Tag Archives: A-1 Pictures

“Silver Spoon” tem estúdio, diretor e mais infos reveladas!

sspost

Novas informações foram divulgadas a respeito da adaptação de Silver Spoon, atual mangá da autora do sucesso Full Metal Alchemist, Hiromu Arakawa!

Para começar, o estúdio que ficará responsável pela animação será o A-1 Pictures, conhecido por bons trabalhos tais quais Space Brothers (Uchuu Kyoudai), [email protected] e Ano Hana! Um estúdio de peso e bem competente! Além disso, o diretor encarregado será Tomohiko Ito. Uma escolha um tanto controversa tendo visto que seu último trabalho no cargo foi Sword Art Online. Porém, é sempre aquele caso de que pode ter sido problema do material original e não do diretor em si. Aquele primeiro episódio mostra como ele é competente. Por fim, o roteiro ficará a cargo de Taku Kishimoto, o homem responsável por adaptar Usagi Drop para anime. Eu gostei muito do trabalho dele e espero que isso se repita em Silver Spoon.

Além desses, foi divulgado também que o diretor assistente será Kotomi Deai, que apesar de não ter se destacado muito, já trabalhou em produções e peso, como Usagi Drop, Sakamichi no Apollon e Michiko to Hatchin. A música da série ficará a cargo de Shusei Murai, cujo trabalho de maior destaque creio ter sido a parte musical da adaptação para anime da série americana Supernatural. Por fim, o design de personagens foi feito por Jun Nakai, responsável pelos personagens dos filmes de Mardock Scramble.

A data de estreia já havia sido confirmada para Julho, na temporada de Verão! Com essas novas informações, a ansiedade cresce por essa adaptação!

Hiromu Arakawa começou a escrever Silver Spoon, ou Gin no Saji em japonês, em 2011, pouco tempo depois de ter terminado Full Metal Achemist. Um mangá sobre um garoto em uma escola agrícola no interior do Japão que está fazendo um grande sucesso.

>> アニメ「銀の匙」7月より放送開始!スタッフ、キービジュアルも公開!制作:A-1 Pictures

Novas informações foram divulgadas a respeito da adaptação de Silver […]

Primeiras Impressões – Sword Art Online

[nggallery id=4]

Eu sempre gostei de animes baseados em universos de MMO. Esse meu gosto pelo gênero começou quando assisti a .hack/SIGN no auge da minha jogatina de Ultima Online (alguém lembra desse MMO?). Claro que pra mim foi sensacional ver todo aquele universo criado no anime e imaginar como seria jogar um MMO daquela maneira. Desde então pouca inovação se viu nesse nicho sendo a série .hack ainda a mais representativa. Tivemos recentemente também o filme Summer Wars, ganhador no 1º Anikenkai Awards, mas este se passava no mundo real e pouco no virtual. Estava para nascer um anime que traria o gênero de volta ao centro das atenções. Sword Art Online estreou para honrar essa promessa.

Gamers ao redor do mundo estão em polvorosa pelo lançamento do mais novo MMO do mercado, Sword Art Online. No dia do lançamento, as cópias esgotam das lojas e dez mil pessoas se logam em seus NerveGears para jogar. O sistema permite imersão total do jogador no universo do jogo. O jovem Kirito teve a sorte de participar do beta do jogo e agora está pronto para encarar o verdadeiro desafio… mas este será maior do que ele imagina. Acontece que o criador do jogo decidiu que a única maneira dos jogadores “voltarem” para o mundo real é zerando o jogo. Se morrer no mundo virtual, morre no mundo real e se alguém remover o NerveGear de sua cabeça, também é morte certa. Kirito então tem que usar toda sua habilidade para atravessar os 100 níveis de desafio e sair vitorioso. Enquanto isso o “mundo real” assiste atordoado ao genocídio de milhares de pessoas.

Com excelentes cenários, character design básico, mas competente, e uma animação um tanto acima da média, Sword Art Online agradou a muitos espectadores. A mim, ele conseguiu superar minhas já altas expectativas. Isso aconteceu por vários motivos. Primeiro, o anime me atraiu por ser ousado e eliminar “magia” de seu mundo virtual. Os personagens tem que “cair na mão” nas batalhas. Todo o visual do universo virtual também ficou interessante, com destaque para o menu abrir “no ar” à frente dos personagens. Isso faz com que a gente tenha sempre a noção de que aquilo ali é um jogo. E por fim, a ideia de “jogo de sobrevivência” criou o suspense necessário para me deixar interessado pelos próximos episódios. O nível altíssimo do desafio também me deixou curioso para saber como o protagonista vai encarar tudo isso.

Para mim, foi a melhor estreia da temporada até agora. Não posso garantir que será o melhor anime, mas se só valesse o primeiro episódio, ele levaria. Recomendo muito esse anime para quem curte uma boa aventura/sobrevivência.

