até porque o diretor adotou aqui uma abordagem totalmente básica da obra.

Já a animação, apesar de algo limitada – e controlada – é tão bem-feita como na obra em si, utlizando filtros e outros componentes em prol de uma melhor experiência. Tanto em uma como na outra vemos que o importante é, como dito constantemente nesta seção, aquele grupo de amigos – que viverá nos oito episódios restantes da série aquela aventura inesquecível.

E tudo começa no próximo episódio…

Ano Natsu de Matteru #05: Luzes, Câmera, A- Chuva.

Ano Matsu de Matteru #03: Segredos e Fantasias Um episódio […]