Primeiras Impressões da Temporada de Inverno 2016 – Parte 3

Chegamos à 3ª parte das primeiras impressões da temporada de Inverno 2016. Os animes da vez são o promissor Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu, o surpreendentemente engraçado Dagashi Kashi, o anime com o melhor plot da história (aka Sekkou Boys) e a comédia sem graça Oshiete! Galko-chan.


Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu – Direção: Shinichi Omata – Roteiro: Jun Kumagi – Estúdio: Studio Deen

Animes Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu - 01

Eu amei praticamente tudo no primeiro episódio desse drama ambientado na Era Showa (provavelmente anos 60-70, mais especificamente), a começar da recriação do tempo em que a história se passa. Em séries “históricas” é importante levar o espectador para o tempo em que a história está sendo contada e Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu faz isso muito bem através de planos de transição, cenários, etc. Além disso, o anime ainda tem como cenário principal de sua história o Rakugo, um estilo de teatro japonês pouco conhecido no ocidente, mas bastante interessante e que ficou bem famoso no pós 2ª Guerra.

A produção do anime decidiu, de maneira muito inteligente, dobrar a duração desse primeiro episódio. Isso possibilitou que a história fosse contada num ritmo mais lento e envolvente, quase que transportando o espectador para o passado e para a vida daqueles personagens. Estes, por sua vez, carregam muito bem a história. Suas atitudes e reações parecem verossímeis e condizente com suas personalidades. O personagem principal, Youtaro, é tão sincero e “inocente” que é praticamente impossível não se ver torcendo por ele ao final do episódio.

Com um primeiro episódio que quase pareceu um filme, estruturalmente falando, Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu começou de maneira exemplar. Temos aqui uma boa válvula de escape para aqueles que não estavam mais aguentando animes com o velho clichê de protagonistas adolescentes e tramas escolares. Eu fiquei tão interessado nessa série que estou tendo que me controlar pra não escrever parágrafos e mais parágrafos sobre ela nesse post inicial. Com certeza ainda devo falar mais sobre esse anime por aqui. Agora entendo o motivo do mangá original ser tão elogiado e ter concorrido a tantos prêmios.


Dagashi Kashi – Direção: Shigehito Takeyanagi – Roteiro: Shigehito Takeyanagi (com Michiko Yokote como co-roteirista) – Estúdio: Feel

Animes Dagashi Kashi - 01

No meu post de apostas e sugestões da temporada, dentre os vários animes que comentei, destaquei que o que me chamou a atenção em Dagashi Kashi foi o character design. Ele tem uma pegada um tanto diferente que me agrada. Porém, tirando isso, não via muito motivo para assistir ao anime. Terminado o primeiro episódio posso dizer que fui surpreendido com situações bem divertida, conduzida por um elenco de dubladores afiadíssimos e um timming cômico que me tirou risadas honestas.

A premissa é meio besta, mas digo que isso só colabora ainda mais para a comédia: Hotaru é a herdeira de uma grande empresa fabricante de chocolate e doces no Japão. Ela então vai até uma cidade no interior atrás de You Shikada, o simples dono de uma lojinha de doces, para pedir que ele vá trabalhar na empresa de seu pai. Lá ela conhece Kokonotsu, o filho de You, que não se interessa pela lojinha do pai, embora adore doces. Quando You retorna, faz um acordo com Hotaru. Se ela conseguir convencer Kokonotsu a herdar a lojinha, ele aceita a oferta de trabalho da menina.

Fala sério… é tão besta que é bom.

Gostei bastante das gags desse episódio. Desde Hotaru ser completamente doida por doces e desligada da realidade até o fato dos amigos do Kokonotsu terem apelidado ele de “Coconut” (rsrsrs). Infelizmente nós temos sim alguns clichês de animes de comédia como o amigo do Kokonotsu entrando acidentalmente no banheiro quando a Hotaru está saindo do banho, etc. Mas o próprio anime parece ver que isso é besta e joga uma outra gag em cima dessa pra não nos deixar achar besta. Enfim, acho que já deu pra ver que me surpreendi positivamente com Dagashi Kashi. Eu me vejo tranquilamente assistindo a esse anime como forma de relaxar e dar umas risadas.


Sekkou Boys – Direção: Seiki Takuno – Roteiro: Michiko Yokote – Estúdio: LIDENFILMS

Animes Sekkou Boys - 01

Ano passado nós tivemos pouquíssimos animes curtos de qualidade. Porém, 2016 chegou com o pé direito e esse pé direito tem nome Sekkou Boys!

Eu tenho que bater palmas para a criatividade dos roteiristas japoneses. Sério. Eu já sou fãnzaço da Michiko Yokote graças a vários de seus trabalhos, mas nenhum foi tão pourra louca que nem Sekkou Boys. Quem diria que eu riria tanto de um anime cujo plot é a paradoxal vida de jovem mulher que abandonou a escola de arte por não aguentar mais ver esculturas para seguir no mundo do showbiz só para ir parar numa produtor que decidiu ter a revolucionária ideia de produzir um grupo idol onde os integrantes são estátuas de Marte, Hermes, Medici e São Jorge! HAHAHAHAHAHA… sério, pelamordedeus! Eu juro que eu achei isso aqui sensacional e essa é uma das minhas reações mais honestas de todos os tempos (quantas vezes vocês já viram eu expressando risadas honestas nos meus textos?).

Timming cômico excelente, roteiro e direção excelentes, uma verdadeira pérola que só os animes podem trazer para você. Me lembrou muito a sensação que tive quando assisti Ben-to pela primeira vez. MELHOR. PLOT. EVER!!!


Oshiete! Galko-chan – Direção: Keiichirou Kawaguchi – Roteiro: Keiichirou Kawaguchi – Estúdio: Feel

Animes Oshiete! Galko-chan - 01

Eu juro pra vocês que não queria falar desse anime por aqui, mas o estou fazendo porque o Denys (do blog Gyabbo!) tava botando tanta fé que ele seria mais do que as aparências mostravam que eu tenho o dever moral de dizer para todos vocês que não, não tem nada além do que o mostrado e o mostrado foi bem sem graça.

Ao assistir animes de comédia eu sempre espero, pelo menos, soltar umas risadas. Em Oshiete! Galko-chan eu não esbocei nem um sorriso sequer. Isso por si só já devia ser um trigger warning brabo, mas as piadas, por si só, são rasas. Muitas das gags se baseiam em algo sexual e/ou no fato da menina loira aí parecer uma gyaru, mas na verdade ser uma menina bem tranquilaça. Ou seja, bem meia-boca.

De legal mesmo acho que só a brincadeira com o nome das personagens e seus estereótipos…

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Chegamos à 3ª parte das primeiras impressões da temporada de […]