Primeiras Impressões – Animes de Primavera 2016 – Parte 3

As estreias não param! E aí? Já começaram a decidir o que vão acompanhar nessa temporada? Nessa terceira parte dos posts de Primeiras Impressões da Temporada de Primavera 2016 falaremos de Joker GameRe:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu Sousei no Onmyouji.


Joker Game – Direção: Kazuya Nomura – Roteiro: Taku Kishimoto – Estúdio: Production I.G.

Joker Game - 01

Que estreia sensacional, ein! Se você é daqueles poucos (ainda bem) que estão em dúvida de assistir por causa do traço um tanto quanto bishounen dos personagens, digo para deixar o preconceito de lado e curtir esse que tem tudo para ser um dos melhores animes dessa temporada.

Ambientado na época da Segunda Guerra Mundial, mais especificamente nos conflitos da 2ª Guerra Sino-Japonesa, nós acompanhamos Sakuma, um oficial do governo que é mandado, ao que parece, para supervisionar as ações da “Agência D”, uma subdivisão secreta do exército que tem como objetivo reunir um grupo de civis excepcionais, treiná-los nas mais variadas artes de combate, persuasão, sedução, sobrevivência, etc, para serem usados como agentes secretos em missões ao redor do mundo. Nesse primeiro episódio ficamos conhecendo um pouco dessa agência, de seus agentes e até, vejam só, do sentido do nome do anime, em uma cena que explica a posição do Japão frente ao cenário da “inteligência” mundial.

Tudo executado com o primor tecnico do Production I.G., com um ritmo de tensão crescente e cenas muito bem montadas pelas mãos do diretor Kazuya Nomura (Robotic;Notes) e com diálogos afiados e situações muito bem estruturadas pelo roteiro de Taku Kishimoto (Boku dake ga Inai Machi). Eu fiquei realmente satisfeito com esse primeiro episódio e, depois daquele final, não tem como não querer ver o próximo episódio.

Sou sempre aberto a animes históricos, especialmente aqueles que procuram ser um pouco mais verossímeis, embora ainda se permitindo certas “liberdades poéticas”. Joker Game tem sim um pé na tentativa de agradar uma parcela do público em ver caras bonitões e sedutores de terno, mas não vejam o anime como algo menor por isso. Quem gosta de filmes, séries, livros, etc, de espionagem provavelmente vai encontrar em Joker Game o anime para se assistir nessa temporada.

:: Confira o vídeo de Primeiras Impressões EM UM MINUTO de Joker Game!


Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu – Direção: Masaharu Watanabe – Roteiro: Masahiro Yokotani – Estúdio: White Fox

Re Zero Kara Hajimeru Isekai Seikatsu - 01

Ah não! Mais uma vez um anime de “cara normal do mundo real vai parar em um mundo de fantasia”?! Mas que coisa irr… hummm… peraí… hummm… gostei disso… eita, gostei do episódio.

Pois é. Re:Zero me pegou de surpresa com um primeiro episódio (duplo) bastante interessante. Ele mostrou que teria um quê a mais logo quando o protagonista, Natsuki, chega no novo mundo. As pessoas na rua reagem estranhamente a ele e ele só se ferra pois não sabe reagir aos acontecimentos daquele universo. Ele está sem dinheiro, apanha de bandidos, etc… enfim, ele tem dificuldades até finalmente encontrar a heroína da série. Até a explicação de como ele consegue dar seus socos é, apesar de besta, plausível: o cara malha. rs. Nada de poderes mágicos bastante convenientes ou coisa do tipo.

Mas foi quando descobrimos o “plot twist” envolvendo o “poder” do protagonista é que o anime realmente me fisgou. Acontece que ele não morre. Ou melhor, ele morre, mas retorna ao momento em que entrou naquele mundo pela primeira vez. O cara basicamente tem “continue infinito”.

Além disso, gostei da personalidade do protagonista. Ele é claramente um otaku que curte ler uns mangás e jogar uns jogos de fantasia, além de claro, admirar garotas fofas, etc. Porém, apesar de tudo isso, o jeito com que ele lida com os outros é bem interessante e extremamente sincero e leve. É divertido ver suas reações meio bestas às coisas.

O estúdio White Fox também arrasou no visual da série. Embora tenhamos uns usos de CG que ficam meio destoantes aqui e ali, no geral, o anime é bonito pra caramba. Cores vibrantes, boa animação, trilha sonora na medida. Até o character design me agradou, o que é difícil em séries de fantasia modernas.

Ao final do episódio eu fiquei realmente interessado em saber qual é a treta que está rolando naquele mundo, por que o Natsuki foi parar lá, quem é a heroína lá de fato e por que ela usou um nome falso quando conheceu o Natsuki pela primeira vez, etc, etc, etc. Adoro ser surpreendido e Re:Zero definitivamente me surpreendeu positivamente.


Sousei no Onmyouji – Direção: Tomohisa Saguchi – Roteiro: Naruhisa Arakawa – Estúdio: Studio Pierrot

Sousei no Onmyouji - 01

Eu fiquei um pouco em dúvida ao terminar de ver o primeiro episódio de Sousei no Onmyouji. Embora eu tenha gostado bastante da sequência de ação que tivemos nesse episódio, eu não consegui identificar se o anime vai focar mais na ação ou mais no romance entre a dupla principal. Talvez acabe levando os dois em paralelo, o que não é nada mal. Gostei de ver os dois lutando lado a lado e, até certo ponto, em igualdade, atacando e protegendo o parceiro quando necessário. A única coisa que me desagrada um pouco nessa parte da ação é o protagonista ser aquele personagem EL FODÓN. Ele é o melhor exorcista e isso faz com que a menina se interesse por ele o que desenrola num romance entre os dois. É… batido, sem graça, eu sei…

Por sinal, a parte do romance é outra incógnita pra mim. Eu não sei se será um romance “comum” entre a dupla de protagonistas ou se teremos um harém. Dá pra ver que aquela menina “amiga de infância style” parece gostar dele de alguma maneira. Será que teremos outras?

Confesso que não me empolguei muito para continuar assistindo para descobrir, mas também não “desrecomendo” o anime. Pelo menos nesse primeiro episódio ele se mostrou ok, com boa ação e animação satisfatória (pelo menos nas partes de ação), mas podiam ter feito uns designs de personagem melhores, ein. Esses não são muito do meu gosto.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, podcaster, jornalista, amante de cinema, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

As estreias não param! E aí? Já começaram a decidir […]