[nggallery id=4] Eu sempre gostei de animes baseados em universos […]

Uchuu Kyoudai (Space Brothers) – Primeiras Impressões

Se você não é ainda uma jovem criança, com certeza deve ter acompanhado a Copa do Mundo de 2006. A Copa em que Zinedine Zidane encerrou sua carreira… dando uma cabeçada em outro jogador. É, você lembra disso. Mas o que esse acontecimento tem a ver com Uchuu Kyoudai, um anime sobre astronautas? TUDO! Vamos a ele…

A História

Os irmãos Mutto, mais velho, e Hibito, mais novo, são crianças bem diferentes das demais. Enquanto a maioria das pessoas acompanhava a cabeçada de Zidane na Copa do Mundo, os dois exploravam a natureza perto de suas casas e, foi nesse dia, que ambos viram um OVNI bem na sua frente, que depois se dirigiu para a lua. A partir daquele dia, o futuro era certo, iriam se tornar astronautas.

Porém, o tempo passou e Mutto acabou empregado de uma empresa de engenharia. Apesar de competente, era frustrado por nunca ter completado seu sonho. Já Hibito, com a sorte e dedicação que lhe acompanha desde criança, estava na NASA, prestes a embarcar em uma missão à Lua.

Foi então que, no limite de sua frustração e após ouvir seu superior falar mal de seu irmão, Mutta dá uma cabeçada a la Zidane nele e é prontamente demitido. Tendo que retornar à casa dos pais, se vê com o “nome sujo” em todas as empresas que tenta buscar um novo emprego. Hibito acaba sabendo da situação do irmão e o inscreve no programa de seleção de novos astronautas. Quando Mutto recebe a carta de aceitação no programa, ele vê a possibilidade de realizar seu sonho se materializar. Porém, ele não quer só virar um astronauta, quer superar seu irmão que vai a lua… ele quer chegar a Marte.

Comentando…

Eu estava esperando muito por esse anime. Confesso que esperava mais por esse que por Zetman. Eu sempre fui fascinado pelo espaço, sempre tive um desejo lá o fundo do coração de me tornar um astronauta e viajar o cosmo. Meus gostos no entanto, foram sendo alterado pelo decorrer do tempo e eu acabei deixando minha paixão pelo espaço para a ficção e para a curiosidade. Então quando eu tenho uma obra que explora esses temas de forma mais “realista”, é nela que eu vou colocar minhas apostas.

E que apostas certeiras. Para começar, vamos falar da direção do episódio…

O diretor, Ayumu Watanabe, teve experiência basicamente só com a animação de Doraemon. Era uma incógnita como seria seu desempenho em uma série mais séria. Porém, ao terminar de assistir esse primeiro episódio, dá pra ver que ele é bem competente. O roteiro fluiu de maneira levíssima! Nós acompanhamos os personagens principais desde moleques até adultos e em momento nenhum parece corrido. Dá pra perceber que o diretor escolheu certeiramente que momentos mostrar para o espectador e ligá-los criando uma coesão de tempo e espaço importantíssima para a construção dos personagens.

Alguns podem dizer que as reações do Mutto durante o episódio foram exageradas, já eu enxergo por outro lado: além de acrescentar ao fator cômico da série (sim, temos comédia também), ele mostra um lado frágil do personagem, um lado frustrado com sua situação, um lado mais emotivo. Outra crítica que eu acompanhei foi quanto ao trabalho dos dubladores do Mutto e Hibito. Bem, eu não os achei sensacionais, mas não achei que comprometeram a qualidade do trabalho como um todo.

E voltando rapidamente ao diretor, gostaria de destacar a montagem do anime. Achei muito legal as partes em que a tela fica dividida mostrando uma continuidade de eventos. Contribuiu bastante para a condução da história. Trabalho competente. Espero que continue assim.

Tecnicamente falando…

O estúdio A-1 Pictures é bem competente. É dele produções como The [email protected]Seikimatsu Occult Gakuin e Working!. Em Uchuu Kyoudai, continua com seu bom trabalho trazendo uma animação limpa, com character design adequado ao clima da série e fluida na medida do possível e do necessário. Digo isso pois em um anime slice of life como esse a animação não precisa ser impecável. Uma boa direção faz-nos revelar quaisquer “problemas” que possamos ter nesse aspecto do anime. Mas ainda assim, gostei da execução.

Não há muito o que comentar sobre a trilha sonora, mas gostaria de dar destaque para a abertura, que eu gostei bastante… tanto a música quanto o vídeo. Totalmente em sintonia com a série.

Para fechar…

É claro que eu gostei de Uchuu Kyoudai. Arrisco dizer que poderá ser um dos melhores da temporada para mim. Infelizmente, acho muito difícil que tenhamos uma história completa nesses 12 episódios programados para a série. No Japão já temos 17 volumes publicados do mangá original… bem, mais um mangá para a pilha de leitura. Espero que vocês também gostem desse anime como eu gostei. Competente, divertido e agradável. Recomendado.

Se você não é ainda uma jovem criança, com certeza […]