O Cão que Guarda as Estrelas – Manga Review

Um grupo de policiais encontra um carro abandonado no meio do nada. Dentro dele, o corpo de um homem morto há cerca de um ano. Ele não está sozinho. Perto dele, está o corpo de um cachorro. O estranho é que o animal parecia ter morrido há cerca de três meses. É assim que começa o mangá O Cão Que Guarda As Estrelas, trazido para o Brasil pela Editora JBC direto para livrarias.

ocqgae_01

O mangá é dividido em duas partes que se completam.

A primeira, intitulada “O Cão Que Guarda As Estrelas”, nos conta a história daquele homem, um típico salaryman, e daquele cachorro, adotado pela família do homem após ser achado abandonado em uma caixa de papelão. O grande barato dessa primeira parte é que tudo que acontece é narrado do ponto de vista do cachorro, com observações simples, inocentes, mas bem genuínas e com grande sensibilidade na leitura do ser humano. O olhar de Happy, como foi chamado, sob as mudanças daquela família, dos problemas, da deterioração pelo que ela passa, sempre sem entender muito bem o que está acontecendo e porque as pessoas não mais lhe davam carinho ou colocavam comida no seu potinho dá um aperto no peito.

Porém, ao mesmo tempo que a gente fica triste, abre um sorriso ao ver aquele cachorro, no meio de tantos problemas que ele não faz nem ideia, consegue continuar feliz e consegue deixar seu dono, que chama de “Papai”, também feliz.

ocqgae_02

A segunda parte, intitulada “Girassóis”, nos conta a história de Okutsu, um agente social que acabou ficando encarregado de descobrir a identidade daquele sujeito encontrado morto. O que começa apenas como mais uma função do seu trabalho acaba se transformando em uma verdadeira reflexão sobre sua própria vida.

Embora ambas possam ser lidas de maneira independente, o autor faz um excelente trabalho amarrando-as e dando um significado muito maior àquilo tudo. O autor, Takashi Murakami, nos leva numa verdadeira jornada pela fidelidade canina em duas histórias bem emocionantes que fazem até os mais brutos derramarem uma lágrima. Se você tem ou já teve um cachorro, esse mangá é para você, se não tem, acredite, vai querer ter um depois de terminar de ler.

ocqgae_03

O autor tem uma narrativa visual muito simples, com quadros sem muita inovação de forma ou estilo, mas os usa de maneira muito eficiente. Principalmente na primeira parte sob a visão de Happy. Sua arte também segue para um lado mais clássico, com personagens de proporções exageradas mas que conseguem passar bem as emoções ali retratadas. Não é a toa que a obra ganhou dois Book of the Year em 2009 pela popular revista japonesa Da Vinci – nas  categorias “livros para chorar” e “livros platina escolhidos pelos leitores”.

A edição da Editora JBC está impecável. O mangá foi publicado em papel Lux Cream (aquele que parece mais papel de livro, usado também em Death Note Black Edition), com orelha e 132 páginas em volume único custando R$23,90.

O Cão que Guarda as Estrelas é uma obra bem diferente do que estamos acostumados por aqui e eu gosto de ver esse tipo de material chegando até nós. Uma obra que nos proporciona uma jornada de emoções fortes, mas que ao final, por mais triste que seja, ela ainda encontra momentos de felicidade. Em um mundo de Hachikos e Marleys, tá na hora de falarmos também de Happy.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Um grupo de policiais encontra um carro abandonado no meio […]